poesia, tradução

Um soneto de Dante, por Matheus Mavericco

dante_gabriel_rossetti_-_salutation_of_beatrice_-_2

Saudação de Beatriz, pintura a óleo de Dante Gabriel Rossetti.

Célebre soneto que, se há trinta e cinco anos era companheiro de vida de Dámaso Alonso (isso numa passagem belíssima logo no início de seu Poesia espanhola), sem exagero nenhum podemos dizer que há séculos é companheiro de qualquer pessoa que se encante por poemas. E olha, falo sem exagero. A humanidade objetivamente se aprimorou depois que um belo dia alguém sentou e, após apagar “Atualmente a tua mente atua ou mente?”, escreveu: “Tanto gentile e tanto onesta pare“. A forma mais límpida que encontrei de homenageá-lo, por tudo o que ele representa, é compilando todas as traduções que conheço dele, o que dá uma postagem e tanto, capaz de incluir, em seu bojo, um rol ilustríssimo de tradutores.

É só bater o olho e reverenciar nomes como Henriqueta Lisboa, Ivo Barroso, Jorge Wanderley, Décio Pignatari, Augusto de Campos. Mais do que um número gordo de versões, existe, aqui, uma verdadeira história. E não só a história de um soneto traduzido por muitos nomes: existe, também, a história de épocas que se entrecruzam e deixam seu legado umas pras outras, o que é facilmente comprovável se compararmos, por exemplo “envolta de modéstia nobre e pura” de Henriqueta Lisboa a “afável na humildade que não muda” de Décio Pignatari. Isso é tão interessante que me faz lembrar, até, de uma passagem do grande Augusto Meyer em que ele comentava esse soneto do Dante e dizia que todos os tradutores sempre caíam no falso cognato de labbia, isto é, parece que é “lábio” mas na verdade é “semblante” (a palavra também aparece no Inferno, XIX, 123, e Purgatório, XIII, 47). Burrice nacional? Comunopetismo? Illuminati? Vamos com calma. Caíram nessa armadilha, mas não incorreram no deslize de achar que piacente se refere a “pia”… Sacou? Uma verdadeira história, eu disse. Pois é.

Quanto ao soneto, aqui o que Dante está fazendo é, basicamente, descrever a impressão imortal que seu encontro com Beatriz lhe causara. E, no caso, que causava nos outros. Diz o poeta, na parte 26 de sua Vida Nova (cito a tradução de Décio Pignatari):

A mais que gentil, a que me referi nas palavras precedentes [adivinha quem é?????], granjeou tanto favor junto ao povo que, quando passava na rua, as pessoas acorriam para vê-la e disto me advinha uma grande alegria. Estivesse ela próxima de alguém, tanta honestidade instilava no coração, que a pessoa não ousava erguer os olhos ou sequer retribuir ao seu cumprimento. Muitos deles, tendo já passado pela experiência, poderiam testemunhar até junto a quem não acreditasse: caminhava coroada e vestida de humildade, sem se vangloriar do que via e ouvia. Diziam alguns, assim que ela passava: “Acho que não é mulher, mas um dos mais belos anjos do céu.” E outros: “Que maravilha! Rendamos graças ao Senhor, que tão prodigioso se mostra em suas ações!” Mostrava-se tão gentil e tão plena de todas as graças, que aqueles que a olhavam sentiam-se invadidos por uma doçura tão pura que não logravam contar o que sentiam. Não havia quem primeiro a visse que não se visse impelido a suspirar. Essas e outras coisas prodigiosas emanavam dela como virtudes. Foi pensado nisso e para retomar o estilo de sua louvação, que me propus dizer palavras nas quais conseguisse infundir quão milagrosos e superiores eram os seus fluidos, de modo que não apenas aqueles que a pudessem ver com sensibilidade, mas também os demais, conseguissem saber dela o que as palavras podem transmitir. Falei, então, neste soneto:
[Dante cita o soneto]
Este soneto é de entendimento tão simples, pelo que foi narrado antes, que não se faz necessária qualquer divisão.

Agora compare isto com aquele papinho moderno de que explicar o poema é estragá-lo. Pois é. Aqui nós notamos bem a vertente biográfica, fantasiosa (sim, fantasiosa, nutrida nas tetas provençais do amor cortês, a não ser que Beatriz fosse realmente uma Margot Robbie da época) e crítica que a Vida Nova de Dante representa (se bem que aqui o Dante tá meio que dizendo: “se depois do que eu disse tu não entendeu, rapaz, vou criar um novo círculo do inferno só pra socar gente burra que nem você”). Eu só tenho a dizer uma coisa: isso de “saber dela o que as palavras podem transmitir”… Sim, Dante. Você conseguiu. Meus parabéns, cara. Tome aqui um biscoito.

Quanto à compilação. Disse que compilei tudo o que consegui. O que consegui. Pois existem traduções às quais não consegui ter acesso. Todas traduções inclusas numa versão integral da Vida Nova. São: a do Padre Vicente Pedroso, da década de 50, publicada pela editora Atena (naquelas edições com a obra completa de Dante, em simpáticos livros em capa dura); a de Carlos Eduardo Soveral, publicada pela Guimarães Editores também na década de 50; e a de Jorge Vaz de Carvalho, publicada pela Relógio d’Água em 2010. (A Dantesca luso-brasileira de Giacinto Manuppella, na página 56, clique aqui, dá notícia de uma tradução de 1942 feita por Sidónio Miguel também.) A data de algumas traduções arroladas não está lá muito certa, de modo que minha disposição na postagem, que buscou ser cronológica, não é ideal. A versão de Vasco Graça Moura, por exemplo, eu não sei nem em que editora foi publicada (retirei-a de uma antologia online chamada Os dias do amor, aqui). A versão de Henriqueta Lisboa, publicada na reunião de sua poesia traduzida pela EdUFMG, não tem indicação de data, de modo que presumo que ela tenha sido realizado na mesma época de suas traduções de alguns Cantos do Purgatório: e por isso década de 60. A versão de Jorge de Sena eu datei como sendo da década de 70 pois foi quando sua coletânea Poesia de 26 séculos começou a ser publicada pela Editorial Inova. A versão de Ivo Barroso, pra ficarmos com um último exemplo, embora tenha sido publicada em sua reunião de traduções esparsas (um simpático livro que deveria ser reeditado!), eu presumo que tenha sido produzida antes, como, de resto, muitas das traduções contidas nesse livro (por exemplo cummings, um dos primeiros que Barroso traduziu, isso nos idos da década de 50, ainda na coluna encabeçada por Mário Faustino).

