crítica, xanto

XANTO | Tocar na ferida (Sobre “Outros jeitos de usar a boca” de Rupi Kaur), por Matheus Mavericco

 

rupi1

TOCAR NA FERIDA:
Sobre Outros jeitos de usar a boca, de Rupi Kaur.

De pijamas e virada pra parede, a jovem deitada parece que descansa. Seu cobertor beje estampado de flores, com o qual a princípio se cobria, foi jogado para o lado a fim de que pudéssemos ver a mancha vermelha primeiro entre as pernas e depois no lençol de cama. O enquadramento da imagem, aliado ao contraste com uma paleta de cores pálida, realça a mancha. E no entanto, a posição do corpo e o cobertor tão à vontade evidenciam também a naturalidade daquela cena que se tenta a todo custo esconder, quase como se não existisse ou, pior ainda, não devesse existir. Em outras fotos do mesmo ensaio, a jovem contempla gotas de sangue perto do ralo do banheiro ou o vermelho da menstruação que se sobressai na brancura asséptica da privada.

o-rupi-kaur-facebook

“Não me vou desculpar por não alimentar o ego e orgulho de uma sociedade misógina que aceita o meu corpo em roupa interior mas fica desconfortável com uma perdazinha de sangue”, disse Rupi Kaur, a jovem da foto, quando sua imagem foi apagada da rede social em que havia sido postada. Com isto, recusava-se ainda a internalizar os artifícios e imagens que se naturalizam às custas da biologia do corpo feminino ou dos relacionamentos amorosos. Quem abre seu primeiro livro de poemas, publicado em 2014 nos Estados Unidos (onde encabeçou meses a fio a lista de mais vendidos) e no Brasil este ano, encontrará esta recusa a todo instante.

De minha parte, com exceção de “a arte de esvaziar” (elogiado também pela tradutora, Ana Guadalupe), não gostei do livro. Achei a realização artística um tanto fraca e em não poucos momentos rala e cafona, por exemplo quando ela diz ser um museu cheio de quadros que o rapaz, com os olhos fechados, não viu. Diria também que o livro, lambuzado de prosaísmo, quase não apresenta recursos poéticos e nem tampouco faz desta secura uma inesperada fonte de interesse, de modo que se o leitor espera um espetáculo de metáforas ou sonoridades retumbantes ou um modo mirabolante de ver o mundo então ele certamente se verá decepcionado com o livro, escrito, ao que a princípio parece, passando a tesoura aleatoriamente nas frases até que caiam retalhos no chão que de maneira arbitrária batizaremos “verso”.

O problema é que isto não encerra a discussão. Na verdade, mesmo que o objetivo fosse o do polegar pra baixo a questão teria sido quando muito colocada, no que a incumbência passaria ao leitor: que ele concordasse, discordasse, risse, ignorasse. O valor artístico que enxergamos numa obra é importante e sou da opinião que é perigoso minimizá-lo, mas uma obra também pode acumular outros valores que às vezes até são artísticos, mas de maneiras moderadas (por exemplo quando se limitam a efemérides temáticas), ou que de artísticos possuiriam muito pouco (a exemplo de quando a arte é tomada para fins terapêuticos). E Rupi Kaur, se para mim não faz jus ao primeiro sentido, claramente faz aos outros dois tanto por pelo menos abordar assuntos dolorosos e urgentes quanto por servir de mensagem revigorante para um público oprimido.

Pensemos naquilo que mencionei sobre os versos parecerem retalhos. Creio que consigo chegar a respostas distintas se rumino um pouquinho mais a coisa toda. Penso que de fato a autora não se preocupou muito em fornecer objetos artísticos bem acabados; na verdade, eu diria que o fato de que muitos de seus poemas se passam por frases de efeito é algo deliberado em seu projeto estético, no sentido de que poderiam ser veiculados em embalagens distintas sem acarretar o apocalipse. Claro que isso nos leva à acusação grave de que não possuem qualidade, pois, se considerarmos com Max Bense que o poema é a mensagem estética mais frágil, no sentido de que um simples arranhão ou o deslocamento de uma vírgula derrubam o casebre, então a possibilidade de que os poemas de Rupi Kaur sejam acomodados em outros invólucros não parece bom.

