poesia, tradução

Don Juan de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini, pt. 1

Ford Madox Brown, “The Finding of Don Juan by Haidee”, 1878.

O melhor Canto do Don Juan de Byron

à beira do bicentenário de Don Juan

 

Byron considerava este Canto “muito decente”, e também algo dull, “monótono”. Porém até seus desafetos reconheciam ser aqui um dos seus pontos culminantes. O poeta S. T. Coleridge, merecedor de vária sátira na obra byroniana, é quem diz (dias após a morte de Byron, em 1824) ser a “melhor” coisa, isto é, a mais “individual”, da mesma.

O genial Canto III teve inclusive trechos traduzidos para o português por Augusto de Campos e Décio Pignatari. Alfim da tradução aqui apresentada estarão alguns comentários sobre eles, à guisa de posfácio.

O jovem Don Juan, metido num adultério, forçado a viajar (Canto I), vira náufrago, envolve-se em cenas de canibalismo e, único sobrevivente, é achado por Haidée, princesa de uma ilha, que se apaixona por ele (Canto II). O pai de Haidée era um pirata que, sumido há tempos, fora dado por morto (mas tal gente nunca morre). E narra-se no Canto III a volta a casa de Lambro. Sátira da Odisseia.

Entretanto, o principal personagem desse épico satírico é o próprio narrador, e as principais aventuras são da ideia, alusões (cita Shakespeare, Butler etc), tiradas retóricas e humorísticas (sua ex-mulher é a “musa dos paralelogramos”, mãe de Ada Lovelace (madrinha da computação)) e descrições pictóricas. Nas estrofes a seguir o narrador divaga sobre o amor e o casamento com crueza cética, passando à narração da volta de Lambro e à descrição dos costumes gregos, que Byron vivenciara em viagens.

A tradução foi feita na mesma forma estrófica do original, a oitava rima, buscando traduzir a maior parte da carga semântica com efeitos rímicos e enjambements. Pentâmetros iâmbicos foram traduzidos em decassílabos que, às vezes, possuem tônicas em ritmo iâmbico, como no último verso da primeira estrofe, ou na terceira estrofe, entre outras.

Lucas Zaparolli de Augustini

* * *

 CANTO THE THIRD

I.
HAIL, Muse! et cetera.—We left Juan sleeping,
Pillowed upon a fair and happy breast,
And watched by eyes that never yet knew weeping,
And loved by a young heart, too deeply blest
To feel the poison through her spirit creeping,
Or know who rested there, a foe to rest,
Had soiled the current of her sinless years,
And turned her pure heart’s purest blood to tears!

II.
Oh, Love! what is it in this world of ours
Which makes it fatal to be loved? Ah why
With cypress branches hast thou wreathed thy bowers,
And made thy best interpreter a sigh?
As those who dote on odours pluck the flowers,
And place them on their breast—but place to die—
Thus the frail beings we would fondly cherish
Are laid within our bosoms but to perish.

III.
In her first passion Woman loves her lover,
In all the others all she loves is Love,
Which grows a habit she can ne’er get over,
And fits her loosely—like an easy glove,
As you may find, whene’er you like to prove her:
One man alone at first her heart can move;
She then prefers him in the plural number,
Not finding that the additions much encumber.

IV.
I know not if the fault be men’s or theirs;
But one thing’s pretty sure; a woman planted
(Unless at once she plunge for life in prayers)—
After a decent time must be gallanted;
Although, no doubt, her first of love affairs
Is that to which her heart is wholly granted;
Yet there are some, they say, who have had none,
But those who have ne’er end with only one.

V.
‘T is melancholy, and a fearful sign
Of human frailty, folly, also crime,
That Love and Marriage rarely can combine,
Although they both are born in the same clime;
Marriage from Love, like vinegar from wine—
A sad, sour, sober beverage—by Time
Is sharpened from its high celestial flavour
Down to a very homely household savour.

VI.
There’s something of antipathy, as ‘t were,
Between their present and their future state;
A kind of flattery that’s hardly fair
Is used until the truth arrives too late—
Yet what can people do, except despair?
The same things change their names at such a rate;
For instance—Passion in a lover’s glorious,
But in a husband is pronounced uxorious.

VII.
Men grow ashamed of being so very fond;
They sometimes also get a little tired
(But that, of course, is rare), and then despond:
The same things cannot always be admired,
Yet ‘t is “so nominated in the bond,”
That both are tied till one shall have expired.
Sad thought! to lose the spouse that was adorning
Our days, and put one’s servants into mourning.

VIII.
There’s doubtless something in domestic doings
Which forms, in fact, true Love’s antithesis;
Romances paint at full length people’s wooings,
But only give a bust of marriages;
For no one cares for matrimonial cooings,
There’s nothing wrong in a connubial kiss:
Think you, if Laura had been Petrarch’s wife,
He would have written sonnets all his life?

IX.
All tragedies are finished by a death,
All comedies are ended by a marriage;
The future states of both are left to faith,
For authors fear description might disparage
The worlds to come of both, or fall beneath,
And then both worlds would punish their miscarriage;
So leaving each their priest and prayer-book ready,
They say no more of Death or of the Lady.

X.
The only two that in my recollection,
Have sung of Heaven and Hell, or marriage, are
Dante and Milton, and of both the affection
Was hapless in their nuptials, for some bar
Of fault or temper ruined the connection
(Such things, in fact, it don’t ask much to mar);
But Dante’s Beatrice and Milton’s Eve
Were not drawn from their spouses, you conceive.

XI.
Some persons say that Dante meant Theology
By Beatrice, and not a mistress — I,
Although my opinion may require apology,
Deem this a commentator’s phantasy,
Unless indeed it was from his own knowledge he
Decided thus, and showed good reason why;
I think that Dante’s more abstruse ecstatics
Meant to personify the Mathematics.

XII.
Haidée and Juan were not married, but
The fault was theirs, not mine: it is not fair,
Chaste reader, then, in any way to put
The blame on me, unless you wish they were;
Then if you’d have them wedded, please to shut
The book which treats of this erroneous pair,
Before the consequences grow too awful;
‘T is dangerous to read of loves unlawful.

XIII.
Yet they were happy,—happy in the illicit
Indulgence of their innocent desires;
But more imprudent grown with every visit,
Haidée forgot the island was her Sire’s;
When we have what we like ‘t is hard to miss it,
At least in the beginning, ere one tires;
Thus she came often, not a moment losing,
Whilst her piratical papa was cruising.

XIV.
Let not his mode of raising cash seem strange,
Although he fleeced the flags of every nation,
For into a Prime Minister but change
His title, and ‘t is nothing but taxation;
But he, more modest, took an humbler range
Of Life, and in an honester vocation
Pursued o’er the high seas his watery journey,
And merely practised as a sea-attorney.

XV.
The good old gentleman had been detained
By winds and waves, and some important captures;
And, in the hope of more, at sea remained,
Although a squall or two had damped his raptures,
By swamping one of the prizes; he had chained
His prisoners, dividing them like chapters
In numbered lots; they all had cuffs and collars,
And averaged each from ten to a hundred dollars.

XVI.
Some he disposed of off Cape Matapan,
Among his friends the Mainots; some he sold
To his Tunis correspondents, save one man
Tossed overboard unsaleable (being old);
The rest—save here and there some richer one,
Reserved for future ransom—in the hold,
Were linked alike, as, for the common people, he
Had a large order from the Dey of Tripoli.

XVII.
The merchandise was served in the same way,
Pieced out for different marts in the Levant,
Except some certain portions of the prey,
Light classic articles of female want,
French stuffs, lace, tweezers, toothpicks, teapot, tray,
Guitars and castanets from Alicant,
All which selected from the spoil he gathers,
Robbed for his daughter by the best of fathers.

XVIII.
A monkey, a Dutch mastiff, a mackaw,
Two parrots, with a Persian cat and kittens,
He chose from several animals he saw —
A terrier, too, which once had been a Briton’s,
Who dying on the coast of Ithaca,
The peasants gave the poor dumb thing a pittance:
These to secure in this strong blowing weather,
He caged in one huge hamper altogether.

XIX.
Then, having settled his marine affairs,
Despatching single cruisers here and there,
His vessel having need of some repairs,
He shaped his course to where his daughter fair
Continued still her hospitable cares;
But that part of the coast being shoal and bare,
And rough with reefs which ran out many a mile,
His port lay on the other side o’ the isle.

XX.
And there he went ashore without delay,
Having no custom-house nor quarantine
To ask him awkward questions on the way,
About the time and place where he had been:
He left his ship to be hove down next day,
With orders to the people to careen;
So that all hands were busy beyond measure,
In getting out goods, ballast, guns, and treasure.

XXI.
Arriving at the summit of a hill
Which overlooked the white walls of his home,
He stopped.—What singular emotions fill
Their bosoms who have been induced to roam!
With fluttering doubts if all be well or ill—
With love for many, and with fears for some;
All feelings which o’erleap the years long lost,
And bring our hearts back to their starting-post.

XXII.
The approach of home to husbands and to sires,
After long travelling by land or water,
Most naturally some small doubt inspires —
A female family’s a serious matter,
(None trusts the sex more, or so much admires —
But they hate flattery, so I never flatter);
Wives in their husbands’ absences grow subtler,
And daughters sometimes run off with the butler.

XXIII.
An honest gentleman at his return
May not have the good fortune of Ulysses;
Not all lone matrons for their husbands mourn,
Or show the same dislike to suitors’ kisses;
The odds are that he finds a handsome urn
To his memory—and two or three young misses
Born to some friend, who holds his wife and riches—
And that his Argus—bites him by the breeches.

XXIV.
If single, probably his plighted Fair
Has in his absence wedded some rich miser;
But all the better, for the happy pair
May quarrel, and, the lady growing wiser,
He may resume his amatory care
As cavalier servente, or despise her;
And that his sorrow may not be a dumb one,
Writes odes on the Inconstancy of Woman.

XXV.
And oh! ye gentlemen who have already
Some chaste liaison of the kind—I mean
An honest friendship with a married lady—
The only thing of this sort ever seen
To last—of all connections the most steady,
And the true Hymen, (the first’s but a screen)—
Yet, for all that, keep not too long away—
I’ve known the absent wronged four times a day.

XXVI.
Lambro, our sea-solicitor, who had
Much less experience of dry land than Ocean,
On seeing his own chimney-smoke, felt glad;
But not knowing metaphysics, had no notion
Of the true reason of his not being sad,
Or that of any other strong emotion;
He loved his child, and would have wept the loss of her,
But knew the cause no more than a philosopher.

XXVII.
He saw his white walls shining in the sun,
His garden trees all shadowy and green;
He heard his rivulet’s light bubbling run,
The distant dog-bark; and perceived between
The umbrage of the wood, so cool and dun,
The moving figures, and the sparkling sheen
Of arms (in the East all arm)—and various dyes
Of coloured garbs, as bright as butterflies.

XXVIII.
And as the spot where they appear he nears,
Surprised at these unwonted signs of idling,
He hears—alas! no music of the spheres,
But an unhallowed, earthly sound of fiddling!
A melody which made him doubt his ears,
The cause being past his guessing or unriddling;
A pipe, too, and a drum, and shortly after—
A most unoriental roar of laughter.

XXIX.
And still more nearly to the place advancing,
Descending rather quickly the declivity,
Through the waved branches o’er the greensward glancing,
‘Midst other indications of festivity,
Seeing a troop of his domestics dancing
Like Dervises, who turn as on a pivot, he
Perceived it was the Pyrrhic dance so martial,
To which the Levantines are very partial.

XXX.
And further on a troop of Grecian girls,
The first and tallest her white kerchief waving,
Were strung together like a row of pearls,
Linked hand in hand, and dancing; each too having
Down her white neck long floating auburn curls—
(The least of which would set ten poets raving);
Their leader sang—and bounded to her song
With choral step and voice the virgin throng.

XXXI.
And here, assembled cross-legged round their trays,
Small social parties just begun to dine;
Pilaus and meats of all sorts met the gaze,
And flasks of Samian and of Chian wine,
And sherbet cooling in the porous vase;
Above them their dessert grew on its vine;—
The orange and pomegranate nodding o’er,
Dropped in their laps, scarce plucked, their mellow store.

XXXII.
A band of children, round a snow-white ram,
There wreathe his venerable horns with flowers;
While peaceful as if still an unweaned lamb,
The patriarch of the flock all gently cowers
His sober head, majestically tame,
Or eats from out the palm, or playful lowers
His brow, as if in act to butt, and then
Yielding to their small hands, draws back again.

XXXIII.
Their classical profiles, and glittering dresses,
Their large black eyes, and soft seraphic cheeks,
Crimson as cleft pomegranates, their long tresses,
The gesture which enchants, the eye that speaks,
The innocence which happy childhood blesses,
Made quite a picture of these little Greeks;
So that the philosophical beholder
Sighed for their sakes—that they should e’er grow older.

XXXIV.
Afar, a dwarf buffoon stood telling tales
To a sedate grey circle of old smokers,
Of secret treasures found in hidden vales,
Of wonderful replies from Arab jokers,
Of charms to make good gold and cure bad ails,
Of rocks bewitched that open to the knockers,
Of magic ladies who, by one sole act,
Transformed their lords to beasts (but that’s a fact).

XXXV.
Here was no lack of innocent diversion
For the imagination or the senses,
Song, dance, wine, music, stories from the Persian,
All pretty pastimes in which no offence is;
But Lambro saw all these things with aversion,
Perceiving in his absence such expenses,
Dreading that climax of all human ills,
The inflammation of his weekly bills.

XXXVI.
Ah! what is man? what perils still environ
The happiest mortals even after dinner!
A day of gold from out an age of iron
Is all that Life allows the luckiest sinner;
Pleasure (whene’er she sings, at least) ‘s a Siren,
That lures, to flay alive, the young beginner;
Lambro’s reception at his people’s banquet
Was such as fire accords to a wet blanket.

CANTO III

I.
Fala, Musa! et cetera. – Juan ficou
No aconchego de um seio belo e feliz,
Visto por olho que jamais chorou,
No amor de um jovem coração, na raiz
Mui santo pra ver vir veneno esguio, ou
Ver que o que odeia a paz lá dorme, quem quis
Ao flux dos puros anos seus pôr mancha,
Pôr pranto em puro sangue de alma mansa.

II.
Oh, Amor! o que há em nosso mundo que toca
E faz fatal ser amado? Ah com cipreste
Em ramos tu revestes tuas tocas,
Fazes do suspiro o melhor intérprete?
Igual quem ama o odor colhe a flor, coloca-a
Em seu peito – só pra que morra – deste
Modo um frágil ser a quem temos carinho
Entra a perecer em nosso peito mesquinho.

III.
Só seu primeiro amado ama-o a Mulher,
Nos outros ela passa a amar o Amor,
Aí é hábito que não pode desprender,
E que cai bem – luva fácil de pôr,
Se pode provar sempre que quiser:
Primeiro o peito a um homem só a dispor;
Depois do que ela gosta é do plural,
Que uma adição enorme não faz mal.

IV.
Não sei se é culpa do homem ou dela é;
Mas bem certo é; uma mulher deixada
(A menos que afunde a vida na fé) –
Após um tempo deve ser cortejada;
Embora, óbvio, o primeiro dos affairs
O peito inteiro ocupe e aí entra mais nada;
Que haja, diz-se, a que não teve nenhum,
Mas a que teve nunca teve só um.

V.
É melancolia, e algo medroso bem
Da fraqueza humana, tolice, e crime,
Que Amor e Casamento não se deem,
Embora ambos nasçam no mesmo clima; e
Casamento, do Amor, vinagre do vinho vem –
Sóbrio, ácido, ruim – o Tempo oprime-
-O do mais alto aroma no céu posto,
A um sabor familiar, simples, sem gosto.