Minha tradução, espremidinha no meio de tanta gente ilustre, não teve como fito, conforme no geral acontece quando eu faço essas compilações enormes, buscar por soluções distintas, mas, antes, manter as rimas em “-uda” (correspondente perfeito para o “-uta” do original) nos quartetos, à maneira do que Ivo Barroso fizera.

 

matheus mavericco

 

§

trad. Paulo M. Oliveira e Blasio Demetrio. [1937]
em: Vida Nova, Biblioteca Clássica, Volume XX, p. 72.

Tão honesta e gentil, ao nos saudar,
Minha amada aparece em nossa vida,
Que toda bôca treme, emudecida,
E os olhos a não ousam contemplar.

Ela se vai, sentindo-se louvar,
Humildemente, de pudor vestida;
Parece que no céu foi escolhida
Para à terra um milagre revelar.

Tão amável se mostra a quem a mira
Que no peito desperta uma doçura
Que só pode entender quem a conhece;

E dos seus lábios emanar parece
Um espírito cheio de ternura
Que vai dizendo ao coração: “Suspira!”

§

trad. Arduíno Bolívar. [1950]
em: Poesias, W. M. Jackson. Não sei a página. Retirado daqui com informação complementar aqui.

É tão gentil e tão honesto o ar
Da minha Dama, sempre que aparece
E a outrem saúda, que ante ela emudece
Toda língua, e ninguém ousa falar.

Ela se vai sentindo-se louvar,
Vestida de humildade, e até parece
Coisa que lá do Céu à terra desce
A fim de a todos nos maravilhar.

Mostra-se tão graciosa a quem a mira,
Que nos filtra através do olhar no seio,
Um dulçor que só entende quem o prova.

Parece que do seu lábio se mova
Um suspiro suave, de amor cheio,
Que vai dizendo a toda alma: suspira.

§

trad. José Lourenço de Oliveira. [1956]
em: aqui.

Mostra-se tão gentil e tão honesta
a minha dama, no seu leve andar,
que toda língua cala e em todo olhar
logo se apaga a audácia manifesta.

Benigna e simples, ela segue, a festa
do seu louvor sentindo, ao caminhar.
Parece até milagre que mostrar
acaso o céu quisesse à terra infesta.

Agrada, tanto, vê-la, a quem a mira
e tanto aquece o coração no peito
que só quem prove é quem sabe e entende.

Dos lábios seus macio se desprende,
cheio de amor, um suave alento, um jeito
que, na alma, vai dizendo-nos: suspira!

§

trad. Henriqueta Lisboa. [década de 60?]
em: Poesia traduzida, EdUFMG, 2001, p. 38-39.

Tão discreta e gentil se me afigura
ao saudar, quando passa, a minha amada,
que a língua não consegue dizer nada
e a fitá-la, o olhar não se aventura.

Ela se vai sentindo-se louvada
envolta de modéstia nobre e pura.
Parece que do céu essa criatura
para atestar milagre foi baixada.

Ao que a contempla infunde tal prazer,
pelos olhos transmite tal dulçor,
que só quem prova pode compreender.

E assim, parece, o seu semblante inspira
um delicado espírito de amor
que vai dizendo ao coração: suspira.

§

trad. Jorge de Sena. [1972]
em: aqui.

Tanto é gentil e tão honesto é o ar
da minha dama, quando aos mais saúda,
que toda a lí¬ngua de tremor é muda,
e os olhos não se atrevem de a fitar.

E ela perpassa, ouvindo-se louvar,
vestida de humildade e tão sisuda,
que se diria que, do céu transmuda,
à terra veio milagres comprovar.

E é graciosa tanto a quem na mira
que dá dos olhos tal ternura ao seio,
que entendê-la não pode o que a não sente.

E é como se em seus lábios fora ardente
um espí¬rito suave e de amor cheio
que, sem dizê-lo, às almas diz: ― Suspira.

§

trad. Décio Pignatari. [1990]
em: Retrato do amor quando jovem, Cia das Letras, 2006, p. 60-61.

É tão gentil e de vaidade isenta
a minha dama, quando alguém saúda,
que a língua logo trava, tartamuda,
e a vista na visão não se sustenta.

Quando ela passa entre os louvores, lenta,
afável na humildade que não muda,
lembra coisa do céu vinda em ajuda
de todo aquele que um milagre alenta.

Não há graça maior pra quem a mire:
uma doçura, pelo olhar, vai fundo
― e só quem já sentiu pode dizê-lo.

Velando o seu semblante com desvelo,
um espírito de Amor se mostra ao mundo,
dizendo à alma, devagar: Suspire!

§

trad. Ivo Barroso. [1991?]
em: O torso e o gato, Record, 1991, p. 24-25.

É tão gentil e tão honesto o ar
de minha Dama, quando alguém saúda,
que toda boca vai ficando muda
e os olhos não se afoitam de a fitar.

Ela assim vai sentindo-se louvar
na piedosa humildade em que se escuda,
qual fosse um anjo que dos céus se muda
para uma prova dos milagres dar.

Tão afável se mostra a quem a mira
que o olhar infunde ao coração dulçores
que só não sente quem jamais olhou-a.

E quando fala, dos seus lábios voa
Uma aura suave, trescalando amores,
que dentro d’alma vai dizer: “Suspira!”

§

trad. Jorge Wanderley. [1996]
em: Lírica, Topbooks, 1996, p. 286-287.

Tanto é gentil e tão honesto é o ar
da minha amada, no saudar contida,
que toda língua treme emudecida
e os olhares não se ousam levantar.
Ela se vai, sentindo-se louvar,
mas da própria modéstia tão vestida
que parece milagre, concebida
no céu, para na terra se mostrar.
Tão suave se mostra a quem a admira
que do olho ao peito leva uma doçura
só compreendida por quem dela prova.
E talvez no seu rosto já se mova
o espírito de amor e de brandura
que vai dizendo ao coração: Suspira.

§

trad. Vasco Graça Moura. [anos 2000?]
em: aqui.

Parece tão gentil, tão recatada,
minha senhora quando alguém saúda,
que toda a língua treme e fica muda
e olhá-la até seria ideia ousada.

Quando ela passa, ouvindo-se louvada,
benignamente a humildade a escuda,
tal uma cousa que do céu acuda
à terra, por milagre revelada.

Tal graça ao coração de quem na mira
está pelos olhos uma doçura a pôr
que não pode entender quem a não prove;

e dos lábios parece que se move
um espírito suave e só de amor
que vai dizendo à alma assim: Suspira.

§

trad. Augusto de Campos. [2003]
em: Invenção, Arx, 2003, p. 272-273.

É tão gentil, é tão honesto o olhar
de minha dama quando a alguém saúda
que toda língua treme e fica muda
e os olhos não a ousam contemplar.

