Uma certa taça de crânio de Byron em várias bocas

Quem, por acaso, já folheou as páginas de Espumas Flutuantes, do nosso famoso poeta Castro Alves (1847-1871), romântico de 3ª geração, conhecido pelo poema anti-escravista Navio Negreiro, com certeza deve ter percebido que o poeta mescla alguns poemas traduzidos junto com sua produção própria ao longo do volume. Um desses poemas, de grande destaque, é a seguinte tradução de um poema do, também romântico famoso, … Continuar lendo Uma certa taça de crânio de Byron em várias bocas

Elizabeth Bishop – Em apreciação dos poemas de Shelley

2012 é um bom ano para a poeta Elizabeth Bishop. Além de termos um filme, intitulado The Art of Losing ou Flores Raras, em português, saindo este ano, sobre a relação amorosa dela com a arquiteta Lota de Macedo Soares, a Companhia das Letras recentemente publicou um volume de poesia da autora chamado “Poemas do Brasil” (tradução de Paulo Henriques Britto). Curiosamente, tive notícia desses … Continuar lendo Elizabeth Bishop – Em apreciação dos poemas de Shelley

Shelley – Hinos de Apolo & Pã

(Para mini-biografia e mais informações sobre Percy Bysshe Shelley, conferir meu post anterior no blogue, com o poema Ode ao Céu) Os dois poemas que posto abaixo, em tradução minha, têm uma história interessante que eu gostaria de contar e fazer um pequeno comentário a respeito. Mary Shelley, por volta de 1820, escrevia uma peça em versos intitulada Midas, que, como esperado, tinha a temática … Continuar lendo Shelley – Hinos de Apolo & Pã

lord byron: prometheus (1816)

George Gordon Byron (1788-1824) é um dos mais destacados poetas britânicos do romantismo – talvez o mais – assim como um dos símbolos maiores da poesia romântica. Junto com Shelley, incorpora vastamente em sua obra os sentimentos de rebeldia, melancolia e deslocamento da figura do artista com relação ao convívio social. Não é por acaso que o titã Prometeu – e Jesus Cristo também – … Continuar lendo lord byron: prometheus (1816)

Shelley: Ode to Heaven

Percy Bysshe Shelley (1792 – 1822), além de marido de Mary Shelley – que, ironicamente, acabou se tornando mais famosa que ele, especialmente por conta de seu romance, Frankenstein – foi um poeta romântico, participante daquilo que podemos ver como um segundo momento do Romantismo inglês, ao lado de Lorde Byron e John Keats, e que sucedeu Wordsworth e Coleridge, apesar de estes dois últimos … Continuar lendo Shelley: Ode to Heaven