Pelo menos não se ainda os considerarmos como poesia. Ou seja: pode ser sim que estejamos diante de uma coletânea que contém não só poemas, mas também outra coisa que quer estar perto da poesia a fim de que sugue algumas propriedades do discurso poético e as utilize para incrementar sua mensagem. Concordo que é estranho cogitar tal hipótese, afinal de contas nós nos acostumamos a bater o martelo quando achamos que algo não é poesia e, depois disso, tirar as meias e colocar uma pizza no forno. Sou da opinião que proceder assim é um desperdício, não só porque é absolutamente plausível que um texto finja ser poético apenas para absorver benefícios de tal confusão sem que o resultado seja sempre negativo ou ardiloso, mas também pois, pra colocar de forma inteiramente pragmática, se você investiu seu dinheirinho naquilo e agora precisa esperar mês que vem pra embolsar outra coisa, o jeito é passar um tempo mastigando, elucubrando e buscando, porquê não?, novas maneiras de apreciá-lo, distintas das conclusões a que muitas vezes se chega de maneira insolitamente cômoda.

rupi2

De modo análogo a quando Adelaide Ivánova sobe no palco, saúda as meninas e as matriarcas no recinto, informa a página específica (setenta e cinco) e declama que “O problema não é que as pessoas lembrem por meio de fotos mas que só se lembrem das fotos” ela está de algum modo se aproveitando do fato de que aquilo é o maior festival literário do país e o público que a escuta espera degustar poesia, no que, assim procedendo, ela consegue espicaçar a sensibilidade e a consciência justamente pelo fato de que faz um voo rasante e propõe um mapa provisório do machismo brutal de nosso tempo, de modo análogo Rupi Kaur também se aproveita de nossas expectativas perante um livro de poemas, algo como abrir os poros e deixar que o coração transborde, e muitas vezes comunica mensagens curtas e diretas ou, caso queiramos adjetivos requintados, concisas e secas.

Uma comparação facilmente maldosa aproximaria os poemas da norteamericana aos do presidente brasileiro, principalmente pelo fato de que muitos são diretos, curtos e usam o cavalgamento de maneira livre, dando a impressão até de que não pensada. Eu tenho duas hipóteses sobre a última característica: a primeira é a de que, seguindo um comentário curiosíssimo de Rogério Chociay, o cavalgamento diz muito mais a respeito da estrofe do que a respeito do verso, de modo que devemos pensar o cavalgamento não a nível de um ganho entre um verso e outro, como é costume que façamos, mas sim num nível global, e a segunda hipótese é a de que o cavalgamento proporia um sistema de ênfases, como se, tentando desenvolver a ideia de uma maneira perigosa não obstante promissora, a disposição dada por Rupi Kaur fosse apenas uma dentre outras que os leitores também podem fazer. Afinal de contas, se eles podem acondicionar os versos na embalagem de uma única frase, então não me parece absurdo que possam repicotá-los e redistribuir as ênfases dadas pelo original.

eu não fui embora porque
eu deixei de te amar
eu fui embora porque quanto mais
eu ficava menos
eu me amava

Neste poema nós até possuímos um recorte bem pensado graças à anáfora pronominal deixando claro que sair de um relacionamento abusivo recuperou toda uma autoconfiança perdida. Um segundo exemplo de uso expressivo da quebra de linha é o desse aqui, onde o isolamento vocabular nos dois últimos versos está obviamente te dizendo algo num poema onde pouco parece ser dito e até o sujeito é indeterminado.

o jeito como
vão embora
diz
tudo

Ocorre que esta nem sempre é a realidade de outros textos do livro, onde a operação de repicotar, operação nem um pouco recomendável para qualquer leitor diante de obras literárias, parece abrir uma exceção tal como se a poesia de Rupi Kaur permitisse algo do tipo para seus leitores. Vejamos:

há uma diferença entre
alguém dizer que
te ama e
de fato
te amar

Com exceção do primeiro verso, que se terminasse em “diferença” perderia a chance de passar uma demão de ênfase justamente no contraste entre as duas opções, não vejo nada de especial na disposição dos versos. E o ponto que faço é que não julgo que a ênfase dada pela poeta seja a única possível, pois do mesmo modo que posso veicular o poema numa só frase, também posso, sem que isto implique uma perda tão profunda e lastimável como seria se com poemas de outros autores, transcrevê-lo como:

há uma diferença entre
alguém dizer que te ama
e
de fato te amar

Creio que se trata de um tipo de liberdade que pode ser especialmente produtiva nos poemas longos, onde, segundo Ana Guadalupe, Outros jeitos de usar a boca chega pertinho de uma poesia falada que pede para que o leitor a declame. Ora: como, na hora de declamar, é comum que desloquemos as ênfases do original e construamos algo que se ajuste melhor à performance escolhida, então creio que temos um incremento a mais para a hipótese que lancei.