Ela se vai, sentindo-se louvar,
benignamente em singelez vestida,
como se fora coisa remetida
do céu para um milagre nos mostrar.

Mostra tanto prazer a quem a mira,
que dá, através dos olhos, um dulçor
que não pode entender quem não o prove,

e de seus lábios como que se move
um espírito suave, todo amor,
que vai dizendo ao coração: suspira.

§

trad. Ferreira Gullar. [2014]
em: O prazer do poema, Edições de Janeiro, 2014, p. 82.

Tão honesta e gentil, até na fala,
é minha amada, quando a alguém saúda,
que toda e qualquer língua fica muda,
e os olhos não se atrevem a contemplar.

Ela assim vai, sentindo-se louvar,
vestida de humildade: de tão linda
lembra um milagre e até parece vinda
do céu para na terra se mostrar.

Tão afável se mostra a quem a mira
que olhá-la ao coração leva doçura,
mas não pode entendê-lo quem não prova:

e talvez porque em seus lábios se mova
um espírito tão cheio de candura
que vai dizendo ao coração: “Suspira”.

§

trad. Matheus Mavericco. [2016]

É tão gentil e tão honesto o ar
de minha dama, quando ela saúda,
que toda boca treme e fica muda
e nem o olhar se atreve a contemplar.

Ela se vai, sentindo-se louvar,
trajada de uma singelez que aluda
à coisa que do céu à terra muda
intentando um milagre revelar.

Tão afável se mostra a quem a admira
que pelo olhar faz doce o coração ―
só não entende aquele que não prove.

De seu semblante como que se move
suave sopro pleno de paixão
que vai dizendo à toda alma: Suspira.

 

§

Tanto gentile e tanto onesta pare
la donna mia, quand’ella altrui saluta,
ch’ogne lingua devèn, tremando, muta,
e li occhi no l’ardiscon di guardare.

Ella si va, sentendosi laudare,
benignamente d’umiltà vestuta,
e par che sia una cosa venuta
da cielo in terra a miracol mostrare.

Mostrasisì piacente a chi la mira
chedà per li occhi una dolcezza al core,
che ‘ntender no la può chi no la prova;

e par che de la sua labbia si mova
un spirito soave pien d’amore,
che va dicendo a l’anima: Sospira.

Anúncios
Padrão
poesia, tradução

perverter cummings, achar ungaretti

 

ontem o matheus mavericco fez uma bela postagem sobre o poema mais famoso de e.e.cummings por estas plagas.

bateu aquela vontade de traduzir, mas acabei pervertendo, o que é uma forma honesta de versão.

aqui vão elas, sem mais.

guilherme gontijo flores

§

a primeira é um contracummings que celebre a rosa em flor, num movimento de interioridade que pode apontar para a pluralidade relativa (reparem em os, as, o, um, em vez da série de l e a do inglês). transmutação da folha em queda para flor&força

contracummings

§

a segunda vem de uma coincidência sonora: o poema mais famoso de giuseppe ungaretti, “mattina”, tem apenas seis sílabas poéticas (m’illumino d’imenso), tal como este de cummings (loneliness, a leaf falls, se lermos as duas imagens em linha). traduzi então ungaretti para a forma de cummings, lançando uma série de desdobramentos interiores (me, o, l, um), que mais uma vez contrariam a solitude cummingsiana por um transbordamento do deslumbre.

cummings-ungaretti

(perversões de guilherme gontijo flores)

Padrão
poesia, tradução

Mariangela Gualatieri (1951-) por Francesca Cricelli

gualtieri-2

Mariangela Gualatieri (Cesena/ Itália, 1951), poeta e dramaturga, começa a escrever dentro do Teatro Valdoca fundada por ela mesma com o diretor Cesare Ronconi. Desde o início preocupa-se com a entrega oral da poesia – realizando leituras dos seus versos na Itália e em diversos países, esteve em São Paulo em 2012 durante o encontro e exposição “de uma estrela a outra” organizado na Casa das Rosas – Espaço Haroldo de  Campos de Literatura e Poesia. Mariangela é sempre muito atenta, em suas performances, à amplificação da voz e ao encontro entre o verso poético e a música ao vivo. Seu trabalho com laboratórios de escrita e leitura é muito intenso.

Entre suas publicações destacamos:

Antenata (ed. Crocetti, Milano 1992), Fuoco Centrale (Giulio Einaudi ed. Torino 2003), Senza polvere senza peso (Giulio Einaudi ed., Torino 2006), Sermone ai cuccioli della mia specie (L’arboreto Editore, Mondaino 2006), Paesaggio con fratello rotto (libro e DVD, Luca Sossella Editore, Roma 2007), Bestia di gioia (Giulio Einaudi ed., Torino 2010), Caino (Giulio Einaudi ed., Torino 2011), Sermone ai cuccioli della mia specie con CD audio (Valdoca ed. Cesena 2012), A Seneghe.

Francesca Cricelli(Ribeirão Preto, 1982), poeta e tradutora, doutoranda em estudos da tradução pelo TRADUSP, estuda e traduz as cartas inéditas de amor de Giuseppe Ungaretti para Bruna Bianco, o volume está no prelo pela Mondadori. Publicou o livro de poemas Repátria (Selo Demônio Negro, 2015), organizou e traduziu a correspondência entre Giuseppe Ungaretti e Edoardo Bizzarri Lettere 1966/1967 (Scriptorium, 2013) e publicou o livreto de foto e poemas Tudo que toca o olhar (Casa Impressora Almería, 2013). Foi curadora da exposição e do ciclo de encontros “de uma estrela a outra” na Casa das Rosas – Espaço de Literatura e Poesia Haroldo de Campos em 2012. Participou de diversos festivais de poesia no Brasil, na Itália e na Índia, apresentou seu livro em Miami (EUA) e se prepara para novas viagens.

* * *

da BESTIA DI GIOIA

1.
Quando vuole pregare
lei va alla piscina comunale
mette la cuffia e gli occhialini
entra nell’acqua ma non è capace
di domandare, o forse non ci crede.
Allora fa una bracciata e dice
eccomi, poi ne fa un’altra
e ancora eccomi. Eccomi dice
ad ogni bracciata. Eccomi a te
che sei acqua e cloro
e questi corpi a mollo come spadaccini.

E nello spogliatoio, dopo, alla fine
prova sempre una gioia –
quasi l’avessero esaudita
di qualche cosa che non ha chiesto
che non sapeva. Che mai saprà
cos’era.

do livro BESTA DE JÚBILO

1.
Quando quer rezar
ela vai à piscina pública
põe touca e óculos
entra na água mas não é capaz
de pedir, ou talvez não acredita.
Então dá uma braçada e diz
aqui estou, e dá mais uma
e de novo, aqui estou. Aqui estou diz
que és água e cloro
e estes corpos de molho como espadachins.

