Denise Levertov, por Mariana Basílio

Denise Levertov (1923 – 1997) foi poeta, escritora e tradutora inglesa, naturalizada nos Estados Unidos e ligada à Geração Beat. Atualmente traduzo algumas das principais poetas americanas do século XX. Escolhi Denise Levertov para essa colaboração por dois fatores: primeiro, uma intensa ligação que sinto com a poeta no presente, além da mesma ser pouco conhecida no país. De traduções já realizadas da autora, encontrei uma … Continuar lendo Denise Levertov, por Mariana Basílio

Rob Packer (1982-)

Rob Packer nasceu em Londres em 1982, mas durante a última década viveu em alguns países da Ásia e América Latina. Desde 2011, ele mora no Brasil, atualmente no Rio de Janeiro. Os seus poemas em inglês foram publicados em revistas e sites no Reino Unido e na Irlanda, e alguns poemas exofônicos vão aparecer em publicações na Espanha e no Brasil nos próximos meses. … Continuar lendo Rob Packer (1982-)

Don Juan de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini, pt. 1

O melhor Canto do Don Juan de Byron à beira do bicentenário de Don Juan   Byron considerava este Canto “muito decente”, e também algo dull, “monótono”. Porém até seus desafetos reconheciam ser aqui um dos seus pontos culminantes. O poeta S. T. Coleridge, merecedor de vária sátira na obra byroniana, é quem diz (dias após a morte de Byron, em 1824) ser a “melhor” … Continuar lendo Don Juan de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini, pt. 1

3 traduções pro ‘The Raven’ do Poe

Mesmo que Edgar Allan Poe de fato seja, ao menos para um leitor de língua portuguesa, mais contista do que poeta, ainda assim é difícil que seu corvo não tenha alguma vez esvoaçado para dentro dos aposentos de leitores mais entusiastas e encontrado ali um local no mínimo propício à influência de seus feitiços. E nem me refiro especificamente ao poema original: seja em tradução, … Continuar lendo 3 traduções pro ‘The Raven’ do Poe

Denise Levertov, por Stefano Calgaro

Denise Levertov (1923-1997) nasceu em Ilford, Inglaterra, e foi poeta, tradutora, ensaísta, editora e professora. Com doze anos enviou alguns poemas a T. S. Eliot, que a incentivou a prosseguir. Há em sua vida três fatores que permearam muito sua poética: 1) a educação informal e religiosa que teve pelos pais; 2) ter servido durante a Segunda Guerra como enfermeira, o que influenciou muito o … Continuar lendo Denise Levertov, por Stefano Calgaro

Dylan Thomas, por José Francisco Botelho

Em algum momento da década de 1940, o legendário poeta galês Dylan Thomas discerniu a sombra da morte no rosto de seu velho pai. Com a vista comprometida e o corpo alquebrado, o então septuagenário David John Thomas mergulhava gradualmente nas trevas; sendo ateu, não haveria de consolar-se com promessas de um reconfortante além-túmulo. A posição mais prudente, nessas circunstâncias, seria aderir à resignação metafísica: … Continuar lendo Dylan Thomas, por José Francisco Botelho

Carol Ann Duffy, por Bernardo Beledeli Perin

Carol Ann Duffy nasceu em 1955 em Glasgow, na Escócia, e se estabeleceu como uma das vozes mais proeminentes da literatura de língua inglesa contemporânea. Duffy estudou Filosofia na Universidade de Liverpool e atualmente é professora de Poesia Contemporânea na Manchester Metropolitan University, além de ter sido apontada Poeta Laureada do Reino Unido em 2009 – a primeira mulher, a primeira escocesa e a primeira … Continuar lendo Carol Ann Duffy, por Bernardo Beledeli Perin

“Don Juan”, de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini

Em 2003, o pesquisador Daniel Lacerda perguntou a Augusto de Campos qual obra carecia ser traduzida ao português, e afirma que “não pude deixar de me surpreender ao ouvir a citação do poema byroniano.” (Lacerda, 2008, p. 17). Na sequência, Daniel – orientado por Décio Pignatari – fez uma tese acerca do uso sistemático da metalinguagem (que prenunciaria a modernidade) em Don Juan, e foi … Continuar lendo “Don Juan”, de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini

“The typewriter revolution”, de D. J. Enright

Dennis Joseph Enright (1920-2002) foi dessas figuras que produziram muito: professor, ensaísta, romancista, poeta, etc.  Na poesia, ele participou do movimento inglês autointitulado The Movement, para o qual fez em 1955 uma primeira antologia, Poets of the 1950’s. Um de seus trabalhos mais famosos é The typewriter revolution and other poems, de 1971, donde tiramos o poema abaixo e traduzimos. Trata-se de um experimento no limite … Continuar lendo “The typewriter revolution”, de D. J. Enright

Ozymândias, por Matheus Mavericco

“Ozymândias” é um soneto tão entranhado na cultura anglófona que é até meio difícil que você nunca tenha ouvido falar dele, ainda mais depois que num dos últimos episódios de Breaking Bad o inhrotagonista o recita. Um outro exemplo bom é o personagem Ozymândias de Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons. Num soneto que aborda a decadência de um rei que se orgulhava de ser o pica … Continuar lendo Ozymândias, por Matheus Mavericco