VI.
Há a antipatia, não sei se isto é sincero,
Entre o presente e o futuro estatuto;
Usa-se elogio não tão verdadeiro
Até vir a verdade tarde e muito –
E o que a gente faz, senão desespera? O
Mesmo muda o seu nome em um minuto;
Por exemplo – Paixão no amante é gloriosa,
No marido é comer na mão da esposa.

VII.
Tem vergonha o homem de ser muito quisto; e
Às vezes fica um pouco aborrecido
(Mas isto, claro, é raro), e fica triste:
Jamais se é sempre à mesma coisa atraído,
Mas é “em nome da fiança que existe”
Que dois se unem até que haja um morrido.
Triste ideia! perder o par que faz linda
A vida, e pôr os criados de luto ainda.

VIII.
No doméstico há algo que se afeiçoa,
De fato, à antítese do Amor real;
Romances tratam casos de pessoas,
Só dão de casamentos bustos; mal
Liga alguém pra arrulho de casório, há
Nada errado num beijo conjugal:
Se fosse a esposa de Petrarca Laura,
Faria sonetos toda a vida para?

IX.
Toda tragédia com morte termina,
E finda toda comédia em casório;
O porvir do par fica à própria sina,
Pois os autores temem ser simplórios
Com o mundo do par, ou a que se inclina,
E é este mundo que pune seus imbróglios;
Deixando-o ao padre e ao pronto livro de ora-
Ções, nada dizem da Morte ou a Senhora .

X.
Que eu lembre, apenas dois possuem canção
Ao Céu e ao Inferno, ou casamento: Dante
E Milton, ambos com péssima afeição
Às núpcias, pois erro ou algo conflitante
No temperamento arruinou a união
(O que, de fato, não requer bastante);
Mas a Beatriz de Dante e a Eva de Milton
Não são inspiradas na esposa, admito.

XI.
Dizem que Dante via a Teologia
Em Beatriz, não uma amante – eu, conquanto
Julguem que faço alguma apologia,
Vejo um comentador num sonho e tanto,
A menos que só a sua sabedoria
Decidiu, e comprovou então; no entanto,
Eu acho que a dantesca abstração extática
É a personificação da Matemática.

XII.
Haidée e Juan não se casaram, porém
Azar o deles, não o meu: não é doce,
Casto leitor, então, culpa pôr em
Mim, a menos que queira que eles fossem;
Se casado os queria, por favor, tem
Que fechar o livro do par no erro, se-
Não o efeito terrível será explícito;
É perigoso ler de amor ilícito.

XIII.
E eram felizes, – na indulgência dita
Proibida do inocente desejo, uai;
Mais imprudente vai cada visita,
Haidée esquece que a ilha é de seu Pai;
Perder o que se gosta é coisa aflita,
Ao menos de início, até que um canse; sai
Sempre Haidée assim, toda chance usa,
Enquanto o pai pirata os mares cruza.

XIV.
É estranha forma de ganhar um cash, a
Roubar bandeira de qualquer nação;
De primeiro-ministro só não se acha
O título, além, sim, da tributação;
Mas ele, mais modesto, humilde faixa
Da Vida toma, e a honesta vocação
Segue em alto-mar seu aquoso caminho,
Algo como um advogado-marinho.

XV.
O bom senhor havia sido pego
Por onda, vento, e presa que mui val’;
E, esperançoso a mais, quedou no pego,
Minando o ânimo um ou outro temporal,
Pondo a pique uma presa; ele, não nego,
Seus presos acorrenta em lote igual,
Numerados; com correntes, colares,
Cada um em média de dez a cem dólares.

XVI.
No cabo Matapão dispôs uns para
Seus amigos maniotas; uns vendeu
Ao correspondente de Túnis, só um cara
Lançou-se ao mar sem venda (era um velho); e o
Resto – um ou outro mais rico, reservara-
-Se a posterior resgate – se prendeu
Junto no porão; aos de comum tipo, ali,
Havia grande demanda ao Dei de Trípoli.

XVII.
O material foi servido igual, pelas
Mais diferentes vendas do Levante,
Salvo porções da presa, que são elas
Clássico artigo de mulher, bastante
Coisa da França, pinças, laços, tigelas,
Guitarras, castanholas de Alicante,
Tudo escolhido que do espólio vai
Roubado à filha pelo melhor pai.

XVIII.
Um macaco, um mastim da Holanda, a arara,
Dois papagaios, e um gato persa e a cria,
Ele escolheu dos animais que olhara –
Um terrier, também, de um Bretão que havia
Morrido em Ítaca, e que ele comprara
Dos camponeses por mor ninharia:
Pra prendê-los no temporal que expande,
Pôs tudo junto num balaio grande.

XIX.
Daí, tendo acertado o assunto marinho,
Despachou barcos de ida e de vinda,
Seu navio carecendo algum alinho,
Mudou seu curso pra onde a filha linda
Segue em seu hospitaleiro carinho;
Mas na parte da praia aberta, e rasa ainda,
Áspera em recife por muitas milhas,
A porta de casa é do outro lado da ilha.

XX.
Ele desembarcou ali depressa,
Alfândega não tendo, ou quarentena
Pra que com questões chatas lhe aborreça,
O modo, o tempo, o lugar que esteve: e na
Manhã já deixou de ponta cabeça
Sua nau, com ordens de fazer querena;
Assim ocupadas mãos pra além da conta,
Daí tesouro, armas, lastro e bens desmontam.

XXI.
Quando chegou ao cume da montanha
Vendo as paredes brancas de seu lar,
Parou. – Cheio de uma emoção estranha
Seu coração forçado a viajar!
Está bem, mal está, a dúvida o assanha –
Por muitos amor, por outros recear;
Sentimentos que esquecem a vida ida,
E trazem o peito ao ponto de partida.

XXII.
Volta à casa a esposo ou pai que partira,
Depois de viagem longa em terra ou mar,
Alguma dúvida de certo inspira –
Mulher da família há que preocupar,
(Ninguém confia mais no sexo, ou o admira –
E odeiam bajular, não vou bajular);
Sem o esposo a esposa é mais sutil, como
Filhas que às vezes fogem com mordomo.

XXIII.
Nem sempre homem bom tem a boa fortuna
Que Ulisses na volta a casa sua usa;
Nem toda viúva fica soturna,
Ou beijo de pretendente recusa;
As chances são que encontre uma bela urna
À sua memória – e duas, três filhas aí inclusas
Do amigo, que está com esposa e fundos –
E que seu Argos – morda-lhe os fundos.

XXIV.
Se solteiro, sua Linda já achará
Casada em sua ausência com rico avaro;
O bom é que a feliz dupla poderá
Brigar, ela, com talento e preparo,
Ele o caso de amor terminará
Qual cavalier servente , ou a desprezá-la; o
Seu pesar feito idiota assim não pode, e
Aí à Inconstância Feminina fará odes.

XXV.
E oh! vós senhores que já possuis desta
Casta liaison – que é, com moça bela
Casada uma amizade mui honesta –
Das coisas assim nada existe entre elas
Mais firme – único vínculo que presta,
Real Himeneu (o primeiro é só tela) –
É, então, não fique muito fora – que
Tem ausente a errar quatro ao dia, tem, vi.

XXVI.
Lambro, nosso advogado-marinho, tem
Mais prática no Oceano que no chão,
Viu o fogo da lareira e ficou bem;
Não tinha metafísica, ou noção
Da razão de não ser triste também,
Ou de qualquer outra forte emoção;
Ama a filha, sua perda choraria,
E igual filósofo a causa não sabia.

XXVII.
Via seus brancos portais ao sol brilhando,
As árvores no jardim, umbrosas, verdes;
Ouvia seu suave riacho borbulhando,
Um cão latindo ao longe; já por ver de
Entre o escuro bosque, frio, marrom, lá andando
Umas figuras, faíscas ao mover de
Armas (no Oriente tudo é arma) – e as mil cores
Das vestes, com da borboleta os fulgores.

XXVIII.
Quando mais próximo ao local viera,
E indício de ócio tal surpreso viu,
Ouviu – ah! não música das esferas ,
Mas mundano som de violão vadio!
Melodia que a audição descrer fizera,
E a causa já além do acho e do alvedrio;
E uma flauta, e um tambor também, daí soa –
O riso menos oriental e ecoa.

XXIX.
Aí pra mais perto do lugar avança,
Descendo lesto um inclinado trecho,
Olhando através da erva que balança,
Entre outros sinais de festa, perplexo,
Vê um bando dos de casa que ali dançam
Como Dervixes, girando em seu eixo,
Mas era a dança pírrica , marcial,
A qual o Levantino é bem parcial.

XXX.
E adiante um grupo de mocinhas gregas,
A mais alta à frente agita o alvo lenço,
Como colar de pérolas se agregam,
Mão com mão, dançam; fulvos cachos pensos
Que por alvos pescoços escorregam –
(Uma só poria dez poetas sem senso);
A líder canta – e o pé e a voz dirigem
Junto o coro daquele bando virgem.

XXXI.
Cá, de perna cruzada em volta aos potes,
Outro estrato social passa a jantar;
Pilaus e carnes veem-se a toda sorte,
Frascos de vinho Sâmio e Quio, e a gelar
O sorvete em poroso vaso; note
Que em cima cresce a vinha no pomar; –
A laranja e a romã que pendem sobre,
Ao toque, e com dulçor, seus colos cobrem.

XXXII.
Em torno a um carneiro branco como a neve,
Crianças trazem flores para pôr nos
Chifres; qual cordeiro que inda mamar deve,
O patriarca da lã, calmo, os seus cornos
Baixa esplendidamente manso, e esteve
A comer de uma palma, e ora desce o adorno
Da fronte em galhofeiro ataque, aí,
Rendendo-se às mãozinhas, volta a si.

XXXIII.
E o perfil clássico, a veste que luz lança,
O grande olho escuro, sua angélica cútis,
Aberta romã rubra, e as longas tranças,
Gesto que encanta, e o olhar que repercute,
E a inocência que benze a alegre infância,
Destes greguinhos um retrato incute;
Pra que o observador filósofo ao vê-los
Suspire por eles – em breve velhos.

XXXIV.
Longe, um bufo anão causos narrava-lhes,
Aos velhos sedados ao redor fumantes,
De ocultos bens em escondidos vales,
De palhaços da Arábia em shows brilhantes,
De como fazer ouro e curar males,
De quem bate e abre pedras com encanto, e
De moças magas que, com um só ato,
Fazem de esposos bestas (isto é fato).

XXXV.
Lá havia inocentes diversões diversas
Pra imaginação e sentidos, música,
Canto, dança, vinho, histórias persas,
Passatempos de forma alegre e justa;
Mas tais coisas a Lambro eram avessas,
Da sua ausência já vira o quanto custa,
Receando que o ápice da ruína humana
Seja a inflação nas contas da semana.

XXXVI.
Ah! que é o homem? que perigo permeia
Os mais felizes já após que a janta aprovem!
Um dia de ouro na idade do ferro, eis aí
Tudo que a Vida ao pecador ditoso move;
Prazer (o que quer que cante) é Sereia,
Que atrai, pra esfolar vivo, o ingênuo jovem;
Ao banquete da gente Lambro logo
Foi cobertor molhado sobre o fogo.

(Continua)

§

Posfácio

Trechos deste Canto foram traduzidos por João Vieira, em prosa; por Décio Pignatari e mais recentemente por Augusto de Campos (2009).

Os concretos traduziram (Campos diz “tecnomediunizou”) os pêntametros byronianos em decassílabos. A forma estrófica foi mantida praticamente idêntica.

Pignatari traduziu cerca de cinco trechos, e somente duas estrofes completas. Da segunda estrofe traduziu apenas quatro versos, alterando a disposição das rimas, usando dessas em or e ar, e acolhendo, de certo modo, só o epigrama que a oitava continha:

Amantes de perfumes colhem flores
E abrigam-nas no seio (mau lugar).
Assim pomos no peito alguns amores
– E este é o lugar mais tumular.
(Pignatari, 2007, p. 198).

Campos traduziu duas estrofes completas das quase cem do Canto III. A primeira e a última. Na primeira o make it new poundiano, isto é, a tecnomediunização, foi ousada, vertendo gerúndio por gerúndio:

Ó Musa, et cetera. Deixei dormindo
Juan no seio do mais suave leito
Sob um olhar que só viveu sorrindo,
E amado por alguém tão sem defeito
Que não sabe o veneno que vem vindo
Para tomar-lhe a alma. No seu peito
Ela pusera um malfeitor, enquanto
Seu coração ia do sangue ao pranto.
(Campos, 2009, p. 47).

§

Bibliografia

AGUSTINI, Lucas de Lacerda Zaparolli de. Don Juan de Lord Byron: estudo descritivo das traduções, tradução, comentários e notas. 2015. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8160/tde-01032016-161149/&gt;. Acesso em: 2017-03-01.

BYRON, George Gordon. Don Juan. Edited by T. G. Steffan, E. Steffan e W. W. Pratt. England: Penguin Classics, 1996.

CAMPOS, Augusto de. Entreversos – Byron e Keats. São Paulo: Editora Unicamp, 2009.

PIGNATARI, Décio. 31 Poetas 214 Poemas – Do Rigveda e Safo a Apollinaire. São Paulo: Ed. Unicamp, 2007.

* * *

Lucas Zaparolli de Agustini é bacharel em latim e pós-graduando em Tradução (USP). Seu primeiro livro de poemas, Pelo Andar do Dia, está engatilhado. Canto no Pântano está por vir… Publicou independentemente as Obras Completas de Delmira Agustini.

Anúncios
Padrão
poesia, tradução

“Don Juan”, de Byron, por Lucas Zaparolli de Augustini

Pintura de Richard Westall

Pintura de Richard Westall

Em 2003, o pesquisador Daniel Lacerda perguntou a Augusto de Campos qual obra carecia ser traduzida ao português, e afirma que “não pude deixar de me surpreender ao ouvir a citação do poema byroniano.” (Lacerda, 2008, p. 17). Na sequência, Daniel – orientado por Décio Pignatari – fez uma tese acerca do uso sistemático da metalinguagem (que prenunciaria a modernidade) em Don Juan, e foi o próprio Augusto quem foi traduzir cem oitavas dessa sátira menipeia. A tradução de Augusto também possui esquema rímico, métrico e estrófico o mais próximo possível do original, sem maiores inovações poéticas e tradutórias que as já muitas necessárias para se traduzir, “recriar” ou “tecnomediunizar” (Campos, 2009, p. 14), em suas palavras, a poesia de Byron.

Don Juan possui aproximadamente dezesseis mil e duzentos versos, a imensa maioria composta em pentâmetro iâmbico na estrutura estrófica da oitava-rima, com esquema rímico ABABABCC, a mesma estrutura de Os Lusíadas que, porém, são compostos em decassílabos heroicos.

O poema que Byron (tradutor da Arte Poética de Horácio, conhecedor a fundo, portanto, do melhor modo de se compor um épico) escreveu é uma sátira épica, e uma sátira de épico. Pelo teor de Don Juan, ele dá continuidade à tradição menipeica, da qual as obras de Luciano, Voltaire com seu Cândido, Sterne com Tristam Shandy e Machado de Assis, com, por exemplo, O Alienista, são expoentes. Já pelo mock epic, Byron segue a tradição inglesa de Pope etc.

Como será visto no excerto aqui traduzido, a sátira e a ironia são incessantes. Critica cruelmente seus inimigos, os poetas Robert Southey, Wordsworth, Coleridge; satiriza os versos de outros poetas; rindo, castiga os costumes das nações. A ironia fica por conta de diversos aspectos: o tratamento do mito de Don Juan, um jovem ingênuo e seduzido; as digressões a respeitos de coisas díspares, as subversões, as intromissões do narrador, as tiradas safadas…

No trecho que segue, narram-se as primícias de amor, as expectativas, a timidez, e o exato momento e circunstâncias da primeira aventura amorosa do filho de Donna Inez, Don Juan, belo rapaz de dezesseis anos, criado sob estrita educação católica, com Donna Júlia, moça de vinte e três, casada com Don Alfonso, de cinquenta, quem descobrirá bem adiante a traição, a partir da qual Juan ver-se-á obrigado a viajar pelo mundo e viver suas desventuras noutras terras. Por outro lado, o narrador, intrometendo-se o tempo todo na narrativa através das digressões, divide o papel de personagem principal com o próprio Don Juan.

