Denise Levertov, por Stefano Calgaro

Denise Levertov (1923-1997) nasceu em Ilford, Inglaterra, e foi poeta, tradutora, ensaísta, editora e professora. Com doze anos enviou alguns poemas a T. S. Eliot, que a incentivou a prosseguir. Há em sua vida três fatores que permearam muito sua poética: 1) a educação informal e religiosa que teve pelos pais; 2) ter servido durante a Segunda Guerra como enfermeira, o que influenciou muito o … Continuar lendo Denise Levertov, por Stefano Calgaro

Carol Ann Duffy, por Bernardo Beledeli Perin

Carol Ann Duffy nasceu em 1955 em Glasgow, na Escócia, e se estabeleceu como uma das vozes mais proeminentes da literatura de língua inglesa contemporânea. Duffy estudou Filosofia na Universidade de Liverpool e atualmente é professora de Poesia Contemporânea na Manchester Metropolitan University, além de ter sido apontada Poeta Laureada do Reino Unido em 2009 – a primeira mulher, a primeira escocesa e a primeira … Continuar lendo Carol Ann Duffy, por Bernardo Beledeli Perin

Ozymândias, por Matheus Mavericco

“Ozymândias” é um soneto tão entranhado na cultura anglófona que é até meio difícil que você nunca tenha ouvido falar dele, ainda mais depois que num dos últimos episódios de Breaking Bad o inhrotagonista o recita. Um outro exemplo bom é o personagem Ozymândias de Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons. Num soneto que aborda a decadência de um rei que se orgulhava de ser o pica … Continuar lendo Ozymândias, por Matheus Mavericco

]Exclosures[ de Emily Abendroth

Emily Abendroth (1975 -) é professora, artista e poeta experimental da Filadélfia, além de ativista pelos direitos dos presidiários nesse país dotado da maior população carcerária do mundo que são os EUA (pau a pau, porém, com China, Rússia e Brasil, claro). Ela trabalha com o grupo Decarcerate PA, que visa pôr fim ao encarceramento em massa no estado da Pensilvânia, é co-fundadora do Address … Continuar lendo ]Exclosures[ de Emily Abendroth

Julián Axat (1976) por Pádua Fernandes

Julián Axat (La Plata, 1976) é um dos nomes mais notáveis da poesia argentina contemporânea. Publicou os livros de poesia Peso formidable (Buenos Aires: Zama, 2003), Servarios (Buenos Aires: Zama, 2005), Médium (Poética belli) (Buenos Aires: Paradiso, 2006), Ylumynarya (City Bell: Libros de la talita dorada, 2008), Neo (Buenos Aires: El Suri Porfiado, 2013) e Musulmán o biopoética (City Bell: Libros de La Talita dorada, … Continuar lendo Julián Axat (1976) por Pádua Fernandes

Ana Akhmátova (1889 – 1966)

Nascida Ana Andreiévna Gorenko, em Odessa (antigo Império Russo, hoje Ucrânia, amanhã… dado o andar das coisas, sabe-se lá) e instalada em São Petersburgo, Ana Akhmátova consta entre os principais nomes do acmeísmo – do grego akme, com o sentido de “apogeu”,  um movimento liderado por Gumiliov, seu primeiro marido, em reação ao então predomínio da estética simbolista – na literatura russa do começo do … Continuar lendo Ana Akhmátova (1889 – 1966)

Hans Magnus Enzensberger (1929)

Hans Magnus Enzensberger é um poeta, ensaísta e tradutor alemão nascido em 1929 e considerado por muitos o maior poeta vivo da língua. Criou-se em Nuremberg, a terra natal do nazismo, e passou pela guerra entre 44 e 45, tendo sido convocado, inclusive, pela Juventude Hitlerista, da qual foi expulso não muito tempo depois. Tinha 15 anos quando a Segunda Guerra acabou e 28 quando … Continuar lendo Hans Magnus Enzensberger (1929)

Vinagre, uma antologia de poetas neobarracos

Organizada pelo poeta Fabiano Calixto, Vinagre – uma antologia de poetas neobarracos foi ao ar pela primeira vez na segunda-feira do dia 17 de junho, em apoio aos protestos (antes de serem sequestrados pela classe média direitista, sendo a manifestação do 13 uma das mais marcantes pela violência policial) que vieram a ser chamados (talvez por uma minoria, mas, de qualquer modo, o nome é … Continuar lendo Vinagre, uma antologia de poetas neobarracos

Charles Simic – 6 de 60 poemas

Nascido em 1938, Dušan Simić, ou Charles Simic, como é conhecido atualmente, é um poeta ioguslavo (da época em que existia a Iugoslávia) que se mudou para Paris e depois para os EUA aos 15 e 16 anos, respectivamente – de modo a escapar da brutalidade da Segunda Guerra. Escrevendo em inglês, então, ele publicou muitos e muitos volumes de poesia, começando no final dos … Continuar lendo Charles Simic – 6 de 60 poemas