E no vestiário, depois, no final
sente sempre um júbilo –
quase como houvessem atendido
a algo que não pediu
que não sabia. Que nunca saberá
o que era.

§

2.
Un mio me
soffre. Chi è? Chi scalcia sul fondo
di questo quieto piroscafo. Giù
nella stiva il passeggero più vivo
batte i suoi colpi.
Chi lo tiene sepolto? E che cosa vuole
questo bastardo bambino che scalcia?
Nel fondo di me, un me soffre –
la sua bandiera stropicciata
non ha nessun vento.
E’ murato. Il bambino più vivo
murato sul fondo.
Con la sua magra manina
mi stringe il cuore, al mattino
un poco stringe e duole.
Che cosa prometto quest’oggi al mio
prigioniero? Con quali false parole
lo tengo zitto per un giorno intero?

2.
Um meu eu
sofre. Quem è? Quem chuta no fundo
deste quieto navio a vapor. Lá embaixo
no porão o passageiro mais vivo
golpeia.
Quem o mantém enterrado? E o que quer
esta criança bastarda que chuta?
No fundo de mim, um eu sofre –
sua bandeira amarrotada
não tem vento algum.
Está murado. A criança mais viva
murada no fundo.
Com sua magra mãozinha
aperta-me o coração, de manhã
um pouco aperta e dói.
O que vou prometer hoje ao meu
prisioneiro? Com quais palavras falsas
vou mantê-lo calado por um dia inteiro?

§

8.
Forse si muore oggi – senza morire.
Si spegne il fuoco al centro.
Sanguinano le bandiere. Generale è la resa.
Ciò che nasce ora crescerà in prigionia.
Reggete ancora porte invisibili dell’alleanza
bastioni di sereno. Puntellate il bene
che si sfalda in briciole in cartoni.
Il popolo è disperso. In seno ad ognuno cresce
il debole recinto della paura – la bestia spaventosa.
A chi chiedere aiuto? E’ desolato deserto il panorama.
Si faccia avanti chi sa fare il pane.
Si faccia avanti chi sa crescere il grano.
Cominciamo da qui.

8.
Talvez se morra hoje – sem morrer.
Apaga-se o fogo no centro.
Sangram as bandeiras. A rendição è geral.
O que nasce agora crescerá na prisão.
Segurem ainda as portas invisíveis da aliança
baluartes do sereno. Escorem o bem
que se desfaz em migalhas no papelão.
O povo está disperso. No peito de cada um cresce
a débil cerca do medo – a besta assustadora.
A quem pedir ajuda? Está desolado deserto o panorama.
Venha adiante quem sabe fazer o pão.
Venha adiante quem sabe crescer o grão.
Começamos aqui.

(trad. Francesca Cricelli)

 

Padrão
crítica, poesia, tradução

nota crítica: “Poemas” de pier paolo pasolini, por ernesto von artixzffski

pasolini

saiu há pouquíssimo tempo, coisa de um mês só, o livro Poemas de pasolini; uma seleção poética organizada pelo trio que vem encabeçando as recentes publicações italianas da cosac: maria betânia amoroso (escrevendo o posfácio), alfonso berardinelli (na organização e introdução) e maurício santana dias (tradução e notas).

tendo a oportunidade de ter trabalhado com a editora na feira literária do sesc, que acontece todo ano aqui em curitiba, onde o livro foi posto à venda pela primeira vez, e vendo que a maior parte do público desconhecia o fato de pasolini ter escrito poesia,  fica impossível negar o louvor da publicação. o livro, me parece, surge em bom momento: pasolini poeta não existia no brasil! e somente 40 anos após seu brutal assassinato – até hoje um bocado obscuro e misterioso – é que nos chega uma primeira tradução. isso nos diz muito sobre nós mesmos: a poesia de pasolini parece-nos fundamental hoje.

nessa primeira edição brasileira, temos poemas de sete livros de poesia publicados em vida pelo autor (“a melhor juventude”, escrito em dialeto friulano, “o rouxinol da igreja católica”, “diários [1943-53]”, “as cinzas de gramsci”, “a religião do meu tempo”, “poesia em forma de rosa”, “trasumanar e organizar” e “a nova juventude”), seguido por excertos de três obras ensaísticas, “empirismo herético”, “escritos corsários” e “cartas luteranas”. ou seja, isso nos dá um panorama significativo, ainda que pequeno, claro, diante da vastíssima obra de pasolini, de pelo menos 30 anos de produção poética, e com isso é dado ao leitor acompanhar o percurso do quase puro lirismo dos primeiros poemas em friulano à perfeita indistinção entre poesia e prosa, com uma maior liberdade temática e formal, dos últimos livros e dos ensaios-poéticos

dito isso, tenho cá minhas ressalvas. ressalvas que, a meu ver, servem  de modo algum para depreciar o projeto em si, mas para pensar o modo de se conceber e apresentar antologias de poetas inéditos (ou mesmo dos não inéditos). críticas, duas, que se constituam talvez como mero desdobramento duma mesma: tradução e crítica (ou tradução-crítica).

embora haja “sempre uma violência contida no gesto de antologizar”, como bem disse davi pessoa, em sua resenha para o jornal o globo (clique aqui), essa violência se dará (ou ao menos assim deveria) sempre de modo consciente. a questão, portanto, não é pensar que esse ou aquele poema ficaram de fora, mas sim lidar com suas ausências, balizadas pelos motivos antológicos que justificam a seleção. é nesse sentido que, dado o caráter pioneiro do projeto, uma antologia – essa antologia! – não poderia deixar de justificar suas violências. essas justificativas, penso, que poderiam figurar como uma espécie de aporte crítico, seriam menos um mea culpa dos organizadores que uma abertura de leitura crítico-interpretativa a um leitor menos competente (ou menos pleno, ou monolíngue) no que diz respeito à poesia.

pasolini nasceu-nos sem maiores explicações.

penso que traduzir um poeta pela primeira vez é, sobretudo, fundar-lhe numa determinada cultura, fundando, também, através da tradução, sua primeira fortuna crítica, sua gramática poética, seu discurso (afinal, “com a tradução, não se crê em passar de um código a outro, mas, uma vez que sempre se traduzem discursos, textos particulares, e não línguas, são as relações com a língua, em cada caso diferentes, tanto do texto traduzido quanto do tradutor, que são evidenciadas e interrogadas”). mas essa ideia de tradução-fundadora deve, acredito, estar ligada a uma tradução que se proponha poética, e portanto crítica.