Buscou-se traduzir aqui não apenas a estrutura estrófica e os aspectos formais de aliterações e preciosidades das rimas, nem apenas todo ou a maior parte possível do conteúdo, mas inclusive as pausas, os pontos, as quebras, os ritmos, os enjamblement, os travessões, os titubeios, os silêncios que dizem muito e ainda os espaços que em todas as edições originais consultadas começam os versos 2°, 4° e 6° de toda oitava.

* * *

CANTO I

LXXXVII.
Silent and pensive, idle, restless, slow,
His home deserted for the lonely wood,
Tormented with a wound he could not know,
His, like all deep grief, plunged in solitude:
I’m fond myself of solitude or so,
But then, I beg it may be understood,
By solitude I mean a Sultan’s (not
A Hermit’s), with a haram for a grot.

LXXXVIII.
“Oh Love! in such a wilderness as this,
Where Transport and Security entwine,
Here is the Empire of thy perfect bliss,
And here thou art a God indeed divine.”
The bard I quote from does not sing amiss,
With the exception of the second line,
For that same twining “Transport and Security”
Are twisted to a phrase of some obscurity.

LXXXIX.
The Poet meant, no doubt, and thus appeals
To the good sense and senses of mankind,
The very thing which everybody feels,
As all have found on trial, or may find,
That no one likes to be disturbed at meals
Or love.—I won’t say more about “entwined”
Or “Transport,” as we knew all that before,
But beg “Security” will bolt the door.

XC.
Young Juan wandered by the glassy brooks,
Thinking unutterable things; he threw
Himself at length within the leafy nooks
Where the wild branch of the cork forest grew;
There poets find materials for their books,
And every now and then we read them through,
So that their plan and prosody are eligible,
Unless, like Wordsworth, they prove unintelligible.

XCI.
He, Juan (and not Wordsworth), so pursued
His self-communion with his own high soul,
Until his mighty heart, in its great mood,
Had mitigated part, though not the whole
Of its disease; he did the best he could
With things not very subject to control,
And turned, without perceiving his condition,
Like Coleridge, into a metaphysician.

XCII.
He thought about himself, and the whole earth,
Of man the wonderful, and of the stars,
And how the deuce they ever could have birth:
And then he thought of earthquakes, and of wars,
How many miles the moon might have in girth,
Of air-balloons, and of the many bars
To perfect knowledge of the boundless skies;—
And then he thought of Donna Julia’s eyes.

XCIII.
In thoughts like these true Wisdom may discern
Longings sublime, and aspirations high,
Which some are born with, but the most part learn
To plague themselves withal, they know not why:
‘T was strange that one so young should thus concern
His brain about the action of the sky;
If you think ‘t was Philosophy that this did,
I can’t help thinking puberty assisted.

XCIV.
He pored upon the leaves, and on the flowers,
And heard a voice in all the winds; and then
He thought of wood-nymphs and immortal bowers,
And how the goddesses came down to men:
He missed the pathway, he forgot the hours,
And when he looked upon his watch again,
He found how much old Time had been a winner—
He also found that he had lost his dinner.

XCV.
Sometimes he turned to gaze upon his book,
Boscan, or Garcilasso;—by the wind
Even as the page is rustled while we look,
So by the poesy of his own mind
Over the mystic leaf his soul was shook,
As if ‘t were one whereon magicians bind
Their spells, and give them to the passing gale,
According to some good old woman’s tale.

XCVI.
Thus would he while his lonely hours away
Dissatisfied, not knowing what he wanted;
Nor glowing reverie, nor poet’s lay,
Could yield his spirit that for which it panted,
A bosom whereon he his head might lay,
And hear the heart beat with the love it granted,
With——several other things, which I forget,
Or which, at least, I need not mention yet.

XCVII.
Those lonely walks, and lengthening reveries,
Could not escape the gentle Julia’s eyes;
She saw that Juan was not at his ease;
But that which chiefly may, and must surprise,
Is, that the Donna Inez did not tease
Her only son with question or surmise;
Whether it was she did not see, or would not,
Or, like all very clever people, could not.

XCVIII.
This may seem strange, but yet ‘t is very common;
For instance—gentlemen, whose ladies take
Leave to o’erstep the written rights of Woman,
And break the——Which commandment is ‘t they break?
(I have forgot the number, and think no man
Should rashly quote, for fear of a mistake;)
I say, when these same gentlemen are jealous,
They make some blunder, which their ladies tell us.

XCIX.
A real husband always is suspicious,
But still no less suspects in the wrong place,
Jealous of some one who had no such wishes,
Or pandering blindly to his own disgrace,
By harbouring some dear friend extremely vicious;
The last indeed’s infallibly the case:
And when the spouse and friend are gone off wholly,
He wonders at their vice, and not his folly.

C.
Thus parents also are at times short-sighted:
Though watchful as the lynx, they ne’er discover,
The while the wicked world beholds delighted,
Young Hopeful’s mistress, or Miss Fanny’s lover,
Till some confounded escapade has blighted
The plan of twenty years, and all is over;
And then the mother cries, the father swears,
And wonders why the devil he got heirs.

CI.
But Inez was so anxious, and so clear
Of sight, that I must think, on this occasion,
She had some other motive much more near
For leaving Juan to this new temptation,
But what that motive was, I sha’n’t say here;
Perhaps to finish Juan’s education,
Perhaps to open Don Alfonso’s eyes,
In case he thought his wife too great a prize.

CII.
It was upon a day, a summer’s day;—
Summer’s indeed a very dangerous season,
And so is spring about the end of May;
The sun, no doubt, is the prevailing reason;
But whatsoe’er the cause is, one may say,
And stand convicted of more truth than treason,
That there are months which nature grows more merry in,—
March has its hares, and May must have its heroine.

CIII.
‘T was on a summer’s day—the sixth of June:
I like to be particular in dates,
Not only of the age, and year, but moon;
They are a sort of post-house, where the Fates
Change horses, making History change its tune,
Then spur away o’er empires and o’er states,
Leaving at last not much besides chronology,
Excepting the post-obits of theology.

CIV.
‘T was on the sixth of June, about the hour
Of half-past six—perhaps still nearer seven—
When Julia sate within as pretty a bower
As e’er held houri in that heathenish heaven
Described by Mahomet, and Anacreon Moore,
To whom the lyre and laurels have been given,
With all the trophies of triumphant song—
He won them well, and may he wear them long!

CV.
She sate, but not alone; I know not well
How this same interview had taken place,
And even if I knew, I should not tell—
People should hold their tongues in any case;
No matter how or why the thing befell,
But there were she and Juan, face to face—
When two such faces are so, ‘t would be wise,
But very difficult, to shut their eyes.

CVI.
How beautiful she looked! her conscious heart
Glowed in her cheek, and yet she felt no wrong:
Oh Love! how perfect is thy mystic art,
Strengthening the weak, and trampling on the strong!
How self-deceitful is the sagest part
Of mortals whom thy lure hath led along!—
The precipice she stood on was immense,
So was her creed in her own innocence.

CVII.
She thought of her own strength, and Juan’s youth,
And of the folly of all prudish fears,
Victorious Virtue, and domestic Truth,
And then of Don Alfonso’s fifty years:
I wish these last had not occurred, in sooth,
Because that number rarely much endears,
And through all climes, the snowy and the sunny,
Sounds ill in love, whate’er it may in money.

CVIII.
When people say, “I’ve told you fifty times,”
They mean to scold, and very often do;
When poets say, “I’ve written fifty rhymes,”
They make you dread that they ‘ll recite them too;
In gangs of fifty, thieves commit their crimes;
At fifty love for love is rare, ‘t is true,
But then, no doubt, it equally as true is,
A good deal may be bought for fifty Louis.

CIX.
Julia had honour, virtue, truth, and love
For Don Alfonso; and she inly swore,
By all the vows below to Powers above,
She never would disgrace the ring she wore,
Nor leave a wish which wisdom might reprove;
And while she pondered this, besides much more,
One hand on Juan’s carelessly was thrown,
Quite by mistake—she thought it was her own;

CX.
Unconsciously she leaned upon the other,
Which played within the tangles of her hair;
And to contend with thoughts she could not smother
She seemed by the distraction of her air.
‘T was surely very wrong in Juan’s mother
To leave together this imprudent pair,
She who for many years had watched her son so—
I’m very certain mine would not have done so.

CXI.
The hand which still held Juan’s, by degrees
Gently, but palpably confirmed its grasp,
As if it said, “Detain me, if you please;”
Yet there’s no doubt she only meant to clasp
His fingers with a pure Platonic squeeze;
She would have shrunk as from a toad, or asp,
Had she imagined such a thing could rouse
A feeling dangerous to a prudent spouse.

CXII.
I cannot know what Juan thought of this,
But what he did, is much what you would do;
His young lip thanked it with a grateful kiss,
And then, abashed at its own joy, withdrew
In deep despair, lest he had done amiss,—
Love is so very timid when ‘t is new:
She blushed, and frowned not, but she strove to speak,
And held her tongue, her voice was grown so weak.

CXIII.
The sun set, and up rose the yellow moon:
The Devil’s in the moon for mischief; they
Who called her chaste, methinks, began too soon
Their nomenclature; there is not a day,
The longest, not the twenty-first of June,
Sees half the business in a wicked way,
On which three single hours of moonshine smile—
And then she looks so modest all the while!

CXIV.
There is a dangerous silence in that hour,
A stillness, which leaves room for the full soul
To open all itself, without the power
Of calling wholly back its self-control;
The silver light which, hallowing tree and tower,
Sheds beauty and deep softness o’er the whole,
Breathes also to the heart, and o’er it throws
A loving languor, which is not repose.

CXV.
And Julia sate with Juan, half embraced
And half retiring from the glowing arm,
Which trembled like the bosom where ‘t was placed;
Yet still she must have thought there was no harm,
Or else ‘t were easy to withdraw her waist;
But then the situation had its charm,
And then—God knows what next—I can’t go on;
I’m almost sorry that I e’er begun.

CXVI.
Oh Plato! Plato! you have paved the way,
With your confounded fantasies, to more
Immoral conduct by the fancied sway
Your system feigns o’er the controlless core
Of human hearts, than all the long array
Of poets and romancers:—You’re a bore,
A charlatan, a coxcomb—and have been,
At best, no better than a go-between.

CXVII.
And Julia’s voice was lost, except in sighs,
Until too late for useful conversation;
The tears were gushing from her gentle eyes,
I wish, indeed, they had not had occasion;
But who, alas! can love, and then be wise?
Not that Remorse did not oppose Temptation;
A little still she strove, and much repented,
And whispering “I will ne’er consent”—consented.

CANTO I

LXXXVII.
Quieto, a pensar, lânguido, insone, lento,
Largava o lar à floresta erma e rude,
Com uma mágoa ignota por tormento,
Com pesar fundo imerso em solitude:
Na solidão também encontro alento,
No entanto, hei-de ser claro o quanto pude,
Solidão de Sultão (não de Eremita),
Que num harém feito uma gruta habita.

LXXXVIII.
“Oh Amor! assim num ermo como tal,
Onde o Transporte à Segurança se funda,
Eis teu Império de êxtase total,
Aqui és um Deus onde o divino abunda.” (1)
O bardo que eu cito não canta mal,
Excetuando-se a linha segunda,
Pois o trançar “Transporte à Segurança”
A uma difícil oração se trança.

LXXXIX.
O Poeta, é óbvio, quis dizer, e apelou
Para o bom senso e o senso das pessoas,
Algo que todo mundo sentiu, ou
Que pôde achar, se ainda não achou-as,
Ninguém quer ser maçado no almoço ou
No amor. – Mas nada mais a “Transporte” ou às
“Trançadas”, e isto a gente já pensava,
E a “Segurança” põe na porta a trava.

XC.
Juan errava por rios de vítreo encanto,
Com cismas inefáveis; ele, o olhamos
Largar-se horas a fio por um recanto
Frondoso onde a cortiça cresce em ramos
Selvagens; e os poetas aos seus cantos
Acham materiais, e onde meditamos
Suas escolhas de plano e ritmo, exceto
De Wordsworth, incompreensível por completo.

XCI.
Ele (Juan, não Wordsworth) buscou por
Sua autocomunhão com seu nobre peito,
Até que o ânimo grande, e a alma maior,
Parte abrandaram, sem cessar de jeito
Sua moléstia; ele fez seu melhor
Com um tema ao controle não sujeito;
De igual modo Coleridge, sem que saiba
Sua condição, um metafísico acaba.

XCII.
Pensava em toda a terra, e sobre si,
Sobre estrelas, sobre o homem, maravilhas,
E como diabos isto deu-se ali:
E em terremotos, guerras, quantas milhas
Têm a circunferência da lua, e
Em balões de ar, e em tudo que empecilha
Saber-se ao certo a vastidão imensa
Dos céus; – e então no olhar de Júlia pensa.

XCIII.
Nestas reflexões a Sabedoria
Vera avista alto afã, e anseio altivo,
Que uns nascem com, e aprende a maioria
Só pra se aborrecer, sem ver motivo:
É ímpar que alguém tão novo ocuparia
Sua mente no ato celeste pensativo;
A Filosofia, diz-se, fez esta obra,
Penso que a puberdade em conjunto obra.

XCIV.
Matutava nas folhas e na flora,
E escutava uma voz soprar no vento;
Pensava em ninfa, em gruta imorredoura,
E das deusas aos homens sobre o advento:
Perdia os caminhos, esquecia a hora,
E quando ao seu relógio esteve atento,
Viu quanto o Tempo antigo havia vencido –
E viu também que a janta havia perdido.

XCV.
A um livro às vezes seu olhar voltava,
Boscan, ou Garcilasso; – igual ao vento
Que a página que olhamos farfalhava,
Assim a poesia em seu pensamento
Num místico ondear sua alma tremulava,
Como se ali houvesse encantamento
De um mago, e o desse ao vendaval levar,
Qual conto de velhinha boa ninar.

XCVI.
Gastava as horas só, insatisfeito,
O que queria não pôde compreender;
Nem poesia, ou sonho em brasa feito,
Poderiam da alma sua o afã ceder,
Sua cabeça repousar num peito,
E ouvir um coração de amor bater,
Com – várias outras coisas, que esqueci,
Ou que, enfim, não irei citar aqui.

XCVII.
E o errar na solidão, longas quimeras,
Não poderiam escapar do olho belo
De Júlia; e via que Juan não estivera
Tranquilo; e o que mais há-de surpreendê-lo,
E irá, é que Donna Inez não tivera
Suspeitas nem questões pra aborrecê-lo;
Seja porque não viu, ou não quis, ou,
Como as pessoas hábeis, não achou.

XCVIII.
Soa estranho, eu sei, mas é bem comum:
Por exemplo – senhor, cuja mulher
Exceda os seus Direitos, e rompa um –
Qual mesmo é o mandamento a se romper?
(Esqueci o número, e creio que nenhum
Homem deve arriscar, se erro temer;)
Sei só que se o senhor, por ciúme, apronta
Alguma asneira, sua mulher nos conta.

XCIX.
Um fiel marido é sempre suspeitoso,
Porém suspeita no lugar errado,
De alguém sem esta cupidez cioso,
Sua desgraça a alcovitar vendado,
Dando abrigo a um amigo vicioso;
E assim o fim do caso já foi dado:
Quando o amigo e a mulher se foram, diz-se
Pasmo do vício, não da sua tolice.