deixar a barriga da minha mãe vazia
foi meu primeiro ato de desaparecimento
aprender a encolher para uma família
que gosta de ver as filhas invisíveis
foi o segundo
a arte de se esvaziar
é simples
acredite quando eles dizem
que você não é nada
vá repetindo
como um mantra
eu não sou nada
eu não sou nada
eu não sou nada
tão concentrada
que o único jeito de saber
que você ainda existe é
o seu peito ofegante

Esse daí é o tal “a arte de esvaziar”. Nele a autora faz uma óbvia referência à vilanela de Elizabeth Bishop, especialmente vista quando diz que a arte de esvaziar é simples (isn’t hard to master). Penso que se trata de um poema notável não só pela imagem de abertura, talvez a melhor do livro todo (afinal de contas é claro que quando um bebê nasce a barriga da mãe fica vazia, mas, porque o milagre da vida aconteceu, “vazia” definitivamente não parece ser o adjetivo correto, o que apenas realça a dor, o deslocamento e a privação que afligem o eu lírico), como também pelo fato de que a fluidez das frases e seu recorte coloquial fazem com que aquilo escorregue pela língua até o ponto em que nos pegamos lendo em voz alta. E isso é importantíssimo, afinal de contas se o poema fala de como toda uma trajetória de vida foi apequenada graças a uma educação que menospreza, então o ato de que no ápice do esvaziamento imposto (aqui surgido como uma versão deturpada de “mantra”) a pessoa descubra seu próprio corpo é um ato que quando mimetizado pelo leitor descobrindo, pela espontaneidade dos versos, a sua garganta que vocaliza o que está sendo lido ― é um ato que fecha o ciclo e carcome por dentro a arte de esvaziar. É como se o leitor, porque repercute as palavras em seus pulmões, contribuísse para libertar a voz lírica.

Mas voltando à comparação maldosa. Tomemos o caso de um poema do presidente chamado “Fuga”:

Está
Cada vez mais difícil
Fugir de mim!

Eu até entendo o que poderia levar alguém a comparar de maneira maldosa as duas poéticas. São poemas concisos a ponto de raquíticos mas que não recorrem a recursos tipicamente poéticos. Eles são, pelo contrário, bem diretos, o que já foi apontado como uma característica positiva na poesia de Rupi Kaur: ou seja, o fato de que ela não cria aquele tipo de ambiente palaciano atapetado de interjeições próprio, segundo o Ensino Médio, da poesia.

A diferença fundamental, além do fato de que o livro de Rupi se demonstrou como de maior relevância para seu público, agregando valor até de mercado, é que enquanto nos poemas do presidente nós encontramos um eu lírico que teme (!) revelar demais sua intimidade, no que o uso de poemas curtos acaba sendo um modo de amputar os veios emocionais com pitadas de mistério como se a carapaça do eu lírico fosse um esconderijo que validasse a “anônima intimidade” do título, e que diz respeito menos ao poeta do que ao leitor que, anônimo, vindo de todos os cantos, onipresente e sem rosto, deixa o escritor apreensivo diante da intimidade possivelmente estabelecida pelos textos, afinal de contas o leitor anônimo poderia devassar sua vida íntima em níveis que fugiriam do controle da voz enunciadora (o que, como sabemos quando se lida com políticos, pode representar a ruína); se com os poemas do presidente é assim que funciona, com Rupi Kaur nós temos um procedimento mais direto, onde o eu lírico sente a garra dos preconceitos ou dos relacionamentos abusivos ou de qualquer outra coisa que lhe ampute e, à medida que rechaça este passado e presente traumáticos, constrói uma individualidade cada vez mais forte, não a partir da proclamação expansiva e whitmaniana, digamos assim, de um Eu que suplanta tudo e a tudo abarca, mas sim num processo menor de curar as feridas e aceitar partes de si mesma que até então eram menosprezadas, a exemplo do que a aceitação do próprio corpo feminino, longe das idealizações mercadológicas e próximo de algo que é ferido, sente prazer e sangra, consegue demonstrar.