por certo a obra poética de pasolini não é uma obra de assimilação imediata. isso equivale a dizer que sua poesia, seu estilo, não se encerram num determinado modelo poético definido e amplamente praticado. pasolini foge a movimentos e escolas. seu experimentalismo comporta uma grande quantidade de engajamento; o emprego de recursos poéticos nitidamente modernos entra em choque com sua monstruosa máscara de “força do passado”; sua forma próxima à prosa ainda guarda recursos inerentes à poesia, como a rima, por exemplo. ou seja, a poesia de pasolini apresenta um caráter “onívoro”, “híbrido”, uma enorme variedade de procedimentos formais, compreendida por muitos como uma recusa à modernidade.

partindo disso tudo que foi dito, a tradução de maurício santana dias (nossa primeira tradução, acho importante sempre relembrar) não me parece muito preocupada em resolver muitos desses problemas. não me parece, até certo ponto, dar conta dessa multiplicidade de formas e procedimentos presentes na poesia do italiano. isso, claro, não é mesmo que dizer que se trate de uma tradução mediana, para usar um termo de haroldo de campos, ou que nivele os poemas por baixo, ou algo que o valha. considero apenas não se tratar de uma tradução poética (e portanto crítica). nada recriminável por si só, obviamente, mas que parece pesar um pouco quando esbarra num aporte crítico conciso demais.

alguns exemplos, talvez, ajudem um bocado a entendermos. em “balada do delírio” (p. 42), por exemplo, as rimas presentes no original são postas à parte na tradução, ainda que o tradutor, numa nota (p. 270), nos informe que segundo o próprio pasolini o esquema formal seria derivado de villon. vejamos:

Solo, solo, una statua di cera
indurita dal vecchio raggio
della mia vita già leggera…
E torna l’aria della sera
muta nel cuore del linguaggio.
Con sospiri d’anni è svanita
in lucidi orizzonti, aria
alitata da gole d’angeli,
l’esistenza – e torna alle nari
del mio cadavere, mare
di giorni dagli Ave agli Angelus.
[…]

Só, só, uma estátua de cera
endurecida pelo velho raio
de minha vida passageira…
E torna o ar da tarde
mudo no coração da linguagem.
Em anos de suspiros dissipou-se
em claros horizontes, ar
bafejado por gorjas de anjos,
a existência – e volta às narinas
de meu cadáver, mar
de horas da Ave-Maria ao Ângelus.
[…]

bem mais à frente, no poema “a poesia da tradição”, do livro “transumanar e organizar”, o verso ché organizzar significar per verba non si poria é traduzido por “porque organizar significar per verba não poderia”, constando apenas a seguinte nota: “Aqui Pasolini faz um jogo intertextual com a Commedia de Dante (“Transumanar significar per verba non si poria” Paraíso, 1, vv. 70-71), a que o título do volume Transumanar e organizar remete.”. esse caso específico eu vejo menos como problema formal (ou seja, a opção de manter o per verba) que propriamente de extensão crítica a um leitor menos experiente.

enfim & em suma, ao meu ver, é nisso que peca um pouco essa antologia: considerar pasolini parte de um cânone poético prescindível de maiores explicações. mas cânone pra quem? não para um não-leitor de italiano, ou para um leitor monolíngue. essa é nossa primeira tradução do pasolini poeta, e isso só já constitui um puta mérito, mas é justamente por ser a primeira que muita coisa permanece um tanto quanto vaga: os “hendecassílabos hipotéticos” permanecem obscuros, as oscilações líricas de certo modo tendem a se padronizar, a “desesperada vitalidade” e a “força do passado” são entrevistas com um certo esforço. a crítica não valida a tradução, nem a tradução se propõe crítica.

contudo, e do modo que for, teje fundado nosso pier paolo! nosso poeta pasolini. e isso temos muito que comemorar.

Padrão
poesia, tradução

Trilussa, por Daniel Dago

11884136_10156127367110314_577854673_o

Trilussa, pseudônimo de Carlo Alberto Camillo Mariano Salustri (1871-1950) – Trilussa é anagrama de Salustri –, foi um dos maiores poetas satíricos da Itália. Apesar da enorme fama em seu país natal, não alcançou sucesso no exterior, em grande por ter escrito especialmente em dialeto romano. Suas inúmeras “favole” (fábulas) são conhecidíssimas até hoje.

Escrito em italiano, “L’uccelletto” (literalmente, “o passarinho”, mas escolhemos “o pintinho” a fim de manter a conotação sexual do original) tem duas versões, ambas atribuídas a Trilussa. Escolhemos a mais conhecida, que se tornou viral na internet com a hilária interpretação feita numa rádio pelo tenor Andrea Bocelli. Dá para escutá-la aqui:

“Er porco e er somaro” (O porco e o burro) faz parte das “fábulas” escritas em dialeto romano. “Avarizzia” (Avareza), também em romano, faz parte de um círculo de poesias sobre os sete pecados capitais.

Daniel Dago

* * *

L’UCCELLETTO

Era d’Agosto e un povero uccelletto
ferito dallo fionda di un maschietto
andò per riposare l’ala offesa,
sulla finestra aperta di una chiesa.

Dalle tendine del confessionale
il parroco intravide l’animale
ma, pressato dal ministero urgente,
rimase intento a confessar la gente.

Mentre in ginocchio alcuni altri a sedere
dicevano i fedeli le preghiere,
una donna, notato l’uccelletto,
lo prese al caldo e se lo mise al petto.

D’un tratto un cinguettio ruppe il silenzio e il prete a quel rumore
il ruolo abbandonò di confessore.
Scuro in viso peggio della pece,
s’arrampicò sul pulpito e poi fece:

“Fratelli! Chi ha l’uccello per favore
esca fuori dal tempio del Signore!”
I maschi, un po’ stupiti a tal parole,
lenti s’accinsero ad alzar le suole,

ma il prete a quell’errore madornale
“Fermi” gridò “mi sono espresso male!
Rientrate tutti e statemi a sentire,
solo chi ha preso l’uccello deve uscire!”

A testa bassa, la corona in mano,
cento donne s’alzarono pian piano.
Ma mentre se ne andavano ecco allora che il parroco strillò:
“Sbagliate ancora, rientrate tutte quante figlie amate
che io non volevo dir quel che pensate!

Ecco, quello che ho detto torno a dire,
solo chi ha preso l’uccello deve uscire,
ma, mi rivolgo, non ci sia sorpresa,
soltanto a chi l’uccello l’ha preso in chiesa!”

Finì la frase e nello stesso istante
le monache s’alzarono tutte quante
e con il volto pieno di rossore
lasciavano la casa del Signore.

“O Santa Vergine!” esclamo il buon prete
“Fatemi la grazia se potete.
Poi senza fare rumore dico, piano piano
s’alzi soltanto chi ha l’uccello in mano!”