C.
Portanto às vezes são míopes os pais:
Atentos como um lince, o esforço é inane,
O vasto orbe vil vê e se satisfaz,
Mulher de um jovem Promissor, Miss Fanny
E o amado, até que uma escapada faz
Que o projeto de vinte anos se dane;
Destarte chora a mãe, o pai maldiz,
E indaga por que demo herdeiros quis.

CI.
Mas Inez era inquieta, e sua vista
Tão limpa, que ouso achar, na ocasião,
Que ela tinha um motivo muito mais tá-
Cito e seu ao deixar em tentação
Juan, mas do motivo não dou pista;
Talvez rematar sua educação,
Talvez fazer que Don Alfonso veja,
Caso a confiança em Júlia imensa seja.

CII.
Foi num dia, num dia de verão; –
Tal como a primavera no final
De Maio, o estio é nociva estação;
O sol sempre é o motivo principal;
E mais certa que falsa a convicção,
Pode-se dizer, seja a causa qual
For, que a Natura é às vezes mais alegre, –
Tem Maio sua heroína, em Março há lebres.

CIII.
Foi num dia de verão – De Junho o sex-
To: e em datas me apraz ser detalhado,
Não só da época e ano, mas do mês;
Pois são casas de postas, onde os Fados
Trocam corcéis, e o tom da História des-
Trocam, dando de esporas sobre estados
E impérios, sobra só a cronologia,
Mais os pós-óbitos da teologia.

CIV.
Foi num dia seis de Junho, e a hora entrava
Pelas seis e meia – próxima das sete –
E a linda Júlia num abrigo estava
Como uma huri num céu de Mahomet,
Ou como Anacreonte Moore cantava,
A quem a lira e os louros já compete,
Com todos os troféus de som triunfante –
Venceu-os bem, e os deve usar bastante!

CV.
Sentada estava, e não só; não sei bem
Como este dito encontro se passara,
E se eu soubesse, não diria também –
Às vezes as pessoas devem calar a
Língua; e de nada importa como nem
Por que, era ela e Juan, cara a cara –
Quando faces estão assim, é esperto,
Mas difícil, não deixar o olho aberto.

CVI.
Que bela ela! Seu ciente peito a esbrasear-se
A tímida face, e certa irá supor-se:
Oh Amor! Quão perfeita é tua mística arte,
Que o fraco fortifica, e esmaga o forte!
Quanto o autoengano é a mais sábia parte
Dos mortais cujo engodo teu comporte! –
O precipício sob Júlia era ingente,
Como a crença de si mesma inocente.

CVII.
Lembrou sua força, e a jovialidade
De Juan, e os tolos medos puritanos,
Vitoriosa Virtude, da Verdade
Do lar, e então de Alfonso e os cinquenta anos;
Não me agrada esta ideia, na verdade,
Que em climas com neve ou sol soberanos,
Esse número soe deveras mal
No amor, por mais que possa em capital.

CVIII.
Ao se ouvir, “já cinquenta vezes disse”,
Querem ralhar-te, e muita vez o fazem;
Se um poeta diz “cinquenta versos fiz”,
Ele apavora a gente, pois os traz;
Em gangues de cinquenta há crimes vis;
E aos cinquenta amor puro é raro, mas, em
Todo caso, é cinquenta Luíses bom pra
Se obter grã quantidade numa compra.

CIX.
Júlia tinha honra, fé, virtude e amor
Por Alfonso; e em seu íntimo fazia
Tudo que é jura à Força superior,
Nunca a aliança da mão desgraçaria,
Nem teria afã que é reprovado por
Seu siso; e enquanto assim a si dizia,
E muito mais, sua mão na de Juan pôs,
Por puro engano – que era a sua supôs;

CX.
Na outra inconscientemente se apoiou,
Em seus trançados cachos a brincar;
Pelo ar distraído ela aparentou
Pensamentos sem freios enfrentar.
Estou certo que Inez bastante errou
Ao deixar junto este imprudente par,
Ela que ao filho teve tanto zelo –
Minha mãe de outro modo iria fazê-lo.

CXI.
A mão presa ainda a dele, com brandura
Pouco a pouco afirmou seu sutil toque,
Como a dizer, “Se queres, me segura;”
Sem dúvidas que os dedos juntar só que-
Ria numa pressão Platônica e pura;
Como se visse um sapo ou cobra, um choque
Teria ao suspeitar que perigosa
Coisa havia ali a uma prudente esposa.

CXII.
Não sei dizer o que ele achou do ensejo,
Mas como agiu, igual fariam vocês;
Seu jovem lábio agradeceu co’ um beijo,
E então, desesperado do que fez,
Crendo imprópria a alegria, recuou com pejo, –
No amor noviço há muita timidez:
Ela corou, sem censurá-lo, a língua
Prendeu, ia falar, sua voz fez míngua.

CXIII.
O sol cai, sobe a lua amarela: há algum
Diabo na lua por dolo; e acho que quem
Chama-a de CASTA, um nome tal deu-lhe um
Pouco cedo; não sei de um só dia, nem
O mais longo, de Junho o vinte e um (2),
Que viu metade em malvadeza que em
Meras três horas de luar se passa –
E então sempre ela tão modesta esvoaça!

CXIV.
Nesta hora há uma calma, um perigo pelo
Silêncio, que a alma inteira deixa aberta
A si própria, sem controle, sem podê-lo
Chamar de volta a si e estar alerta;
Luz de prata enche árvore e torre, dela o
Belo e a quietação emana, desperta
Também o peito, e esparge um amoroso
Langor, que em nada iguala-se ao repouso.

CXV.
Sentou-se ela com Juan, meio abraçava,
Meio a afastar-se da mão anelante,
Que tremia como o seio em que estava;
Ou que não era ainda algo alarmante,
Ou teria jogo de cintura, achava,
A situação teve seu charme, adiante –
Deus sabe o que virá – eu não irei;
Já não sei nem bem por que comecei.

CXVI.
Oh Platão! Platão! tu abriste a via,
Com tua confusa ideia, aos tipos de ato
Mais imorais só pela fantasia
Tua ciência afeta o descontrole nato
Do peito humano, mais que a poesia,
Mais que os romances todos: – És um chato,
Um charlatão, um dândi – e só tem sido,
No mais, a alcoviteiro parecido.

CXVII.
Júlia a voz perdeu, só o arfar sobrou,
Era tarde a qualquer conversação;
A lágrima em seu meigo olho rolou,
Nunca eu quis que lhe houvesse ocasião;
Mas, ai! quando foi sábio quem amou?
O Remorso se opôs à Tentação;
Pouco mais lutou, mais se arrependera,
Murmurando “eu não cederei” – cedera. (3)

Notas

  1. Byron faz uma nota em que diz “achar” que esse trecho seja do Canto Segundo de Gertrude do Wyoming, do poeta escocês Thomas Campbell (1777 – 1844).
  2. No hemisfério norte, o solstício de verão é dia vinte e um de junho, equivale ao dia 21 de dezembro no hemisfério sul.
  3. Décio Pignatari e João Vieira traduziram esta estrofe. A de Décio, publicada com numeração errada, diz ser a CCXVII do Canto I, é em versos rimados, mas possui apenas sete versos. Veja-se:

Perdeu-se a voz de Júlia nos suspiros,
Tempo não houve para uma conversa;
Golfavam lágrimas como reis Ciros
E eu lamentei este lamento persa.
Motivos houve para tantos tiros?
Lutou um pouco, resistiu bastante,
Disse “Não dou!” – e deu (desconcertante). (Pignatari, 2007, p. 196).

A de João Vieira foi:

Julia perdeu a voz e não se ouviram senão suspiros. Uma torrente de lágrimas inundou seus olhos formosos, oxalá não tivera motivo para as derramar, mas ai! quem pode amar e ser prudente?

Já se vê que o sistema de Platão sobre os movimentos do coração humano tem destas falibilidades. (Byron, 1942, p. 321).
A tradução de Décio viajou e chegou na Pérsia, e a de João Vieira, que deveria prezar pelo viés mais romântico da cena, acaba perdendo o senso e volta as ideias para fazer uma piada depois sobre Platão, talvez para compensar a falta da oitava anterior, acabando sem traduzir, assim, a própria ironia de Byron acerca do “dizer ‘não dou’ dando”.

* * *

Lucas Zaparolli de Agustini é formado em latim pela USP, onde atualmente cursa pós-graduação em Estudos da Tradução com a tradução integral de Don Juan, de Lord Byron. Seu primeiro livro inédito de poesias próprias, Pelo Andar do Dia, recebeu 3° lugar no concurso da UBE de 2013. Em 2014 publicou independentemente as Obras Completas de Delmira Agustini. Atualmente envereda pelos gêneros da text-sound composition e do vídeo-poema.

Bibliografia

AGUSTINI, Lucas de Lacerda Zaparolli de. O pé em que anda o Byron coxo no Brasil da tradução: com Don Juan. Tradução em Revista, v. 14, n. 1, p. 188-207, jan./jun. 2013b. Disponível em: < http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/22044/22044.PDF >. Acesso em: 15 de outubro de 2015.

BYRON, George Gordon. Don Juan. Edited by T. G. Steffan, E. Steffan e W. W. Pratt. England: Penguin Classics, 1996.

CAMPOS, Augusto de. Entreversos – Byron e Keats. São Paulo: Editora Unicamp, 2009.

LACERDA, Daniel. Lord Byron – Poeta crítico: as di(trans)gressões metalinguísticas em Don Juan. 2008. 214 f. Tese – Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2008.

PIGNATARI, Décio. 31 Poetas 214 Poemas – Do Rigveda e Safo a Apollinaire. São Paulo: Ed. Unicamp, 2007.

 

Padrão
poesia, tradução

Ozymândias, por Matheus Mavericco

ozymandias

“Ozymândias” é um soneto tão entranhado na cultura anglófona que é até meio difícil que você nunca tenha ouvido falar dele, ainda mais depois que num dos últimos episódios de Breaking Bad o inhrotagonista o recita. Um outro exemplo bom é o personagem Ozymândias de Watchmen, de Alan Moore e Dave Gibbons. Num soneto que aborda a decadência de um rei que se orgulhava de ser o pica das galáxias, mas que agora está na sarjeta, esse revival que a fama do soneto de Shelley representa é um plot twist e tanto.

Em 1817 correu pela Inglaterra a informação de que um enorme fragmento de uma estátua de Ramsés II havia sido adquirida pelo British Museum. Especificamente, um fragmento da cabeça e do torso. Esse aqui, ó:

Shelley ficou sabendo disso em 1817: a mão do soneto chega treme. Tudo bem que o fragmento de 7 toneladas só foi chegar em Londres em 1821. Mas disfarça. Durante essa época, o banqueiro e escritor Horace Smith passava uma temporada com os Shelley, e os dois, sem Netflix, resolveram escrever a respeito do mesmo tema. O círculo de amizade dos Shelley, que inclui a nata poética de seu tempo, produziu outras obras de particular interesse no meio dessas competições: por exemplo uma sequência de sonetos sobre o Nilo (que conta também com Keats na jogada) e o próprio Frankenstein de Mary Shelley, que surgiu de uma competição envolvendo os Byron.

O soneto de Shelley é marcado por uma forte ironia e por uma oposição semântica essencial. Chega um ponto na escalada do poder em que o indivíduo começa a vislumbrar a decadência, e ou dá um jeito de intensificar seu poderio, ou dá um jeito de vislumbrar com cautela essa possibilidade. No poema, Shelley encontra um viajante de terras antigas que muito provavelmente representa Diodoro Siculo, um historiador grego de I a.C. que descreveu, entre outros (muitos outros), monumentos egípcios. A parte referente a Ozymândias está no livro Bibliotheca historica, primeiro volume, parte 47 (em inglês aqui). Diodoro diz, sobre o monumento: “E não é só por seu tamanho que esta obra merece aprovação, mas também é maravilhosa em razão de sua qualidade e excelência artística decorrente da natureza da pedra, haja vista que num bloco de tamanho tão enorme não há uma só rachadura ou defeito visível.” Na frase seguinte, Diodoro relata que existe uma inscrição, onde se lê: “Ozymândias Rei dos Reis eu sou. Se alguém quiser saber quão grande eu sou e onde estou enterrado, então sobrepuje a mim em meu legado.” Ao lado da estátua de Ozymândias há também uma estátua de sua mãe com três diademas na cabeça, o que quer dizer que além de mãe ela foi esposa de Ozymândias.

No poema, Shelley encontra esse viajante que conta pra ele da tal estátua. É um começo particularmente interessante pois signos remetentes ao antigo permearão o poema como um todo. O viajante vir de uma terra antiga cria uma espécie de elo necessário entre o eu lírico e a imagem da estátua gigantesca reduzida a ruínas. É uma mediação que contribui com um ar de imponência nessa estátua, pois nós não tivemos acesso a ela diretamente, e ao mesmo tempo ajuda a mitificá-la.

(Na verdade, essa mediação também cria uma espécie de brincadeira envolvendo o leitor, conforme exposto pelo professor Paul Fry num artigo de Katy Waldman para o SlateDoes “Ozymandias” Really Mean What We Think It Means?Isto é: “Para Fry, em outras palavras, “Ozymândias” liga em cadeia uma série de egomaníacos que pensaram ter chegado a uma forma estável de conhecimento.” É o escultor que acha que leu bem as paixões, é Ozymândias que se acha o rei dos reis, é o leitor ele próprio que contempla a decadência sem-razão da paisagem… Não dá pra chegar realmente ao fio da meada, ao ponto nevrálgico do caso-Ozymândias. Você até vai achar que chegou, mas muito provavelmente ficará numa condição parecida com a dessa estátua toda detonada coberta de areia até a tampa.)O problema é que essa estátua se sustenta a partir de um mito já passado. Ozymândias foi um rei de proporções colossais; ele foi rei dos reis; mas hoje é simplesmente uma estátua imensa arruinada. É como se, lendo histórias de pessoas já mortas, nós lêssemos a história de alguém que em vida foi muito perigoso, mas que hoje apenas nos causa a sensação estranha, até mesmo um certo desconforto diante daquele indivíduo que, se em vida foi tão forte, agora parece tão impotente, indefeso e quem sabe cômico. Oras: Ozymândias é uma estátua que sobrepujou até mesmo o escultor que a criara (embora, dado que a estátua é obra do escultor e dado que o escultor fez bem seu trabalho, me parece lícito dizermos que a sobrevida do escultor é um pouco mais acentuada que a de Ramsés II); é uma estátua que traz uma inscrição ordenando que quem a contemplasse, deveria se desesperar. E o engraçado é que, de certo modo, nós realmente nos desesperamos: nos desesperamos em ver que toda aquela grandeza hoje é nonada. É como se Ozymândias tivesse completado o círculo: ele foi grande em vida, mas, como próximo a toda grandeza também está a decadência, grande foi sua decadência. Sua mensagem, assim sendo, recebe o aspecto irônico de ordenar que nos desesperemos face a tamanha grandeza mas também o de ordenar que nos desesperemos face a tamanha decadência.

Já o soneto de Horace Smith, que depois recebeu o título “A respeito de uma estupenda perna de granito, descoberta de pé, sozinha, nos desertos do Egito, com a seguinte inscrição”, não parece ter todo esse alcance nem toda essa camada de oposições que o soneto de Shelley. Enquanto o soneto de Shelley, por exemplo, é famoso por seu esquema de rimas inusual, talvez mimetizando o caráter desconjuntado da estátua (haja vista que a fôrma do soneto é famosa por possuir toda uma lógica silogística e uma harmonia intrínseca), e por sua métrica certo modo frouxa (seis iambos substituídos por um troqueu e outros dois por pirríquios), o soneto de Smith, embora também apresente um esquema rímico incomum (o primeiro quarteto tem rimas abraçadas, o segundo tem rimas cruzadas e o soneto se encerra com um dístico) e uma métrica um pouco frouxa (quatro iambos substituídos por troqueus e outros dois por espondeus), possui uma solenidade que a ironia latente no poema de Shelley desbarata. Na verdade, existe até mesmo um laivo de heroísmo no poema de Smith, se pensarmos que a perna é tudo o que há de ficar daquela Babilônia esquecida. Shelley também poderia adicionar uma referência mais explícita a seu poema, como de resto muitos poetas de seu tempo fariam, mas creio que o cuidado dele em não ter adicionado é particularmente interessante pois ajuda a ampliar a dimensão mítica do texto e, é claro, não entornar o caldo da ironia, que se veria, de resto, afetado se uma referência de tão grande peso, como a da Babilônia, fosse acrescentada.