Com isto nós notamos que a intimidade da poesia da autora é distinta do temê-la e até mesmo do concebê-la caseiramente qual se fosse propaganda de margarina. Esta última diria respeito à chamada poesia caseira ou familiar, que esteve muito em voga no início do século passado e que encontrou no país cultores notáveis como Mário Pederneiras ou Guilherme de Almeida. Guilherme, aliás, chegou a traduzir um livro do poeta francês Paul Géraldy, Eu e você, onde as situações íntimas, miúdas e extremamente prosaicas são postas na ribalta. Num deles, chamado “Abat-jour”, o eu lírico chega pertinho da sua amada e pede pra que desliguem a luz do abajur para, vocês sabem…

Vamos ficar sem dizer nada.
Eu quero sentir bem o gosto
das suas mãos sobre o meu rosto!…
Mas quem está aí? Ah! a criada
que traz o café… Não podia
deixar aí mesmo? Não importa!
Pode ir-se embora!… E feche a porta!…
Mas o que é mesmo que eu dizia?

Consegue imaginar algo mais prosaico do que isso? Os dois quase no rala-e-rola e então a criada chega atrapalhando. Tudo em tempo real, revelando a intimidade não apenas de dois namorados que se preparam para a transa mas de uma casa onde o café ferve no bule. Não é assim que funciona? A visita chega e quer forrar o estômago. Pede-se pra criada que faça o café. Os dois vão pra cima, conversar miúdo e ranger as molas do colchão. Mas e o resto do mundo? Paralisou? Claro que não: e por isso prosaico, e por isso íntimo.

Com Rupi Kaur, porém, a intimidade é distinta. É a intimidade de, levantada a coberta, a mancha vermelha saltar aos nossos olhos, é a intimidade de falar de um assunto levantando a camisa e também mostrando as cicatrizes. Não é que ela se limite ao puramente privado, o privado a ponto do leitor se sentir como quem bisbilhota, mas sim que busque chegar àquela área da vida íntima que o preconceito ignora, veda ou rechaça. Sua poesia pelo jeito se passa facilmente como frase de efeito ou como um tipo feminista de auto-ajuda, mas somente o faz à maneira de uma flecha que perfura o concreto até chegar a seu público como uma forma de alento. Se no poema de Géraldy ele nos mostra que na vida real terceiros entram e atrapalham o banho de lirismo, Rupi Kaur se preocupa com o que se infiltra nos lençóis freáticos da sociedade. Naquele que é talvez o poema mais forte do livro, ela diz:

o estupro
vai te rasgar
ao meio

mas
não vai ser
o seu fim

E aqui nós tocamos em pontos importantes. O primeiro é o de que o livro realmente se presta muito bem à causa do empoderamento feminino, o que é visto de forma admirável num poema como o que acabei de citar. Mas ele também mostra que os temas abordados por Rupi Kaur, temas como por exemplo de relacionamentos abusivos, são temas que dificilmente seriam tratados por homens. Não que homens estejam impedidos de falar disso. Ei, caras, qual é, eu jamais defenderia algo do tipo. Somos uma irmandade. Não vou dar o braço a torcer para essas malditas feministas, pelo menos não depois que elas roubaram meu sorvete de casquinha. É só que… Ninguém nunca nos impediu, não é mesmo? A gente sempre pôde. Claro que pôde, ô se pôde. E no entanto… Por que quase não se trata disso? Não existe? Ou tudo o que existe são metáforas que falam da vagina da mulher como espécie de floricultura mística?

É uma maneira interessante de abordar o assunto. O empoderamento dos poemas de Rupi Kaur me parece fazer com que eles deixem de lado alguns dos aspectos mais prezados do que chamamos de Discurso Poético em prol de um papo reto com seu público leitor, o que é facilmente notado pelas constantes referências a um “você” na maior parte dos casos feminino. Isso já é algo perceptível na produção dos chamados instapoets, escritores que alcançaram um número vertiginoso de acessos em suas páginas nas redes sociais. Outros nomes incluem Lang Leav:

ENCERRAMENTO

Feito o tempo em aberto
e ferimento aberto ―
você perto de mim.

Não dissemos adeus,
não tivemos um fim;

E eu vou sempre indagar
por que é que foi assim.

CLOSURE.

Like time suspended,
a wound unmended ―
you and I.

We had no ending,
no said goodbye;

For all my life
I’ll wonder why.