Una ragazza che col fidanzato
s’era messa in un angolo appartato
sommessa mormorò con viso smorto
“Che ti dicevo, hai visto? Se n’è accorto!”

O PINTINHO

Era agosto e um pobre pintinho,
ferido por um estilingue de um menininho,
pousou com a asa quebrada
na janela aberta de uma igreja lotada.

Pela cortina do confessionário
entreviu o animal o pároco solidário,
mas pressionado pela urgência,
foi obrigado às pessoas prestar assistência.

Enquanto de joelho alguns ficavam
e os fiéis rezavam,
uma mulher, notando o pintinho,
num ímpeto, o pegou e o colocou entre seus peitinhos.

Certo momento, um gorjeio quebra o silêncio e o padre, nesse ruído minoritário,
abandona as pessoas no confessionário.
Com a cara vermelha, pior do que de um visceral,
sobe no púlpito e diz a todos no local:

“Irmãos! Quem tiver um pintinho, por favor,
que vá embora do templo do Senhor!”
Os homens, um pouco pasmos com tal declaração,
já se preparavam para rua tomar direção,

mas o padre disse sobre erro fatal:
“Esperem” gritou “me expressei mal!
Entrem todos e fiquem a me ouvir,
só quem pegou no pintinho deve sair.”

Com a cabeça baixa e o véu na mão,
devagarzinho, cem mulheres se foram em vão.
E, enquanto iam-se, o padre gritou:
“Errei novamente, entrem todos os filhos amados,
pois não falei aquilo que vocês tinham pensado!

Bom, repito o que havia dito.
Só quem pegou no pintinho daqui deve ser expelido,
mas me dirijo, não sem surpresa,
apenas a quem pegou no pintinho dentro da igreja!”

Quando terminou a frase, naquele mesmo instante,
as freiras se levantaram e seguiram adiante,
e com rosto cheio de rubor
deixavam a casa do Senhor.

“Ó Virgem Maria!” exclamou o bom padre
“Dê-me uma graça, por piedade.
Sem fazer barulho, digo devagarzinho, devagarzinho,
que se vá somente quem na mão está com o pintinho!”

Uma menina com seu namorado
estava em um canto isolado
quando disse calmamente, mas com o rosto assombrado:
“Não te falei, viu? Sabia que ele tinha notado!”

§

ER PORCO E ER SOMARO

Una matina un povero Somaro
Ner vede un Porco amico annà ar macello,
Sbottò in un pianto e disse: – Addio, fratello,
Nun ce vedremo più nun c’è riparo!

– Bisogna esse’ filosofo, bisogna:
– Je disse er Porco – via nun fa’ lo scemo,
Chè forse un giorno ce ritroveremo
In quarche mortatella de Bologna!

O PORCO E O BURRO

Uma manhã, um pobre Burro,
vendo um Porco amigo ao matadouro tomar direção,
estourou em lágrimas e disse: – Adeus, irmão,
não nos veremos mais, não tem zurro!

– Se recomponha, calma, se recomponha
– disse o Porco – não seja ingênuo.
Talvez um dia nos encontraremos
em alguma mortadela de Bolonha!

§

AVARIZZIA

Ho conosciuto un vecchio
ricco, ma avaro: avaro a un punto tale
che guarda li quatrini ne lo specchio
pe’ vede raddoppiato er capitale.

Allora dice: — Quelli li do via
perché ce faccio la beneficenza;
ma questi me li tengo pe’ prudenza… —
E li ripone ne la scrivania.

AVAREZA

Conheci um velho
rico, mas avarento: avarento a ponto tal
que olha o dinheiro no espelho
para ver duplicado o capital.

Então diz: – Aquele dou para alguém
porque o faço por beneficência;
mas fico com este por prudência… –
E na escrivaninha o mantém.

(Trilussa, trad. Daniel Dago)

 

Padrão
poesia, tradução

2 poemas de pasolini

968full-pier-paolo-pasolini

pier paolo pasolini (1922-1975) é figurinha conhecida & dispensa apresentações: seus trabalhos como cineasta, crítico & romancista são muitíssimo divulgados, & talvez a faceta menos conhecida de sua obra seja mesmo a poesia, por onde ele começou sua carreira. mas vejam bem, vejam bem: menos conhecida, aqui, certamente não coincide com menos interessante.por isso logo abaixo vão dois poemas- até onde eu saiba – inéditos  em português. as traduções são de cide piquet, davi pessoa & pedro heise.

guilherme gontijo flores

* * *

Versos do testamento

A solidão: é preciso ser muito forte
para amar a solidão; é preciso ter pernas firmes
e uma resistência fora do comum; não se deve arriscar
pegar um resfriado, gripe ou dor de garganta; não se devem temer
assaltantes ou assassinos; há que caminhar
por toda a tarde ou talvez por toda a noite
é preciso saber fazê-lo sem dar-se conta; sentar-se nem pensar;
sobretudo no inverno, com o vento que sopra na grama molhada
e grandes pedras em meio à sujeira úmida e lamacenta;
não existe realmente nenhum conforto, sobre isso não há dúvida,
exceto o de ter pela frente todo um dia e uma noite
sem obrigações ou limites de qualquer espécie.
O sexo é um pretexto. Sejam quais forem os encontros
― e mesmo no inverno, pelas ruas abandonadas ao vento,
ao longo das fileiras de lixo junto aos edifícios distantes,
que são muitos ― eles não passam de momentos da solidão;
mais quente e vivo é o corpo gentil
que exala sêmen e se vai,
mais frio e mortal é o querido deserto ao redor;
é isso o que enche de alegria, como um vento milagroso,
não o sorriso inocente ou a prepotência turva
de quem depois vai embora; ele traz consigo uma juventude
enormemente jovem; e nisso é desumano,
porque não deixa rastros, ou melhor, deixa um único rastro
que é sempre o mesmo em todas as estações.
Um jovem em seus primeiros amores
não é senão a fecundidade do mundo.
É o mundo que chega assim com ele; aparece e desaparece,
como uma forma que muda. Restam intactas todas as coisas,
e você poderia percorrer meia cidade, não voltaria a encontrá-lo;
o ato está cumprido, sua repetição é um rito; pois
a solidão é ainda maior se uma multidão inteira
espera sua vez; cresce de fato o número dos desaparecimentos ―
ir embora é fugir ― e o instante seguinte paira sobre o presente
como um dever; um sacrifício a cumprir como um desejo de morte.
Ao envelhecer, porém, o cansaço começa a se fazer sentir,
sobretudo naquela hora imediatamente após o jantar,
e para você nada mudou; então por um triz você não grita ou chora;
e isso seria enorme se não fosse mesmo apenas cansaço,
e talvez um pouco de fome. Enorme, porque significaria
que o seu desejo de solidão já não poderia ser satisfeito;
e então o que o aguarda, se isto que não se considera solidão
é a verdadeira solidão, aquela que você não pode aceitar?
Não há almoço ou jantar ou satisfação do mundo
que valha uma caminhada sem fim pelas ruas pobres,
onde é preciso ser desgraçado e forte, irmão dos cães.