O máximo, quem sabe, que o poema de Smith poderia apresentar num sentido irônico diz respeito a seu final: a humanidade teria voltado, presumivelmente, a seus primórdios (daí o caçador caçando um lobo), só que isso num lugar que, muito tempo no futuro, fosse o mesmo lugar que hoje é Londres; e, ali, esse tal caçador topa com um fragmento de uma civilização (no caso, a londrina), e se perguntaria que raça estranha seria aquela. Ele usa uma expressão ainda mais interessante: “What powerful but unrecorded race”. Eu disse, logo atrás, que, no caso, o fragmento remeteria à civilização londrina. Mas será mesmo? Pois como assim unrecorded? É um adjetivo que faz sentido pra civilização egípcia, mas não pra londrina. Seria, assim sendo, o caso de cogitarmos que o poema de Smith está dizendo que: o fragmento de Ramsés II foi para Londres, e lá ficou; muitos anos depois, quando tudo tivesse destruído, quando tudo fosse passado, um caçador encararia esse fragmento de Ramsés II e se perguntaria que civilização foi aquela: no caso, a egípcia, não a londrina. É uma leitura que me parece plausível dentro do soneto, embora eu também creia que haja a possibilidade de que o soneto de Smith se refira a um futuro tão remoto, mas tão remoto, que nem mesmo as formas que a humanidade encontrou de se perpetuar na história (marcadamente formas escritas, mas também formas artísticas) teriam mais duração. Isto é: um futuro tão remoto, precedido de tão grande catástrofe, que nós literalmente voltaríamos à estaca zero e qualquer fragmento de qualquer civilização, por mais avançado que fossem suas maneiras de registrarem seus produtos culturais, teria se apagado.

Essa é também uma perspectiva horripilante. De certo modo, embora nós comumente digamos que o soneto de Smith é inferior ao de Shelley, creio que pode ser importante notar que no soneto de Smith nós estamos num ambiente muito mais solitário que o de Shelley, e de tal modo que o contato com os restos da estátua de Ozymândias adquire um poder epifânico também revelador. A estátua é, como o poeta diz no terceiro verso, a única sombra que existe no deserto. Eu pelo menos acho uma imagem forte: enquanto no soneto de Shelley nós somos mediados pelo viajante vindo de terras antigas, aqui só existe o eu lírico (all alone), o nada e a estátua (nesse sentido, aliás, a redução, por parte de Smith, das pernas de Ozymândias a uma só é significativa, mesmo porque é essa perna, apenas, tudo o que restará da forgotten Babylon). E se considerarmos que, no último terceto, o caçador no futuro também está presumivelmente sozinho (afinal de contas, ele caça o lobo thro’ the wilderness), isso cria uma espécie de tríade que faz com que a mensagem do soneto de Smith, se seguirmos a linha interpretativa que proponho, deixe de ser simplesmente uma glosa a uma efeméride de seu tempo e passe a poder representar a condição humana, quem sabe, ou o despojamento necessário que o contato com nossa ancestralidade nos impõe.

A postagem que vocês têm aqui compila todas as traduções que pude encontrar do soneto de Shelley e mais uma, creio que inédita, do soneto de Horace Smith. Tem pra tudo quanto é gosto. Minha versão, por exemplo, se deu ao luxo de ter como razão de existência a busca por soluções distintas das de outros tradutores (na verdade verdadeira, minha tradução compareceu só pra bater ponto e fazer um cooper depois disso). Existem muitas outras: com verso de 10 ou 12 sílabas, com esquema rímico diferente do soneto de original, com métrica incomum, com ênfase na inscrição no pedestal, tem paráfrase… Essa postagem representa uma verdadeira turbinada no caso-Ozymândias. Tanto que, como o número de traduções do soneto de Shelley é bem maior que o de Smith, eu fiz por bem colocar o do Smith primeiro pra que ele não ficasse soterrado, à la Ozymândias, no finzinho da postagem.

Pra terminar, eu gostaria de apresentar os autores das quatro traduções inéditas que trago aqui. Pedro Mohallem já é um conhecido. Henrique Gomes Saraiva, ou Henrique Hill, é nascido em Olinda, PE, em 1997, e estuda economia na UFRPE. Escreve poesia desde 2013, mas só foi se reinventar enquanto poeta em junho desse ano. “Ozymândias” é sua terceira tradução; a primeira, porém, de que se orgulha. Você pode conferir seus poemas no blog Ouça-me rugiraqui(recomendo, em especial, “(Conflito)”). Luis Fernando Pinheiro, ou Calib Kupo, nascido em Porto Alegre, tem 33 anos e estuda Letras na UFRGS a vida toda. Escreve poesia amadora e intermitentemente há pouco mais de dez anos. Não tem livro pronto nem tem material suficiente para um tão cedo. Você pode conferir seus poemas na sua página no Recanto das letrasaqui (recomendo, em especial, “Garota que comigo tens brincado”). O último é Guilherme Gontijo Flores, um dos coeditores do escamandro.

§

O SONETO DE HORACE SMITH.

§

trad. Matheus “Mavericco”. [2015]

Nas areias do Egito, e toda a sós,
Uma perna gigante lança, além,
A única sombra que a paisagem tem: ―
“Sou o grande OZYMÂNDIAS”, diz a voz
Da pedra, “rei dos reis; esta cidade,
Eu fiz o que de esplêndido ela imponha.” ―
Finda a cidade, a perna é tudo o que há de
Ficar desta esquecida Babilônia.

Pasmamos ― e esse pasmo um caçador
Talvez expresse quando, assim que for
Caçar onde antes fora a Inglaterra,
Vir um fragmento enorme e então pensar
Que raça preterida e singular
Já habitou esta aniquilada terra.

§

O SONETO DE SHELLEY.

§

trad. Péricles Eugênio da Silva Ramos. [1989]
em: Ode ao vento oeste e outros poemas, editora Hedra, p. 41

Ao vir de antiga terra, disse-me um viajante:
Duas pernas de pedra, enormes e sem corpo,
Acham-se no deserto. E jaz, pouco distante,
Afundando na areia, um rosto já quebrado,
De lábio desdenhoso, olhar frio e arrogante:
Mostra esse aspecto que o escultor bem conhecia
Quantas paixões lá sobrevivem, nos fragmentos,
À mão que as imitava e ao peito que as nutria
No pedestal estas palavras notareis:
“Meu nome é Ozimândias, e sou Rei dos Reis:
Desesperai, ó Grandes, vendo as minhas obras!”
Nada subsiste ali. Em torno à derrocada
Da ruína colossal, a areia ilimitada
Se estende ao longe, rasa, nua, abandonada.

§

trad. Ivan Justen Santana. [2009]
em: blog Um sim em si, 17/03/09, aqui.
.

Topei um viajante duma antiga aldeia
Que disse: Há duas pernas de pedra, sem corpo,
De pé no deserto. Perto delas, na areia,
Um rosto meio enterrado jaz, cujo torto
Lábio de escárnio e de frio orgulho alardeia
Que seu escultor tais paixões reconhecia,
As quais ainda vivem, e ali são as marcas
Que a mão tripudiava e o coração nutria.
No pedestal, palavras que sempre lembrei:
“Eu sou Ozymândias, monarca dos monarcas:
Olhai minhas obras, ó Fortes, e tremei!”
Nada mais restou: ao redor da corrosão
Do colossal destroço, nuas e sem lei,
As ermas areias se estendem na amplidão.

§

trad. Adriano Scandolara. [2015]
em: Folha de São Paulo, 03/05/15, aqui
e em Prometeu Desacorrentado e outros poemas [2015], p. 307

Ouvi um viajante de uma antiga terra
Dizer: “um par de pernas jaz truncado
No deserto. E, perto, a areia enterra
Os restos de um semblante estilhaçado
Que diz, com lábio e cenho frio de guerra,
Como à pedra sem vida se esculpiu
Tais paixões vivas na obra que se fez
Que a mão logrou e o coração nutriu.
E, ao pedestal, palavras há inscritas:
Meu nome é Ozimândias, rei dos reis,
Curva-te, Ó Grande, ao fausto que ora fitas!
Nada mais resta: sós, ao longe, à margem
Da imensa ruína, nuas e infinitas,
As areias compõem toda a paisagem”.

§

trad. John Milton e Alberto Marsicano. [2010]
em: Sementes aladas, editora Ateliê, p. 51.

Conheci um viajante de uma terra ancestral
Contou-me: Sem tronco, duas pernas enormes
Erguem-se no deserto… Perto delas no areal,
Semienterrada, a cabeça em partes disformes,
Franze o cenho, e o escárnio de um comando glacial,
Mostra-nos que o escultor captou bem o seu estado
Que ainda sobrevive estampado nessas pedras estéreis,
A mão que dele troçou e o coração que foi alimentado;
E no pedestal estão grafadas as seguintes palavras:
“Meu nome é Ozymandias, rei dos reis:
Ó Poderosos, rendei-vos ao olhar minhas obras!”
Nada além permanece. Ao redor do desolamento
Da ruína colossal, infinitas e desertas
As areias planas e solitárias se estendem ao vento.

§

trad. Joedson Adriano. [2012]
em: blog pessoal do tradutor, 28/06/12, aqui.

Eu encontrei um viajante de uma terra antiga
Que disse: duas destroncadas e vastas pernas de pedra
Permanecem no deserto. Na areia a elas contígua,
Um tanto soterrada, fendida face queda,

De carranca e hirto lábio e escárnio de quem castiga
Que dizem que seu escultor tais paixões bem traduziu
Que ainda sobrevivem, impressa em coisas inúteis,
A mão que as macaqueou e o coração que as nutriu.

No pedestal em palavras aparece declarado:
“Meu nome é Ozymândias, eu sou o rei dos reis;
Olhai minhas obras, grandes, e ficai desesperados!”

Nada ali remanesce: ao redor da decadência
Daquela colossal ruína, desmedido e despido,
O páramo plano areoso se estende em longa distância.

§

trad. Tomaz Amorim Izabel. [2013]
em: Ponto Virgulina, 12/09/13, aqui.

Conheci um viajante de antiga terra
que disse: ― Duas pernas destroncadas, pétreas,
estão no deserto. Perto delas, soterra
a areia meia face despedaçada,

cujo lábio firme e poderio de olhar, frio,
diz que seu escultor bem lhe leu as paixões
que sobrevivem, nas meras coisas sem vida,
à mão que zombou e ao coração que nutriu.

E no pedestal tais palavras aparecem:
“Meu nome é Ozymandias, o rei dos reis:
Vejam minhas obras, ó fortes ― desesperem-se!”

Nada resta: junto à ruína decadente
e colossal, de ilimitada aridez,
areias, lisas e sós, ao longe se estendem.

§

trad. André Vallias. [2015]
em: Acontecimentos, 12/03/15, aqui.

Disse o viajante de uma antiga terra:
“Duas pernas de pedra, no deserto,
Despontam gigantescas, e bem perto
Há um rosto destroçado que descerra
Os lábios num sorriso de comando
Que atesta: o escultor leu com mestria
Paixões que na matéria inerte e fria
A mão que as entalhou vão perdurando.
‘Meu nome é Ozymândias, rei dos reis:
Desesperai perante as minhas obras!’
Alerta uma inscrição no pedestal.
Mas são ruínas tudo o que ali sobra,
E um mar de areia, em árida nudez,
Circunda a decadência colossal”.

§

trad. Pedro Mohallem. [2015]

Ouvi de um viajante de um antiga aldeia:
— Duas pernas de pedra vastas e sem tronco
Há no deserto, e, próximo a elas, jaz na areia
Um rosto espedaçado, cujo aspecto bronco,
Franzido o lábio e ufano o riso, delineia
O triunfo do escultor, que tais paixões bem lera,
Prevalecendo, assim, impressas na aridez,
Ao seio que as nutrira e à mão que escarnecera.
E sobre o pedestal pode-se ver gravado:

MEU NOME É OZIMÂNDIAS, REI DOS REIS:
CURVAI-VOS TODOS ANTE O MEU LEGADO!

Nada mais resta: em torno ao palco derradeiro
De escombros colossais, chão liso e ilimitado,
O deserto se estende ao horizonte inteiro.

§

trolldução de Pedro Mohallem. [2015]

Conheci um sujeito viajante
que disse: — Uns pedregulho no deserto
tão erguido, e afundado, lá por perto
na areia, um cabeção, cujo semblante,
o beiço velho e a cara de mandão
falam que o escultor fez um serviço
tão bom, que a coisa morta vive! e nisso
pusera a mão de fada e o coração;
No meio, tem umas palavra boa:
“Meu nome é Ozimândia, o Pirocudo:
se liga só ni mim, negada, e chora!”
Nada além de ruínas resta: tudo
foi-se, e apenas a estátua se apregoa
no deserto que a tudo leva embora.

§

trad. Henrique Hill. [2015]

Disse-me, de uma antiga terra, um viajante:
— Duas pernas de pedra, vastas, destroncadas
Erguem-se no deserto. Meio afundado ante
Elas, na areia, um rosto com as feições quebradas,
Que o lábio crespo e o escárnio de frio comandante
Dizem que o artista bem seus sentimentos leu,
Que vivem ainda, impressos em tal aridez,
O peito que os nutriu e a mão que escarneceu.
Do pedestal essas palavras o olho extrai:

“Meu nome, ó Grandes, é Ozymândias, rei dos reis,
As minhas obras vede e vos desesperai!”

Nada mais resta, só decadência se hasteia
Da colossal ruína que se sobressai
Naquele plano e solitário mar de areia.

§

paráfrase de Henrique Hill. [2015]

Um caba réi dos cafundó do Judas
Disse que no Sertão viu dois pernote
Sem corpo. Uma cabeça que a carcunda
Era a areia e que tinha, além duns corte,
Um beiço réi e risada bem manduda
Dizendo que quem fez foi de primeira,
Que o troço era meio vivo, a mão
Boba e o peito até tinha safadeza.
E na base ele viu umas palavra:

“Beija meus pés, purquê Ozimandião
É dono até do que o teu vô lavrava!”

E é só: junto aos tramboio véi da estártua,
A tal da seca ali era bem braba,
Nuinha, sem fim e pra lá de farta.

§

trad. Luis Fernando Pinheiro. [2015]

Topei co’ um viajor de antiga aldeia
Que disse: — Um pétreo par de pernas jaz
Sem torso no deserto. E ali na areia
Um rosto semi-imerso e roto traz
Do lábio o esgar, do mando frio a veia,
Cujo escultor tão bem captara o esp’rito,
Que sobrevive, impresso na aridez,
À mão que o escarnecia, e à alma a nutri-lo.
E isto no pedestal se lê em laivos:
“Meu nome é Ozymândias, Rei dos reis,
Vede a minha obra, ó vós, e desperai-vos!”
Nada além resta: em volta da sucata
Da ruína imensa, sem contorno e calvos,
Estendem-se os sem-fins de areia chata.