 

E Tyler Knott Gregson (“Eu escrevo temas e fotografo coisas e vou pra lugares e vejo pessoas”, diz seu perfil):

   Ninguém

o mundo
que nem nós,
Ninguém
vai apreciar
o peso
de outra
mão
na nossa
mais
que nós.

No one
sees
the world
how we do,
No one
will appreciate
the weight
of another
hand
inside ours
more
than we.

No Brasil poderíamos pensar em algo do tipo se tomarmos como base páginas como Eu me chamo Antônio ou Pó de Lua, onde não apenas a rede social muda como uma leitura do passado poético imediato do país leva a soluções formais e literárias distintas, de modo que enquanto os poemas de Rupi parecem se nutrir muito da experiência da chamada poesia confessional, no caso das páginas brasileiras encontramos jovens que usam e abusam de efeitos trocadilhescos e paranomásicos que nos remetem de pronto à prática da poesia marginal. Tudo, gosto de às vezes imaginar, amarrado por uma preocupação em romper as clausuras da vida contemporânea, em estilhaçar as paredes de vidro das redes sociais e com isto evidenciar que ainda somos capazes de tocar o coração do outro, como se a verdadeira mensagem fosse algo que não se expressa com textos imensos e padronizados nem com fotos de casais sorridentes. Os poemas de Rupi são especialmente hábeis neste sentido, em mostrar como a roupagem de uma vida normal ou feliz pode servir de pesada túnica que imprime sofrimento para aquela pessoa.

E é pensando a popularidade dos poemas da autora que não apenas o apontamento de que podem ser transportados em outros veículos, alguns até mesmo não adaptados para conteúdos poéticos, haja vista que a comunicação nas redes sociais demanda muitas vezes que ilustrações sirvam de acompanhamento e modifiquem a disposição do original a fim de que a postagem acumule uma cordilheira de curtidas; não apenas tal apontamento como, ainda, o de que a poeta de algum modo reduz a distância implícita ao conceito de eu lírico e fala para o leitor de maneira mais direta, sem, portanto, aquele embate entre fingimento e sinceridade que marcou a poesia de uma Ana C. Em Rupi Kaur um filete de sangue sempre escorre pela gengiva, e a leitora que encontra seus textos ou que principalmente acessa sua página numa rede social sabe que aquele poema sai de uma mulher que se comunica diretamente com ela, uma mulher que olha nos seus olhos e diz ter uma mensagem muito importante ― e prova disso é encerrar o livro com um texto chamado “uma carta de amor de mim para você”, onde agradece ao leitor “por ter cuidado com o que há de mais delicado em mim”.

rupi 3

Isso por óbvio leva a autora a reduzir a densidade semântica ou poética de seus textos a fim de que flerte com um tipo de construção textual que talvez nem seja mesmo poesia e sim algo muito mais próximo da confissão. Isso vai depender da disposição do leitor, e não acho que quem negue o status de poético para muitos textos de Rupi Kaur esteja por conseguinte fornecendo uma leitura ruim deles. Eu diria até que considerá-los o tempo todo como poemas pode atrapalhar: poemas, quando estabelecem uma relação de intimidade com o leitor, estabelecem de forma faceira, gingando de lá pra cá sempre dando a entender que pode não ser bem assim. Seja como for, existem formas artisticamente mais refinadas de pensar a mensagem empoderadora de Rupi Kaur, a exemplo do que podemos enxergar na poesia de uma Angélica Freitas, que passa o cutelo da sátira na pedra de afiar da alta cultura, ou mesmo de uma Adelaide Ivánova, que escreve poemas como quem planta uma bomba-relógio. O que não se pode negar é que a poesia da norteamericana emite uma mensagem que repercutiu de forma positiva no cenário estadunidense, espanhol e agora brasileiro, a exemplo do que as resenhas em vídeo de personalidades como a Jout Jout atestam. E embora eu realmente não tenha gostado do livro, não posso negar que é bom, muito bom que tenha acumulado um valor assim.

