Poesia nórdica| Três tradutores de Karin Boye

Karin Maria Boye (n. 26 outubro de 1900 em Gotemburgo, m. madrugada de 24 april 1941 em Alingsås) é uma escritora e tradutora sueca mais conhecida por sua poesia mas que nos legou também muitos artigos, contos e romances, o mais célebre dos quais é a distópica obra de ficção científica Kallocain (Calocaína, publicada no Brasil em 1974 na tradução do prolífico tradutor Janer Cristaldo). … Continuar lendo Poesia nórdica| Três tradutores de Karin Boye

Poesia nórdica | Edith Södergran (1892—1923), por Luciano Dutra

Edith Södergran (n. 4 de abril de 1892 em São Petersburgo na Rússia czarista, f. 24 de junho de 1923 em Raivola, na época pertencente à Finlândia e atualmente parte do território da Rússia), foi uma poeta finlandesa de expressão sueca. Publicou em vida apenas quatro poemários: Dikter (”Poemas”, 1916), Septemberlyran (”A lira de setembro”, 1918), Rosenaltaret (”O altar das rosas”, 1919) e Framtidens skugga … Continuar lendo Poesia nórdica | Edith Södergran (1892—1923), por Luciano Dutra

Poesia nórdica| Karin Boye, por Luciano Dutra

Karin Maria Boye (n. 26 outubro de 1900 em Gotemburgo, m. madrugada de 24 april 1941 em Alingsås) é uma escritora e tradutora sueca mais conhecida por sua poesia mas que nos legou também muitos artigos, contos e romances, o mais célebre dos quais é a distópica obra de ficção científica Kallocain (Calocaína, publicada no Brasil em 1974 na tradução do prolífico tradutor Janer Cristaldo). … Continuar lendo Poesia nórdica| Karin Boye, por Luciano Dutra

tomas tranströmer por enaiê mairê azambuja

  eu já disse nalgum post passado que um dos problema da literatura mundial é que as periferias se desconhecem mutuamente. todos olham para o centro (em geral o econômico é o literário) & para si mesmos, até que alguma mensagem do centro nos faça lembrar do resto (não se trata de geografia — nós ignoramos o que acontece na maior parte dos países latino-americanos … Continuar lendo tomas tranströmer por enaiê mairê azambuja