§

trad. Guilherme Gontijo Flores [2015]

Eu vi um viajante arcaico certo
dia dizer que perna pétrea e vasta
jaz destroncada no deserto. E perto,
fundo na areia, um rosto que desbasta
rugas no lábio e régio olhar aberto
diz que o escultor sabia o sentimento
que sobrevive no que hoje é “ex-”:
a mão entalha, o peito é alimento.
E sobre o pedestal letras dispostas:
“Meu nome é Ozimândias, rei dos reis:
olhem e chorem ante as minhas portas!”
Ao lado o nada; tudo é decadência
do colossal naufrágio e sobrepostas
areias nuas nadam sem clemência.

§

trad. Matheus “Mavericco”. [2015]

Alguém de antigas plagas me contara:
― Pernas de pedra sem um corpo estão
Na areia. Perto, quase imersa, a cara
De alguém, quebrada, jaz, cuja expressão,
Boca e escárnio bélico escancaram
O quão bem o escultor lera o intento,
Tanto que lá vivem, na estátua-túmulo,
A mão que riu, o seio que deu alento.
E no pedestal lê-se isto somente:
“Rei dos reis Ozymândias me intitulo;
Veja minha obra, ó grande, e se atormente!”
Nada mais resta: próximo ao resquício
Da colossal ruína, segue em frente
O deserto sem término ou início.

§

ORIGINAIS.

§

Horace Smith.

In Egypt’s sandy silence, all alone,
Stands a gigantic Leg, which far off throws
The only shadow that the Desert knows:―
“I am great OZYMANDIAS,” saith the stone,
“The King of Kings; this mighty City shows
“The wonders of my hand.”― The City’s gone,―
Nought but the Leg remaining to disclose
The site of this forgotten Babylon.

We wonder,―and some Hunter may express
Wonder like ours, when thro’ the wilderness
Where London stood, holding the Wolf in chace,
He meets some fragment huge, and stops to guess
What powerful but unrecorded race
Once dwelt in that annihilated place.

§

Shelley.

I met a traveller from an antique land
Who said: ― Two vast and trunkless legs of stone
Stand in the desert. Near them on the sand,
Half sunk, a shatter’d visage lies, whose frown
And wrinkled lip and sneer of cold command
Tell that its sculptor well those passions read
Which yet survive, stamp’d on these lifeless things,
The hand that mock’d them and the heart that fed.
And on the pedestal these words appear:
“My name is Ozymandias, king of kings:
Look on my works, ye mighty, and despair!”
Nothing beside remains: round the decay
Of that colossal wreck, boundless and bare,
The lone and level sands stretch far away.

 

Padrão
poesia, tradução

Eugênio Oneguin, de Alexandr Pushkin (1799-1837)

Aleksandr Pushkin por Vasily Tropinin

Aleksandr Pushkin por Vasily Tropinin

Alexandr Serguêievitch Pushkin, ou também grafado Aleksandr Púchkin (1799 -1837), é daquelas figuras fundadoras de um povo pelo encontro da língua. é o poeta-romancista moderno, romântico, insano da rússia pré-futurista; foi a figura que conseguiu fazer o vernáculo russo entrar no escalão da literatura de elite, com um gosto pela sátira, a ironia &, por que não?, o sentimentalismo. &, como quase todo tipo de romântico insano & moderno, ele anda em baixa aos olhos dos leitores contemporâneos. aqui no escamandro, temos tentado revigorar esse olhar sobre poetas como goethe, heine, shelley, byron, keats, wordsworth, coleridge, victor hugo, &c.

Pushkin nasceu em Moscou, em 26 de maio de 1799, numa família abastada & com um pé bem posicionado na aristocracia russa, com ascendência materna que dava no czar Pedro, o Grande. Graças a isso, o jovem Alexandr foi estudar no estrangeiro, o que certamente afetou sua visão literária de modo irreversível: a literatura francesa já invadia a biblioteca de seu pai antes mesmo de seu nascimento, & sabemos que o garoto aprendeu a língua francesa ainda muito novo, já que a nobreza russa, no início do séc. XIX, costumava utilizar essa língua & reservar o russo para o contato com os servos da casa. Quando passou a estudar no Liceu imperial, Pushkin passou pela invasão napoleônica (aquele tremendo fracasso bélico!) sobre a Rússia, & também começou a dedicar-se mais ao verso, & é dessa fase que surgem poemas já notáveis como “A janela”, ou “Aspiração”, ambos de 1816 (o poeta tinha 17 anos), com o gosto óbvio pelo romantismo francês, mais sentimental & diluído do que o que encontramos entre os alemães & ingleses. Depois de se formar no Liceu, Pushkin passa a trabalhar como tradutor do francês no Departamento de Assuntos Estrangeiros, em Petersburgo, & a frequentar – com sucesso literário – os salões da nobreza, com essa poesia mais sentimental. No entanto, na mesma época, já surge a verve satírica & o peso da crítica social, que acabam criando uma indisposição do czar contra o jovem, que quase foi exilado na Sibéria. Resultado, partiu para o sul do país, Ekaterinoslav. É nesse período que começa, de fato, sua vida boêmia, no ambiente provinciano, o que também revelará uma influência grande da poesia de Byron em poemas como “Os ciganos” & “Os irmãos salteadores”. É também nesse período, a partir de 1823, que ele começa a escrever Евгений Онегин (Eugênio Oneguin ou Eugene Oneguin), que é considerada por muitos a sua obra mais importante & lhe tomaria cerca de 8 anos, para só ter sua primeira versão completa em 1833: aqui a fusão entre gosto sentimentalista, inversões byronianas e cuidado realista forjam um processo literário impressionante, numa escrita marcada pelo uso do soneto como estrofe. A grande artimanha narrativa do poema é a figura de um narrador irônico, capaz de longos devaneios & intervenções inesperadas (algo de do Tristam Shandy de Sterne com a condensação da poesia), de sugerir sua falta de onisciência ao mesmo tempo em que parece – por assumir a figura pública do próprio Pushkin — identificar-se com o herói Oneguin. Tal como seu herói, Pushkin também teve de ir para Odessa; lá, por ter tido um caso com a esposa do general-governador Vorontsov, acabou sendo novamente afastado tanto da cidade como do funcionalismo público, além de ser proibido de receber visitas; exilado em Mikháilovskoie, ele escreve a tragédia Bóris Godunov.

Em 1825 houve a famos sublevação dos dezembristas, que tentou em vão derrubar o czar; Pushkin, exilado, apoiava mas não participada do movimento; por isso, acabou sendo perdoado por Nicolau I, enquanto vários outros foram para a forca. Ainda nesse ano sai sua primeira grande antologia de poemas (Bóris Godunov demoraria mais cinco anos, por censura do czar), que teve sucesso imediato. Mas a vida do poeta continuou atribulada: no período subsequente ele faz poemas para os dezembristas,  viaja a Petrogrado, é inquirido pela polícia a respeito do poema “André Chenier” (que, apesar de ter trechos censurados, circulou em versão completa com o título de “Ao 14 de dezembro”, a data da sublevação fracassada), passa por Petersburgo, pede a mão de uma jovem em casamento (mão recusada pelo pai da moça, já que o poeta andava com problemas políticos recorrentes), volta a Moscou, escreve a epopeia Poltav, dentre várias outras coisas, ruma para o Cáucaso, Malínniki, Petersburgo, para enfim voltar a Moscou & pedir, com sucesso, a mão de Natália Gontcharova (ou Goncharova, a quem ele dedica o soneto “Madona” & com quem teve 4 filhos), em 1831, mesmo ano que que encerra seu Oneguin. Depois disso ainda vai escrever muito, como Novelas do finado Ivan Petróvitch Bélkin, ou a série das Cenas dramáticas. De volta a uma vida de corte, agora casado com uma mulher belíssima & cortejada, Pushkin então faz dívidas exorbitantes para manter um padrão de vida além de suas capacidade, além de pedir mais & mais empréstimos. Escreve A história da rebelião de Pugachov, que foi um fiasco entre os leitores, além de lhe render uma acusação de subversivo. Em seguida, por bater de frente com o czar (recusou um cargo oferecido exatamente para humilhá-lo), Pushkin quase foi novamente exilado, porém voltou atrás. Na falta de dinheiro, voltou sozinho para Mikháilovskoie & deixou Natália na corte. Na ausência do marido, o oficial francês George Dantès, então membro da guarda czarista, passou a tentar seduzir a jovem; ao saber que o caso era de conhecimento geral, Pushkin o desafiou para um duelo; esse primeiro duelo foi cancelado com o anúncio de que Dantès se casaria com uma irmã de Natália; porém o assédio continuou; Pushkin fez graves acusações; & dessa vez foi Dantès que o desafiou. Em 8 de fevereiro de 1837, tal como o poeta Lensky do seu Oneguin, Pushkin sofreu um tiro que lhe pegou no estômago, embora ainda tenha feito um disparo que atingiu seu adversário na mão, para então agonizar ao longo de dois dias. Como não poderia deixar de ser, seu funeral foi vigiado pela polícia, que receava algum tipo de insurreição vinculada às posições políticas de Pushkin; tudo foi feito com razoável sigilo; o enterro foi noturno; uma peça sua que estava em cartaz foi encerrada; apenas Turguiêniev pôde participar do ritual.

Para este post, escolhi dois trechos de Eugênio Oneguin: uma passagem do capítulo 5, com o sonho de Tatiana (também apelidada Tânia), que anuncia simbolicamente todo o horror do duelo entre amigos, que resultará na morte de Lensky pelas mãos de Oneguin no capítulo 6; outra do capítulo 8, em que vemos o herói depois de ler a recusa de Tatiana, quando depois de dois anos ele se apaixona por ela, agora já casada, até que ele decide sair para vê-la pessoalmente.

guilherme gontijo flores

ps: eis as duas traduções brasileiras que conheço para a poesia de Pushkin

PÚCHKIN, Aleksandr Sergueievitch. Poesias escolhidas. Organização e tradução de José Casado. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

PUSHKIN, Alexandr. Eugênio Oneguin: romance em versos. tradução do russo para o português por Dário Moreira de Castro Alves. Moscou: Azbooka-Atticus, 2008.

* * *

O duelo de Oneguin e Lensky, gravura de Ilya Yefimovich Repin, 1898.

O duelo de Oneguin e Lensky, gravura de Ilya Yefimovich Repin, 1898.

Capítulo 5

XI

Tânia tem sonho atormentado.
Sonha que está a percorrer
Um campo frígido, nevado,
Que a escuridão vem envolver.
E na nevasca, logo à frente,
Em fúria aturde uma torrente
Túrbida, crespa, enegrecida,
Pelo inverno não contida;
Eis que dois paus, que o gelo prende
(Qual perigosa pontezinha),
Cruzam o rio que ao fundo vinha;
E ao ver o abismo que se estende,
Perplexidade a dominou,
E foi então que ela estacou.

XII

Como em separação sofrida,
Vem Tânia ao rio a murmurar:
Não vê uma só mão estendida
Que lhe auxilie a atravessar.
Em meio à neve algo mexeu,
E o que de novo apareceu?
Um urso, o pelo arrepiado;
Com medo Tânia solta um brado!
Urrando, a fera as garras tende.
Tânia tremeu mas dominou-se,
Contra o animal ela apoiou-se
E a passo trépido, se entende,
Que o ribeirão atravessou;
E agora? O urso a não largou.

XIII

Olhando só para diante
Estuga o tímido pisar;
Mas do peludo acompanhante
Não pode Tânia se esquivar;
Camba e já grunhe o bicho odioso.
O pinheiral silencioso,
De uma beleza tão sombria,
Deixa pender a ramaria
Que a neve fez ficar pesada;
Ao choupo, à bétula e à tília
Clareiam astros em vigília;
Sem rumo tudo é a derrocada
Ante o nevão que desabou
E muita coisa soterrou.

XIV

Ei-la no bosque, o urso ao lado;
Ao seu joelho a neve alcança;
Pelo pescoço entrelaçado,
Um galho longo que balança
De um golpe arranca-lhe um brinquinho;
Na neve o esplêndido pezinho
Perde o sapato lá metido;
Vendo o seu lenço ao chão caído,
Não quer pegá-lo, por temer
O grande urso que está perto,
Treme-lhe a mão, pudor de certo
Tem, pois, de a saia suspender;
Corre; o animal mantém o passo;
E ela então vence o cansaço.

XV

Na neve Tânia lá tombou;
Com jeito o urso a vai levar;
Inerte, dócil ela se achou,
Sem se mover nem respirar;
Com ela vai por um caminho;
Até que chega a um ranchozinho,
Em denso bosque inabitado,
Todo de neve acobertado,
Tendo à janela luz brilhante;
Dentro, conversa está em curso,
“É meu compadre” — diz o urso,
“Entra e aquece-te um instante!”
E porta adentro vai passando
E Tânia ao chão já vai deixando.

XVI

Tânia recobra; e procurando
Urso, não o vê; ouve do umbral
Gritos e copos tilintando
Como em grandioso funeral
Sem perceber o que escutou,
Por uma fresta ela enxergou,
Estranhos monstros lá sentados
Em torno à mesa e congraçados:
Tem chifre um, fuça de cão;
Crista de galo outros, porém;
Barba caprina uma bruxa tem;
Com cauda à vista eis um anão;
Cá, esqueleto sem ornato,
Lá, meio grou e meio gato.

XVII

Ainda mais tira o bom descanso:
Crustáceo aranha vê montar,
Crânio em pescoço nu dum ganso
Com rubro gorro voltas dar;
Moinho a vento que dançando
As velas faz tremer, guinchando;
Latidos, cantos, risos, chascos,
Humanos sons, bater de cascos![31]
Mas que haverá pensado ela
Quando entre o bando divisou
O homem que teme, e a quem amou —
Ele, o herói dessa novela!
Eugênio à mesa está sentado,
E a porta espreita disfarçado.

XVIII

E a sinal seu — tudo a agitar;
Se ele beber — já beberão;
Se ele sorrir — vão gargalhar;
Se franze o cenho — calarão;
La manda ele, com certeza;
Tânia, passada a sua surpresa,
E mais curiosa se sentindo
Um tanto a porta vai abrindo…
Soprava o vento e em instantes
Já os tocheiros se apagaram;
Então os monstros recuaram,
Eugênio, os olhos chamejantes,
Com estridor já faz que sai;
Todos de pé, e à porta vai.

XIX

Tânia tem medo; e prontamente
Tudo ela faz por escapar;
Mas sem poder, já impaciente
Ela se agita e quer gritar;
Não pode; Eugênio a porta abriu
E o olhar da malta recaiu
Sobre Tatiana; e ela escutou
Um feroz riso que atroou;
A ela, olhares se voltaram —
Cascos, e trombas recurvadas,
Línguas em sangue, mãos secadas,
Caudas e presas se mostraram,
E cornos; veem a mocinha
E forte gritam: “É minha! É minha!”

XX

“É minha!” — Irado, Eugênio brada,
E logo os monstros se sumiram;
Na noite escura e enregelada,
A sós os dois então se viram.
A Tânia, Oneguin gentilmente
Coloca em frágil banco à frente,[32]
Deixa a cabeça mergulhar
No ombro dela, a repousar.
Eis Olga entra num instante,
Lenski também; há um clarão,
Recua Eugênio e eleva a mão,
Com o fero olhar, um tanto errante,
Critica quem não esperava;
Quase a morrer Tatiana estava.

XXI

Na altercação que sucedeu,
Com faca Eugênio, num instante,
A Lenski pronto ele abateu;
No escuro, grito lancinante,
Tânia em terror já despertava…
O quarto dela claro estava;
Pela janela inda embaçada
Vê o carmesim da madrugada;
Abriu-se a porta. Olga assomou,
Leve andorinha era ela agora
Mais rósea que a boreal aurora;
A Tânia, Olga perguntou:
“Uma questão eu te proponho,
A quem tu viste no teu sonho?”