Matheus Mavericco

Anúncios
Padrão
poesia, tradução

Abhay K., por Francesca Cricelli

Foto de Alina Medvedeva

Abhay K. é o autor de The Seduction of Delhi e editor de CAPITALS – uma antologia poética em 185 capitais do mundo, ambas obras publicadas pela Bloomsbury. Ele foi homenageado com o Prêmio Literário SAARC (Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional) em 2013 por sua contribuição para a poesia contemporânea do Sul da Ásia e, no mesmo ano, nomeado para o Prêmio Pushcart. Além disso, Abhay integrou a lista de autores celebridade da Forbes em 2014, recebeu um certificado em poesia do International Writing Program, da Universidade de Iowa em 2015, sendo também um escritor reconhecido pelo projeto Silk Routes dessa mesma universidade. Seus poemas apareceram em mais de vinte revistas literárias, incluindo Poetry Salzburg Review e The Asia Literary Review. Seu chamado para um Hino Oficial da Terra foi denominado pela UNESCO como uma iniciativa criativa e inspiradora que contribuiria para aproximar o mundo. O hino da terra escrito por ele é usado por muitas escolas ao redor do globo. Ele também escreveu uma canção para a SAARC estimulando também a busca por um hino oficial da Associação.

Abhay K. leu seus poemas em Kitaabnama, um programa literário no canal de TV nacional da Índia; no Festival de Literatura do Nepal na capital Katmandu; no Festival de Literatura SAARC em Agra; no Festival Internacional de Poesia Kritya em Wardha; no Festival de Poesia do Sul da Ásia, em Kathmandu; no British Council, em Nova Delhi; na Academia Nacional de Literatura da Índia (Sahitya Akademi), em Nova Delhi; no Basha Sangam nepalês, em Darjeeling; na Sikkim Academy, em Gangtok; na casa de escritores Dom Pishatelov, em São Petersburgo, na Rússia; no Goa Art and Lit Fest 2014; no Jaipur Literature Festival 2015 e 2017; Mountain Echoes Literature Festival 2015 no Butão; na Casa Peruana de Literatura em Lima 2016; na Universidade Interamericana em Buenos Aires 2016 e no Festival Internacional de Poesia, Granada, Nicarágua 2017. Seus poemas foram traduzidos para o russo, chinês, nepali, hindi, irlandês, polaco, português, esloveno, espanhol, turco, entre outras línguas. Seu poema canção Hino da Terra foi traduzido para mais de 28 idiomas.

* * *

Os Bárbaros Finalmente Chegaram

(Após “À espera dos bárbaros” de Kostantinos Kavafis)

Esperamos por muito, muito tempo.

Os bárbaros finalmente chegaram.

Por que nada acontece na montanha?
Por que ficamos sentados e não fazemos nada?

Os bárbaros já chegaram hoje.
O que devemos fazer, agora?
Os bárbaros estão aqui, cometendo atos desprezíveis

Por que nos despertamos tão cedo, hoje?
e por que ainda estamos nos despertando, subindo mais alto
com nossas próprias asas, vestidos de nada?

Porque os bárbaros já estão aqui, hoje,
e nossa consciência finalmente nos diz: faça
até lhes preparamos um rolo
cheio de notas, com abundantes humilhações

Por que nós, cônsules e diplomatas, saímos hoje
algemados, insultados, revistados, lavados
por que nossos rostos estão amarrados em lágrimas
caindo como pérolas?
Por que carregamos convenções
entalhadas claramente no gesso e na areia?

Porque os bárbaros já chegaram
e eles adoram estas coisas.

Por que nossos parceiros estratégicos e amigos não se mostram como sempre
encerando com eloquência o levantar e permanecer ao nosso lado na hora do apuro?

Porque os bárbaros já chegaram
e não ouvem ninguém.

Por que esse despertar repentino, esse zelo?
(Como nos tornamos conscientes)
Por que as salas de imprensa e o espaço cibernético se lotam tão rapidamente
e todos se lamentam a todo volume?

Porque o dia raiou e os bárbaros finalmente foram avistados
e alguns que acabaram de voltar da terra dos sonhos dizem
os bárbaros têm um novo endereço.

O que vai acontecer, agora que avistamos os bárbaros?
Eles, aquelas pessoas, querem mesmo uma solução?

Tradução: Francesca Cricelli

The Barbarians Are Finally Here

(After ‘Waiting for the Barbarians’ by C.P. Cavafy)

We have waited long, very long.

The barbarians are finally here.

Why isn’t anything happening on the hill?
Why do we sit doing nothing?

The barbarians are already here today
What should we do now?
The barbarians are already here, committing despicable acts.

Why did we rise so early today
and why are we still rising, soaring higher
on our own wings, wearing nothing?