(Tradução de Cide Piquet e Davi Pessoa)

Versi del testamento

La solitudine: bisogna essere molto forti
per amare la solitudine; bisogna avere buone gambe
e una resistenza fuori del comune; non si deve rischiare
raffreddore, influenza o mal di gola; non si devono temere
rapinatori o assassini; se tocca camminare
per tutto il pomeriggio o magari per tutta la sera
bisogna saperlo fare senza accorgersene; da sedersi non c’è;
specie d’inverno; col vento che tira sull’erba bagnata,
e coi pietroni tra l’immondizia umidi e fangosi;
non c’è proprio nessun conforto, su ciò non c’è dubbio,
oltre a quello di avere davanti tutto un giorno e una notte
senza doveri o limiti di qualsiasi genere.
Il sesso è un pretesto. Per quanti siano gli incontri
– e anche d’inverno, per le strade abbandonate al vento,
tra le distese d’immondizia contro i palazzi lontani,
essi sono molti – non sono che momenti della solitudine;
più caldo e vivo è il corpo gentile
che unge di seme e se ne va,
più freddo e mortale è intorno il diletto deserto;
è esso che riempie di gioia, come un vento miracoloso,
non il sorriso innocente o la torbida prepotenza
di chi poi se ne va; egli si porta dietro una giovinezza
enormemente giovane; e in questo è disumano,
perché non lascia tracce, o meglio, lascia una sola traccia
che è sempre la stessa in tutte le stagioni.
Un ragazzo ai suoi primi amori
altro non è che la fecondità del mondo.
È il mondo che così arriva con lui; appare e scompare,
come una forma che muta. Restano intatte tutte le cose,
e tu potrai percorrere mezza città, non lo ritroverai più;
l’atto è compiuto, la sua ripetizione è un rito. Dunque
la solitudine è ancora più grande se una folla intera
attende il suo turno: cresce infatti il numero delle sparizioni –
l’andarsene è fuggire – e il seguente incombe sul presente
come un dovere, un sacrificio da compiere alla voglia di morte.
Invecchiando, però, la stanchezza comincia a farsi sentire,
specie nel momento in cui è appena passata l’ora di cena,
e per te non è mutato niente; allora per un soffio non urli o piangi;
e ciò sarebbe enorme se non fosse appunto solo stanchezza,
e forse un po’ di fame. Enorme, perché vorrebbe dire
che il tuo desiderio di solitudine non potrebbe esser più soddisfatto,
e allora cosa ti aspetta, se ciò che non è considerato solitudine
è la solitudine vera, quella che non puoi accettare?
Non c’è cena o pranzo o soddisfazione del mondo,
che valga una camminata senza fine per le strade povere,
dove bisogna essere disgraziati e forti, fratelli dei cani.

(Pier Paolo Pasolini,  Trasumanar e organizzar)

§

A um papa

Poucos dias antes de você morrer, a morte
havia posto os olhos sobre um seu coetâneo:
aos vinte anos, você era estudante, ele operário,
você nobre, rico, ele um rapazote plebeu:
mas os mesmos dias douraram sobre os dois
na velha Roma que voltava a ser tão nova.
Eu vi os seus restos, pobre Zucchetto.
Zanzava de noite bêbado perto do Mercado,
e um bonde que vinha de San Paolo o apanhou
e arrastou um tanto pelos trilhos entre os plátanos:
ficou ali algumas horas, embaixo das rodas:
algumas pessoas se juntaram ao redor para olhar,
em silêncio: era tarde, havia poucos passantes.
Um dos homens que existem porque você existe,
um velho policial escrachado como um louco,
a quem se aproximava muito gritava: “Fora, cambada!”.
Depois veio o automóvel de um hospital para levá-lo:
o povo foi embora, ficaram uns trapos aqui e ali,
e a dona de um bar noturno pouco adiante,
que o conhecia, disse a um recém-chegado
que Zucchetto tinha sido pego por um bonde, tinha morrido.
Poucos dias depois você morria: Zucchetto era um
do seu grande rebanho romano e humano,
um pobre bebum, sem família e sem cama,
que vagava de noite, vivendo quem sabe como.
Você não sabia nada sobre ele: como não sabia nada
sobre outros milhares de cristos como ele.
Talvez eu seja cruel ao me perguntar por que razão
pessoas como Zucchetto eram indignas do seu amor.
Existem lugares infames, onde mães e crianças
vivem numa poeira antiga, numa lama de outras épocas.
Não muito longe de onde você viveu,
à vista da bela cúpula de São Pedro,
há um desses lugares, o Gelsomino…
Um morro partido ao meio por uma pedreira, e embaixo,
entre um canal e uma fila de prédios novos,
um monte de construções miseráveis, não casas, mas pocilgas.
Bastava apenas um gesto seu, uma palavra,
para aqueles seus filhos terem uma casa:
você não fez um gesto, não disse uma palavra.
Não lhe pediam que perdoasse Marx! Uma onda
imensa que se refrata por milênios de vida
o separava dele, da sua religião:
mas na sua religião não se fala de piedade?
Milhares de homens sob o seu pontificado,
diante dos seus olhos, viveram em estábulos e pocilgas.
Você sabia, pecar não significa fazer o mal:
não fazer o bem, isto significa pecar.
Quanto bem você podia ter feito! E não fez:
nunca houve um pecador maior que você.