XII

Tânia, na irmã não atentando,
Fica na cama, livro à mão,
Folha após folha vai passando,
E nada diz, nem mesmo um não.
Embora o livro não mostrasse
Um só poema, o mais fugace,
Nem preleções de doce idílio,
Ou de Racine, ou de Virgílio,
Nem Byron, Sêneca ou Scott;
Nada de moda ou de gravura,
Presa ela estava à sua leitura:
Era isso, amigos, que se anote,
Martin Zadeck, mago caldeu,[33]
A interpretar o sonho seu.

§

Capítulo 8

XXXV

E assim ele releu, sem escolher,
Obras de Gibbon e Rousseau,
Manzoni, Herder, por prazer,
Leu Staël, Bichat, Tissot,
A Bayle, o cético, já leu,
A Fontenelle não temeu,
E a Chamfort; russos reviu
Certo é que nada ele excluiu —
Nem almanaques nem jornais
Onde sermões são repisados
Em que hoje estou entre os visados,
Mas vejo às vezes madrigais,
Feitos a mim, talvez certeiros,
E sempre bene, cavalheiros.

XXXVI

E eis que seus olhos então liam,
Mas longe iam os pensamentos;
No cavo d’alma revolviam
Sonhos desejos e tormentos.
Por entre as linhas lá riscadas
Sua alma via as não traçadas.
Mas era nestas tão-somente
Que se engolfava sua mente:
Eram arcanas tradições,
Espectros que a nada são ligados:
Medos, rumores, predições;
Ou banais lendas de novela,
Ou mesmo cartas de donzela.

XXXVII

E aos poucos cai em letargia,
Quer no sentir, quer no pensar,
No sonho então, do faro via
Cartas diversas, ao azar.
Vê sobre a neve já desfeita,
Um moço ao qual de longe espreita,
Deitado em abrigo adormecido,
E ouve uma voz “— Foi abatido!”
Ou vê rivais ora olvidados,
Caluniadores e poltrões,
Traidoras jovens aos montões,
Círculos que são despudorados,
Ou uma quinta, em que à janela
Se senta ela… e sempre ela!…

XXXVIII

E tanto disso se ocupou,
Que quase perde a sua mente,
Ou quase poeta se tornou
(Seria uma bênção, francamente!).
Mas em verdade: o magnetismo
Do verso russo — o mecanismo
Inda não tinha em sua mão
O meu aluno um falastrão.
Como ao poeta semelhava
Quando, num canto se encolhia,
Frente à lareira que fulgia,
A Benedetta trauteava
Ou Idol mio, deitando nela
Ora revista, ora chinela.

XXXIX

Os dias vão. Com a tepidez
Do ar, o inverno está por pouco;
Poeta, Eugênio não se fez
E não morreu, não ficou louco.
Na primavera se animou;
Dos aposentos que lacrou,
Onde hibernou como marmota,
Sai ele agora em alva rota,
Com seu trenó vai deslizando
Pelo Neva, por vez primeira.
Brincando ao sol, no gelo à beira,
Blocos azuis vai escavando.
Nas ruas sulcos sobre a neve;
Mas para onde, em passo breve

XL

Avança Oneguin?

§

Notas do Autor

[31] Comentaristas condenaram as palavras blop (chascos), molv (sons) e top (bater) como neologismos indiferentes. Essas palavras são fundamentalmente russas. “Bova saiu da tenda para apanhar algum ar fresco e ouviu em campo aberto os sons do homem e o bater do corcel” (O conto de Bova, o príncipe). Hlop é usado na fala simples do povo em vez de blópanie (batição), como ship no lugar de shipénie (chiar):
Ele emitiu um chiado como um silvo de uma cobra
(Antigos poemas russos)
Não se deve interferir com a liberdade da nossa rica e bela língua.
[32] Um dos nossos críticos, assim parece, encontra nessas linhas uma indecência incompreensível a nós.
[33] Livros divinatórios em nosso país saem com a impressão de Martin Zadeck — uma pessoa de valor que nunca escreveu livros divinatórios, como observa B. M. Fiodorov.

(trad. de Dário Moreira de Castro Alves)

Padrão
poesia, tradução

dois poemas de william blake, por matheus mavericco

blake_01

A primeira vez que tive contato com “Auguries of Innocence” foi lendo o prefácio de Otto Maria Carpeaux para o notável Apresentação da Poesia Brasileira, de Manuel Bandeira. Lá, Carpeaux comenta o fato de que Bandeira, por uma questão de humildade simples, não havia incluso a si mesmo, no que o mestre austríaco buscara tentar mitigar o mal. Pois é em certo momento que Carpeaux diz que os versos iniciais do “Auguries of Innocence” poderiam servir como descrição da poesia de Bandeira como um todo, o que me intrigou na época pela misteriosa beleza dos versos e hoje me intriga pela leitura, pelo menos a princípio me pareceu, parcial de Carpeaux.

Seria assim mesmo? Vejamos. “Auguries of Innocence” pode ser lido como uma espécie de fusão das canções da inocência e as canções da experiência, só que num todo poético que consegue manter uma altíssima voltagem por um tempo notadamente prolongado. Poucos poemas, creio, conseguem o feito de Blake… (Penso, por exemplo, no “Howl” de Ginsberg.) Só que o choque é constante, e se na fenda criada pelo paralelo entre o Cordeiro e o Tygre tínhamos um livro que literalmente os apartava, é comum que em “Auguries” tenhamos não só a fusão, como o contato entre uma esfera e outra quase que de maneira concomitante. Pense-se, a esse respeito, nos versos em que Blake nos diz que o Cordeiro é capaz de gerar a discórdia entre as pessoas e, ao mesmo tempo, a misericórdia para com a faca do açougueiro (em minha tradução, esta faca literalmente desapareceu). Ou então quando diz que o bebê que teme o castigo escreve o nome da morte nos reinos da morte. O “Auguries”, é, basicamente, um poema escrito de maneira aforismática que reúne paradoxos acerca da inocência, como que pra provar que, se não nos encasularmos nessa mesma inocência, nós vamos perder o siso. O mundo é brutal demais. O choque entre as duas esferas antitéticas que Blake havia delineado em suas canções gera esse clima surreal e impactante que o poema apresenta.
Mas onde entraria Bandeira?
Difícil dizer. Se seguirmos a lógica do prolongamento da tensão poética, me parece que só “Vou-me embora pra Pasárgada” apresentaria algo parelho, em especial pelo recurso às enumerações, às espécies de tiras poéticas convivendo juntas, fazendo com que a máxima de Edgar Allan Poe, de que um poema longo é uma contradição de termos, visto existirem apenas poemas curtos como que colados num todo maior, se valide graças ao fato de que temos poemas pequeninos dentro de uma estrutura maior. Mas ainda assim, reconheço, estaria forçando a barra. Bandeira não apresenta nem de longe a intrincada teia simbólica de Blake. Muito mais direto no trato poético, ou então muito mais esfumaçado em suas fases primeiras, o universo poético de Bandeira ou é o do Amor como chama e depois fumaça, ou então o daquela lúgubre maçã meio murcha num hotel. O máximo de simbólico que pode ser rastreado estaria num poema como “Aerisphinx”, que, de resto, acaba aparecendo como um algo à parte na obra, sem aquela pertença e posicionamento num universo simbólico.
Mas aqui eis que me lembro dos versos de “Ubiquidade”:
Estás em tudo que penso,
Estás em quanto imagino:
Estás no horizonte imenso,
Estás no grão pequenino.
Não seria isto? É só comparar tal estrofe com o começo de Blake. Não seria isto?
Tentador dizer que sim. Mas é de se perguntar se o contraponto entre o céu, o horizonte, o universo, as estrelas etc etc e o grão pequenino não seria um lugar comum. Pode realmente ser. Mas nos aponta para a principal ligação entre Blake e Bandeira, o que acaba nos levando, por linhas tortas, à afirmação de Carpeaux: um e outro sempre deram importância crucial à infância. À inocência. A uma visão de mundo mais pura, sem implicar com isso que voltemos ao tema da deificação da infância, como em Wordsworth. É, antes, o reconhecimento da importância de que se lance um olhar mais lúcido a tudo o que nos cerca, o que não quer dizer que por conseguinte o poeta se expresse de maneira clara e direta, mais ou menos como boa parte da obra bandeiriana ou no caso do Blake de “Spring”. Para fecharmos o arco com mais uma citação de Bandeira que se aproxima sobremaneira de Blake, é o caso do poema “Céu”:
A criança olha
Para o céu azul.
Levanta a mãozinha.
Quer tocar o céu.
Não sente a criança
Que o céu é ilusão:
Crê que o não alcança,
Quando o tem na mão.
Matheus Mavericco

§§§

AUGÚRIOS DE INOCÊNCIA.

Ver o Mundo inteiro num Grão
Ver o Céu numa Flor Bravia
É ter o Infinito na mão
E a Eternidade num dia
Tordo preso numa Gaiola
E o Céu inteiro se Desola
Pombal com Rolinhas & Pombos
Leva todo o Inferno a escombros
Cão faminto às Portas de Casa
Prevê que o Estado se defasa
Cavalo largado na Pista
Quer Sangue & quer que o Céu o assista
Lebre que grita por ajuda
A nosso Cérebro desnuda
Rouxinol que no solo jaz
Querubim que não canta mais
Galo de Briga em pé de guerra
A todo Sol Nascente aterra
Todo Lobo & Leão uivando
Salvam do Inferno um Ser Humano
Este cervo que vaga ao léu
Leva o Ser Humano ao Céu
Cordeiro gera a Discórdia
Mas também a Misericórdia
Morcego plana no Poente
E larga o Cérebro Descrente
Coruja que convoca a Treva
Diz o que ao Incrédulo entreva
Ele que fere o Passarinho
Não saberá o que é o Carinho
Ele que o Touro trouxe à fúria
Só saberá o que é a Injúria
Moleque que mata um Mosquito
As Aranhas têm por maldito
Ele que atormenta o Besouro
Esconde do Escuro imorredouro
Larva-de-Inseto inda precoce
Te rediz que tua Mãe sofre
Não mate nunca a Borboleta
O Juízo Final se espreita
Ele aguerrido em Menoscabo
Não ultrapassará o Cabo
Gato de Velha & Cão de Pobre
Alimente-os & serás nobre
Inseto com Canções de Estio
No veneno do Ultraje caiu
Veneno de Lagarto & Cobra
Que do suor da Inveja sobra
Veneno vindo da Colmeia
É o que o Gozo Artístico ideia
Tesouro Imperial & Esmola
São Cogumelos na Sacola
Verdade dita como ofensa
Vence as Mentiras que se pensa
Ser assim é muito melhor
Só nos cabe Alegria & Dor
E tão logo sabemos disto
O Mundo é um lugar mais bem quisto
Alegria & Dor são tecidas
Vestes d’Almas enaltecidas
Sob cada pinheiro & desgraça
A sedosa alegria passa
Todo Bebê é mais que o Berço
Por todo este Humano Universo
Criadas mãos & Instrumentais
Cada Roceiro Entende mais
Cada Pranto de Cada Face
É um Bebê que no Eterno nasce
Isto é pego por Fêmeas rútilas
E torna de volta a seus júbilos
O Uivo o Balido & Rosnado
São Brisa no Celeste Prado
Bebê que teme o seu Castigo
Nutre Ódio e Massacre consigo
Andrajo adejando Ar afora
Age no Céu e o deteriora
Soldado armado com Baioneta
Assalta o Sol mesmo perneta
Trocados valem no total
Mais que todo Ouro oriental
Ácaro nas Mãos calejadas
Terras vendidas & compradas
Ou se acaso o alto o defenda
Faz que a Nação compre & revenda
Quem escarnece a Fé da Infância
A Morte trata co’ Arrogância
Quem ao Questionamento educa
Não sairá da Cova nunca
Quem respeita a Fé da Infância
Vence a Morte & sua Substância
Brincadeiras & Alegações
Frutos de duas Estações
Questionador que diz-se astuto
Não Discute nem um minuto
Quem contesta o Questionamento
Ganha o Dom do Discernimento
Veneno mais Eficiente
Vem do Soberano regente
Nada deforma a Raça Humana
Como a Armadura em Filigrana
Quando o Ouro adorna a Enxada
Faz-se às Artes Cara Fechada
Charada ou Chore o Gafanhoto
É boa Resposta ao Ignoto
Voo de Condor & Voo de Mosca
Distraem a Filosofia Tosca
Quem Questiona o que vê não Crê
Faça o que é melhor pra você
Se Sol & Lua Questionarem
Irão se Pôr sem aguardarem
Conter Paixão é sempre um Bem
Mas não se a Paixão te contém
O Estado ao Jogador & à Puta
Permita & a Nação é corrupta
Rua a Rua a Meretriz berra
Páginas de Velha Inglaterra
Vencedor que Ri de Quem Perde
Zomba Inglaterra estar inerte
Toda Noite & toda Manhã
A Existência de alguns é Vã
Toda Manhã & toda Noite
Alguns nasceram pro deleite
Alguns nasceram pro deleite
Outros pro Infinito da Noite
Tendemos a crer numa Farsa
Se só Olhar não Satisfaça
Quem nasce à Noite pra morrer na Noite
Dorme a Alma em Raios de Luz
Deus Aparece & Deus é Luz
Aos Pobres que moram na Noite
Na Forma Humana se anuncia
A quem Morar na Luz do Dia

*

AUGURIES OF INNOCENCE.

To see a World in a Grain of Sand
And a Heaven in a Wild Flower
Hold Infinity in the palm of your hand
And Eternity in an hour
A Robin Red breast in a Cage
Puts all Heaven in a Rage
A Dove house filld with Doves & Pigeons
Shudders Hell thr’ all its regions
A dog starvd at his Masters Gate
Predicts the ruin of the State
A Horse misusd upon the Road
Calls to Heaven for Human blood
Each outcry of the hunted Hare
A fibre from the Brain does tear
A Skylark wounded in the wing
A Cherubim does cease to sing
The Game Cock clipd & armd for fight
Does the Rising Sun affright
Every Wolfs & Lions howl
Raises from Hell a Human Soul
The wild deer, wandring here & there
Keeps the Human Soul from Care
The Lamb misusd breeds Public Strife
And yet forgives the Butchers knife
The Bat that flits at close of Eve
Has left the Brain that wont Believe
The Owl that calls upon the Night
Speaks the Unbelievers fright
He who shall hurt the little Wren
Shall never be belovd by Men
He who the Ox to wrath has movd
Shall never be by Woman lovd
The wanton Boy that kills the Fly
Shall feel the Spiders enmity
He who torments the Chafers Sprite
Weaves a Bower in endless Night
The Catterpiller on the Leaf
Repeats to thee thy Mothers grief
Kill not the Moth nor Butterfly
For the Last Judgment draweth nigh
He who shall train the Horse to War
Shall never pass the Polar Bar
The Beggars Dog & Widows Cat
Feed them & thou wilt grow fat
The Gnat that sings his Summers Song
Poison gets from Slanders tongue
The poison of the Snake & Newt
Is the sweat of Envys Foot
The poison of the Honey Bee
Is the Artists Jealousy
The Princes Robes & Beggars Rags
Are Toadstools on the Misers Bags
A Truth thats told with bad intent
Beats all the Lies you can invent
It is right it should be so
Man was made for Joy & Woe
And when this we rightly know
Thro the World we safely go
Joy & Woe are woven fine
A Clothing for the soul divine
Under every grief & pine
Runs a joy with silken twine
The Babe is more than swadling Bands
Throughout all these Human Lands
Tools were made & Born were hands
Every Farmer Understands
Every Tear from Every Eye
Becomes a Babe in Eternity
This is caught by Females bright
And returnd to its own delight
The Bleat the Bark Bellow & Roar
Are Waves that Beat on Heavens Shore
The Babe that weeps the Rod beneath
Writes Revenge in realms of Death
The Beggars Rags fluttering in Air
Does to Rags the Heavens tear
The Soldier armd with Sword & Gun
Palsied strikes the Summers Sun
The poor Mans Farthing is worth more
Than all the Gold on Africs Shore
One Mite wrung from the Labrers hands
Shall buy & sell the Misers Lands
Or if protected from on high
Does that whole Nation sell & buy
He who mocks the Infants Faith
Shall be mockd in Age & Death
He who shall teach the Child to Doubt
The rotting Grave shall neer get out
He who respects the Infants faith
Triumphs over Hell & Death
The Childs Toys & the Old Mans Reasons
Are the Fruits of the Two seasons
The Questioner who sits so sly
Shall never know how to Reply
He who replies to words of Doubt
Doth put the Light of Knowledge out
The Strongest Poison ever known
Came from Caesars Laurel Crown
Nought can Deform the Human Race
Like to the Armours iron brace
When Gold & Gems adorn the Plow
To peaceful Arts shall Envy Bow
A Riddle or the Crickets Cry
Is to Doubt a fit Reply
The Emmets Inch & Eagles Mile
Make Lame Philosophy to smile
He who Doubts from what he sees
Will neer Believe do what you Please
If the Sun & Moon should Doubt
Theyd immediately Go out
To be in a Passion you Good may Do
But no Good if a Passion is in you
The Whore & Gambler by the State
Licencd build that Nations Fate
The Harlots cry from Street to Street
Shall weave Old Englands winding Sheet
The Winners Shout the Losers Curse
Dance before dead Englands Hearse
Every Night & every Morn
Some to Misery are Born
Every Morn and every Night
Some are Born to sweet delight
Some are Born to sweet delight
Some are Born to Endless Night
We are led to Believe a Lie
When we see not Thro the Eye
Which was Born in a Night to perish in a Night
When the Soul Slept in Beams of Light
God Appears & God is Light
To those poor Souls who dwell in Night
But does a Human Form Display
To those who Dwell in Realms of day

§§§

blake spring 1 blake spring 2

PRIMAVERA.

