Édipos, no plural: alguma diferença entre Sófocles & Sêneca e a tradução do prólogo romano

Charles Segal dedica muito pouco espaço em seu livro Oedipus tyrannus: tragic heroism and the limits of knowledge para tratar da versão senequiana do mito de Édipo, possivelmente pelo fato do classicista norte-americano considerar que a peça romana não se constitua como um drama próprio, senão como mera adaptação de um modelo grego. Essa abordagem fica evidente, sobretudo, devido ao capítulo em que Segal insere … Continuar lendo Édipos, no plural: alguma diferença entre Sófocles & Sêneca e a tradução do prólogo romano

6 traduções para o Édipo de Sêneca

Lúcio Aneu Sêneca (Lucius Annaeus Seneca, 4 a.C. – 65 d.C.), ou Sêneca, o Jovem, foi um tragediógrafo, poeta, orador e filósofo estoico romano que viveu sob os impérios de Augusto, Tibério, Calígula, Cláudio e Nero, tendo este último o condenado à morte, sob a acusação de conjuração contra o imperador. De sua obra, podemos destacar as dez tragédias hoje a ele atribuídas, i.e., as … Continuar lendo 6 traduções para o Édipo de Sêneca

3 traduções para o ‘task of the translator’ da Antigonick de Anne Carson

parece evidente afirmarmos que as fronteiras entre tradução, reescrita, adaptação e performance são de difícil estabelecimento, parecendo não haver critérios conceitualmente muito sólidos que distingam essas atividades além de perspectivas um tanto quanto subjetivas que as delimitam; sobretudo quando tratamos de peças teatrais que parecem figurar no limiar entre meros textos literários, pra nós, e acontecimentos espetaculares, rituais, jogos (os ludi), pros romanos and gregos, … Continuar lendo 3 traduções para o ‘task of the translator’ da Antigonick de Anne Carson