Because the barbarians are already here today
and our conscience is finally telling us to act
we have even prepared a scroll to give them
replete with scores, with humiliations galore.

Why have we consuls and diplomats come out today
wearing handcuffs, insulted with cavity-search, swabbing
why are our faces laced with tears
dropping like pearls?
Why are we carrying conventions
carved clearly in chalk and sand?

Because the barbarians are already here
and things like that they adore.

Why don’t our strategic partners and natural friends come forward as usual
to wax eloquent that we have risen and stand by us in the hour of need?

Because the barbarians are already here
and they listen to no one.

Why this sudden awakening, this zeal?
(How conscientious we have become)
Why are the media-rooms and cyber-space crowding so fast
and everyone wailing at the top of one’s voice?

Because the day has dawned and the barbarians have been finally sighted
and some who have just returned from the dreamland say
barbarians have a new address.

And now, what’s going to happen to us we have sighted barbarians?
They, those people, do ever want a solution?

Padrão
poesia, tradução

Mirabai

Mirabai foi uma das mais interessantes personalidades do norte da Índia do séc. XVI. Devota de Krishna e poeta, escreveu suas composições no dialeto hindi do Rajastão. Existem muitas lendas ao seu respeito, mas pouco se sabe com certeza sobre sua vida. Dizem que era neta do fundador da cidade de Merta. Seu pai estava no comando de um pequeno território que compreendia doze cidades. Existe uma controvérsia a respeito de quem foi seu marido, mas sabe-se que, rapidamente, ficou viúva e, algum tempo depois, em uma guerra contra o rei mogol, seu pai também morreu.

Nesse período, parece ter entrado em conflito com a família, que chegou até mesmo a tentar envenená-la devido ao seu comportamento pouco apropriado para uma mulher segundo os costumes da época, já que não apenas recebia os devotos de Krishna em seu palácio, mas também os encontrava nos templos.

Mirabai é conhecido por seus padas, breves canções espirituais, rimadas e composta em ritmos simples, cantadas segundo uma determinada melodia (raga). Os assuntos de seus padas são diversos, mas seu grande tema é o amor por Krishna, que tem como esposo. É que seu caminho espiritual é a devoção amorosa (bhakti), que se articula na forma do amor conjugal (dampatya). Por isso, seus poemas falam de seu amor por Krishna de uma forma muito concreta e expressam a dor da separação (virah) do esposo místico, ao qual deseja se unir.

Para Mirabai, Krishna é a encarnação de Deus, que salva seus adores e os libera das correntes desse mundo. Ela o chama de natavar (grande dançarino) e mohan (atraente), mas nunca perde de vista a sua divindade, chamando-o também de avinasi (eterno).

Gostaria de apresentar aqui algumas versões de seus padas, feitas por Jorge Sousa de Braga a partir da tradução inglesa de A. J. Alston (em The Devotional Poems of Mirabai). A tradução de Braga foi publicada em 2009 pela Assírio & Alvim.

I.

Oh Mohan   deixei-me seduzir

pela beleza do teu corpo

dos teus olhos semelhantes

a pétalas de lótus dos teus

olhares furtivos  Nas margens

do rio apascentas gado e

tocas flauta  Mira sacrifica

tudo àquele que levanta

montanhas e absorve-se

na contemplação dos seus pés

II.

Só sei dançar

para o meu Mestre

Despi-me de toda

a vergonha   trago

vestida apenas

a minha fidelidade

e umas argolas de oiro

nos tornozelos   Quando

se deita com Ele

Mira veste só

a cor do seu Deus

III.

Não sei amiga o que irá

acontecer entre o meu Amado

e eu  Veio até mim  mas

foi-se embora enquanto

dormia  Vou rasgar em duas

as minhas vestes   comprar

um sari amarelo   deitar

os braceletes fora   deixar

o cabelo cair-me sobre

os ombros  O desejo

assola-me noite e dia

Mira diz   Uma vez juntos

os amantes não se devem

separar

IV.

Mira dança com campainhas

nos tornozelos   Mira está

louca   dizem   é a ruína

da família   O príncipe deu-lhe

veneno a beber   Ela sorveu-o

de um trago enquanto

sorria   Prostrada a teus pés

sou toda tua   Basta ver-te

para apagar a minha sede

de ti   O refúgio de Mira é

aquele que levanta montanhas.

bernardo lins brandão

Padrão