(Tradução de Pedro Heise e Cide Piquet)

A un papa

Pochi giorni prima che tu morissi, la morte
aveva messo gli occhi su un tuo coetaneo:
a vent’anni, tu eri studente, lui manovale,
tu nobile, ricco, lui un ragazzaccio plebeo:
ma gli stessi giorni hanno dorato su voi
la vecchia Roma che stava tornando così nuova.
Ho veduto le sue spoglie, povero Zucchetto.
Girava di notte ubriaco intorno ai Mercati,
e un tram che veniva da San Paolo, l’ha travolto
e trascinato un pezzo pei binari tra i platani:
per qualche ora restò lì, sotto le ruote:
un po’ di gente si radunò intorno a guardarlo,
in silenzio: era tardi, c’erano pochi passanti.
Uno degli uomini che esistono perché esisti tu,
un vecchio poliziotto sbracato come un guappo,
a chi s’accostava troppo gridava: “Fuori dai coglioni!”.
Poi venne l’automobile d’un ospedale a caricarlo:
la gente se ne andò, restò qualche brandello qua e là,
e la padrona di un bar notturno, più avanti,
che lo conosceva, disse a un nuovo venuto
che Zucchetto era andato sotto un tram, era finito.
Pochi giorni dopo finivi tu: Zucchetto era uno
della tua grande greggia romana ed umana,
un povero ubriacone, senza famiglia e senza letto,
che girava di notte, vivendo chissà come.
Tu non ne sapevi niente: come non sapevi niente
di altri mille e mille cristi come lui.
Forse io sono feroce a chiedermi per che ragione
la gente come Zucchetto fosse indegna del tuo amore.
Ci sono posti infami, dove madri e bambini
vivono in una polvere antica, in un fango d’altre epoche.
Proprio non lontano da dove tu sei vissuto,
in vista della bella cupola di San Pietro,
c’è uno di questi posti, il Gelsomino…
Un monte tagliato a metà da una cava, e sotto,
tra una marana e una fila di nuovi palazzi,
un mucchio di misere costruzioni, non case ma porcili.
Bastava soltanto un tuo gesto, una tua parola,
perché quei tuoi figli avessero una casa:
tu non hai fatto un gesto, non hai detto una parola.
Non ti si chiedeva di perdonare Marx! Un’onda
immensa che si rifrange da millenni di vita
ti separava da lui, dalla sua religione:
ma nella tua religione non si parla di pietà?
Migliaia di uomini sotto il tuo pontificato,
davanti ai tuoi occhi, son vissuti in stabbi e porcili.
Lo sapevi, peccare non significa fare il male:
non fare il bene, questo significa peccare.
Quanto bene tu potevi fare! E non l’hai fatto:
non c’è stato un peccatore più grande di te.

(Pier Paolo Pasolini, La religione del mio tempo.)

Padrão
poesia, tradução

giuseppe ungaretti, por ernesto von artixzffski

ungaretti

giuseppe ungaretti (alexandria, 1888 – milão 1970) talvez seja, do dito grupo dos herméticos – se é que assim se pode classificá-lo -, o mais plural representante. soldado na primeira guerra mundial, lutou na província de trieste. escreveu alguns poemas em francês – publicados sob o título de derniers jours em 1919 – e lecionou durante cinco (1937-42) na USP.

ainda que a ele se atribua o caráter de criador do movimento hermético, não vejo tanto desse poetar alusivo e fragmentário que dominava as produções herméticas. ainda, também, que de certa forma, mas não totalmente, ungaretti tenha aderido a algumas das experiências radicais da modernidade, sua obra se faz menos de alusão e mais de constatação.

mesmo que durante seus mais de cinquenta de produção poética o tema militar/bélico tenha sido quase que um fio condutor, sua poesia não pode ser facilmente enquadrada como “de guerra”. ungaretti soube expressar algo maior: uma experiência profunda da dor. algo semelhante, mas não completamente, à capacidade cabralina de conciliação de extremos, de contrários. o equilíbrio entre o estável e o perene; a profunda dor que concede mais vontade de vida; uma dimensão unitária do tempo: o poético.

sua linguagem justa, despida, reduzida sempre ao essencial deixa, aquilo que pra mim define sua poética, o transcendental (ou sagrado, alto, elevado, sublime, o mistério, sei lá) escamoteado sob a superfície de um discurso aparentemente simples (não vou dizer prosaico se não dá confusão quando falar do pavese).

a poesia do ungaretti, pra mim, enfim, abre sempre, em pares, os abismos perscrutáveis do ser humano. & não seria essa a função maior do poeta?

ernesto von artixzffski

outros poemas de il dolore já foram traduzidos aqui.

* * *

DANNAZIONE

Chiuso fra cose mortali
(Anche Il cielo stellato finirà)
Perché bramo Dio?

DANAÇÃO

Cerrado entre coisas mortais
(até o céu estrelado findará)
Por que grito Deus?

* * *

ATTRITO

Con la mia fame di lupo
ammaino
il mio corpo di pecorella

Sono come
la misera barca
e come l’oceano libidinoso

ATRITO

Com minha fome de lobo
amanso
meu corpo de cordeiro

Sou como
a mísera barca
e como o oceano libidinoso

* * *

CHIAROSCURO

Anche le tombe sono scomparse

Spazio nero infinito calato
da questo balcone
al cimitero

Mi è venuto a ritrovare
il mio compagno arabo
che s’è ucciso l’altra sera

Rifà giorno

Tornano le tombe
appiattate nel verde tetro
delle ultime oscurità
nel verde torbido
del primo chiaro

CLAROESCURO

Sumiram até mesmo as tumbas

Negro espaço infinito calado
desde esta varanda
até o cemitério

A mim veio reencontrar
o meu amigo árabe
que outra noite se matou

Refaz-se o dia

Retornam as tumbas
veladas no verde sombrio
das últimas trevas
no verde turvo
do primeiro clarão

* * *

INNO ALLA MORTE



Amore, mio giovine emblema,

Tornato a dorare la terra,

Diffuso entro il giorno rupestre,

È l’ultima volta che miro

(Appiè del botro, d’irruenti

Acque sontuoso, d’antri

Funesto) la scia di luce

Che pari alla tortora lamentosa

Sull’erba svagata si turba.




Amore, salute lucente,

Mi pesano gli anni venturi.



Abbandonata la mazza fedele,

Scivolerò nell’acqua buia

Senza rimpianto.



Morte, arido fiume…



Immemore sorella, morte,

L’uguale mi farai del sogno

Baciandomi.



Avrò il tuo passo,

Andrò senza lasciare impronta.



Mi darai il cuore immobile

D’un iddio, sarò innocente,

Non avrò più pensieri né bontà.



Colla mente murata,

Cogli occhi caduti in oblio,

Farò da guida alla felicità.

HINO À MORTE

Amor, meu jovem emblema,
Tornado a dourar a terra,
Difuso num dia rupestre,
É a última vez que olho
(Ao pé do valo, de rudes
Águas suntuoso, de grutas
Funesto) o rastro de luz
Qual a pomba lastimosa
Que sobre relva relaxada se agita.

Amor, saúde luzente,
Pesam-me os anos próximos.

Abandonado o cajado fiel,
Escorrerei na água turva
Sem saudades.

Morte, árido rio…

Irmã esquecida, morte,
Igual me farás ao sonho
Beijando-me.

Terei teu passo,
Partirei sem deixar marcas.

Dar-me-ás o coração imóvel
De um Deus, serei inocente,
Não terei mais pensamentos nem bondade.

Com a mente murada,
Os olhos caídos no esquecimento,
Te guiarei para a felicidade.

(trad. ernesto von artixzffski)

Padrão