Soe a flauta!
Silencia.
A ave salta
Noite e dia;
Rouxinol
Sob o sol
Pia, pia
Co’ alegria,
Alegria, alegria, pra saudar o ano!

Ó menino,
Exultante;
Ó menina,
Cativante;
Cante o galo,
É imitá-lo;
Voz contente
E inocente
Co’ alegria, alegria, pra saudar o ano!

Sou eu,
Cordeirinho!
Lamba meu
Colarinho;
E que, após, eu
Te tose
E acarinhe o
Teu rostinho;
Co’ alegria, alegria, pra saudarmos o ano!

*

SPRING.

Sound the flute!
Now it’s mute.
Birds delight
Day and night;
Nightingale
In the dale,
Lark in sky,
Merrily,
Merrily, merrily, to welcome in the year.

Little boy,
Full of joy;
Little girl,
Sweet and small;
Cock does crow,
So do you;
Merry voice,
Infant noise,
Merrily, merrily, to welcome in the year.

Little lamb,
Here I am;
Come and lick
My white neck;
Let me pull
Your soft wool;
Let me kiss
Your soft face;
Merrily, merrily, we welcome in the year.

(william blake, trad. de matheus mavericco)

Padrão
crítica, poesia, tradução

“Depressão: uma ode”, de Coleridge, por Mavericco

(Segue agora a segunda parte da postagem da semana passada de Matheus Mavericco sobre os românticos ingleses William Wordsworth (1770 – 1850) e Samuel Taylor Coleridge (1772 – 1834) (clique aqui para a primeira parte). Na postagem anterior, Mavericco traduziu o poema “Ode: Intimations of Immortality”, de Wordsworth. Agora ele traduz “Dejection: an Ode”, de Coleridge, ainda inédito em português até onde temos notícia. Mais sobre o poeta pode ser lido aqui no escamandro em postagens de 2012 e 2013, sobre seu poema “Kubla Khan” e sobre a sua Biographia Literaria. O termo “dejection” com frequência é traduzido como “depressão”, mas é importante apontar que ele não carrega – ou, pelo menos, não carregava – esse sentido clínico que costuma vir à mente quando se fala em “depressão” ou “depressivo” hoje, sendo, na verdade, mais ou menos equivalente ao humor melancólico clássico, que não necessariamente está relacionado à depressão como doença psiquiátrica.)

Samuel_Taylor_ColeridgeNa última minha contribuição para o escamandro, havia traduzido a famosa Ode de Wordsworth, no que disse que Coleridge foi influenciado pelo poema do amigo ao escrever “Dejection: an Ode”. Então, voilà.

Como Coleridge já foi apresentado pelo colega Adriano Scandolara em postagens passadas, não me preocupo em fazê-lo. O poema foi escrito em abril de 1802 e primeiramente publicado no Morning Post em 4 de outubro do mesmo ano, só aparecendo em livro numa coletânea de 1817 chamada Sibylline Leaves. “Dejection: an Ode” é um produto do que hoje a crítica tende a caracterizar como a produção dos chamados Lake Poets, ou seja, poetas que moraram, no virar do século XIX, na região de Lake District na Inglaterra. Além de Wordsworth e Coleridge, que, sozinhos, já são capazes de sustentar uma alcunha assim, o nome de Robert Southey (1774 – 1843) também é digno de nota. Mas é também, no contexto do livro em que foi publicado e no contexto da obra de Coleridge como um todo, um verdadeiro ápice, ainda mais se considerarmos que a obra Sibylline Leaves possui um amplo espectro, indo de poemas políticos a éclogas bélicas (“Fire, Famine and Slaughter”), de poemas infantis (“Answer to a Child’s Question”) a poemas de amor como “The Eolian Harp”, dedicado a Sara Hutchinson. O mesmo pode ser dito do espectro formal, que vai do ballad meter d’A Balada do Velho Marinheiro ao entrecorte métrico (do qual “Dejection: an Ode” continua sendo um ápice) e do soneto aos versos brancos.

Sobre essa Sara Hutchinson a quem me referi, é com ela que o poema conversa, isto é, ela é a “Lady” do poema. Naquele clima familiar gostoso que envolvia os dois grandes poetas e suas famílias, Coleridge se encontrou pela primeira vez com Sara em 1799 (ela era cunhada de Wordsworth). Por pelo menos dez anos esse encontro teria um impacto profundo em sua obra. Uma versão anterior do poema, com 340 versos e conhecida como “versão S. H.” (as iniciais de Sara Hutchinson), é muito mais íntima e se refere de maneira explícita a Wordsworth e a Sara. O contrário da versão posterior e definitiva de 139 versos, muito mais impessoal e, portanto, seguindo os preceitos que o próprio Coleridge destacou como próprios de um bom poema: “Uma segunda premissa da genialidade é a escolha de assuntos remotos de interesses privados e circunstâncias próprias do escritor. Até onde sei, de todo assunto retirado imediatamente das experiências e sensações pessoais do autor, a excelência de um poema em particular só pode ser equívoca, e com frequência uma promessa falaciosa de genuíno poder poético” (Biographia Literaria, capítulo XV). O formato final do poema permite também uma condensação poética maior e mais própria aos volteios gerais da poesia de Coleridge, dona de uma máquina imagética um tanto quanto célebre (provavelmente influenciada por seu consumo contumaz de ópio).

Se considerarmos a famosa leitura que Cleanth Brooks faz da Ode de Wordsworth, dentro de suas premissas gerais tanto do close reading quanto da linguagem da poesia como linguagem do paradoxo, e, por conseguinte, da poesia como uma “urna bem urdida” (well wrought urn) que resolve, que aplaca tais contradições em seu interior, então certamente o poema de Coleridge tem muito a oferecer. Afinal de contas, como o poema pode ser uma ode à depressão? Odes não deveriam ser alegres, não deveriam pressupôr um domínio do tema tratado e não uma submissão? Não seria mais correto dizer: “uma Elegia”? Tendo em vista a epígrafe e suas veredas tormentosas de renovação (a ideia de que a Lua Nova nina a Lua Velha e que, com base nisso, somos capazes de perceber que as coisas ficarão cruentas daqui pra frente, graças ao fato de se renovarem, de romperem com o que estava sendo até então), creio que podemos chegar a uma resposta até satisfatória.

Lucas Cranach - Melancolia (1532)

Lucas Cranach – Melancolia (1532)

Pois o poema de Coleridge se movimenta a partir do júbilo e da impossibilidade de se expressar ou mesmo de se sentir esse júbilo. Não existe aquele respaldo deífico que víamos na infância wordsworthiana, mesmo porque, enquanto Wordsworth teve uma infância saudável, o caso de Coleridge foi um pouco mais grave: reza a lenda que um dia ele, ainda criança, brincando com o irmão, acabou se perdendo de casa e teve que passar a noite num solo úmido e frio (meio o que ele relata no final da estrofe VII), o que afetaria de maneira grave sua saúde (e de fato, muito da obra de Coleridge pode ser lido à luz de seus problemas de saúde, como no caso de Manuel Bandeira). Ou então, colocando nos termos de Harold Bloom, estamos falando de um sublime que implica uma perda diferente da perda exposta no poema de Wordsworth. É que enquanto lá essa perda se associava à perda física da infância (o que Coleridge tratará em seu “Sonnet to the River Otter”, por exemplo), em “Dejection: an Ode” temos o eu-lírico se dirigindo a alguém que presumimos vivo e que até pode ouvi-lo; o problema é que, embora o poeta veja tamanho esplendor à sua frente (final da estrofe II), ele não pode comunicar o que vê (estrofe III). Esta a grande cisão que se incute no poema de Coleridge, e esta a raiz da depressão que se alastra em seus versos.

É, creio também, o sustentáculo da ambiguidade no título, visto que o que o deprime é a um só tempo o que o fortalece. Não é preciso muito, afinal de contas, para encontrarmos exemplos em toda a poesia de situações em que o poeta celebre aquilo que lhe cerceia. A impressão de grandiosidade que “Dejection: an Ode” dá reside, claro, na qualidade do poema, e, se quisesse discorrer um pouco mais a respeito disto, poderia remeter à forma hábil com que Coleridge maneja o embate entre sentimentos de júbilo e sentimentos depressivos ao mesmo tempo que conduz uma volta por cima que subjaz quase que imperceptivelmente o solo do poema, o que sua forma entrecortada, sua sonoridade privilegiada e suas imagens via de regra crescentes (por exemplo, o movimento da tempestade na segunda metade da estrofe I ou o brilho lunar na segunda metade da estrofe II) ajudam a construir; mas tal impressão de grandiosidade não reside apenas aí, podendo ser lida, sem que necessitemos partir de um juízo prévio de valor, na grandiloquência com que Coleridge trata seu assunto, buscando sempre intumescê-lo (e um momento interessante disso é na estrofe II, em que, analisando seus extremos, notamos que Coleridge intumesce primeiro um sentimento de clausura e depois um sentimento de encanto) e sempre lúcido acerca daquilo que fala: sobre isso, note-se como ele já começa criticando o fato do bardo que escreveu a balada de Sir Patrick Spence não estar a par do clima – ou note, na curta estrofe III, a meu ver um dos ápices da depressão ao longo do poema, como o eu-lírico sabe muito bem o que lhe falta, isto é, ele não se embate face ao ignoto e sim face à deficiência. Pois sobre isso da celebração enraizar-se na fonte de nossa penúria, faço notar o final da Ode de Wordsworth, onde víamos o poeta dizer que no menor florescer é possível serem geradas “meditações profundas demais para as lágrimas”. Não é esta, grosso modo, a mesma coisa que Coleridge nos diz?

Quem quiser um ótimo estudo sobre o poema pode ler A Study of Coleridge’s “Dejection: An Ode”, de William Shurr (1958). Não sei se existem outras traduções do poema em português.

§§§

 

DEPRESSÃO: UMA ODE.

 

         Tarde, tarde, vi a Lua Nova
         Ninando a Lua Velha;
         Temi, temi, Ó Mestre!
         A tormenta será vermelha.
         (Balada de Sir Patrick Spence.)

 

I

Ah! o bardo estivesse a par do clima, posto
         Que ele fez a balada de Sir Patrick Spence,
         Bem saberia que a este luar não pertence
Manter-se calmo, ao temporal predisposto
Mais que ao moldar de nuvens em flocos relapsos,
Ou ao rascunho oco que pranteia em lapsos
E lustra a mudez deste eólico alaúde,
                  Mas amiúde.
         Pois… O brilho da Lua Nova
         Com sua luz igual à cova!,
         (Que flutua entre a correlata
         Argola de fios de prata)
Eu vejo a Lua Velha em seu colo, agourando
         A chuva que já vem e a tempestade imensa.
E oh!, o vendaval fosse brisa e fosse brando
         E a chuva à noite fosse ágil e fosse densa!
Com frequência acordei com estes sonhos medonhos,
                  No que meus sonhos,
Hoje talvez fugindo, ganhassem impulso
E assustassem a dor, enrijecendo o pulso.

 

II

Uma aflição isenta de agonia e treva,
         Uma aflição inerte e desapaixonada
         Que não encontra escape nem consolo em nada ―
                  E assim a dor a leva ―
Ó Senhora!, uma vez pálido e desalmado,
Cheio de ideias que ouço gorjear a meu lado,
         Durante o longo dia anterior, singelo,
Perambulei à toa sob o céu do Oeste
         Com seu peculiar matiz verde-amarelo:
E ainda o faço ― e ainda a dor me reveste!
E as nuvenzinhas como flocos mais acima,
À luz da cúpula estrelada que as anima
E que, flutue atrás ou então flutue entre,
Cintile ou mesmo ofusque-se, em nossa vista adentre:
E esta Lua crescente, fixa tal se fosse
Crescendo em seu riacho inestrelado e doce;
Eu vejo vocês todos em vossa excelência,
E, mais que sentir, vejo vossa graça imensa.

 

III

                  Meu gênio falha;
                  Pois que me valha
Tê-los, se tê-los não aplaca a dor em mim?
                  Seria vão,
                  Por mais que eu não
Tivesse aquele verde, e o buscasse sem fim:
Já não espero formas externas me deem
O amor e a vida, que só elas nos proveem.

 

IV

Senhora!, recebemos nós o que nós damos,
E a Natureza vive conforme vivamos:
Nossa a sua grinalda, nosso o seu sudário!
         E procurássemos um nada ou então tudo,
Dentre o que permitisse o mundo, este calvário,
À turba sem amor, de ardor desnecessário,
         Então seria o próprio espírito graúdo
Que lançaria a glória sobre este cenário
                  E sobretudo ―
E de dentro do espírito lançar-se-ia
         Um doce som potente, vindo do berçário,
Que nenhum no mundo iguala em energia!

 

V

Pura de coração!, não precisa indagar-me
Sobre o que é esta música ou qual é o seu charme!
Nem o que é, e onde existe,
Esta luz, névoa cintilante que consiste
Em ser bela e a um só tempo criar a beleza.
         Alegria, Senhora, ah!, alegria inédita
Salvo aos mais puros no ápice de sua pureza ―
Vida, e efluência Vital, rio e correnteza
E alegria, Senhora!, o espírito e a proeza,
Que a Natureza deu-nos ao dar a grandeza
         Súbita
De um novo Continente e um novo Firmamento ―
Alegria a voz doce, o céu, seu luzimento ―
                  Nosso ser se ufana!
E assim flui tudo o que ouve, que encanta ou que avista,
         E toda a música que desta voz emana,
E a plêiade de cores que na luz exista.

 

VI

Houve um tempo em que, embora áspero o caminho,
         Esta alegria minha flertara co’a dor,
E os infortúnios todos eram o escaninho
         Onde o Desejo fez-me alegre sonhador:
Pois a esperança a meu redor, tal como a vinha,
Cresceu, no que pensei meu o fruto e a flor, minha.
Mas hoje a aflição faz com que eu me resvale:
Não me importo roubarem tudo o que mais vale;
                  Mas a aflição!…
Faz que o que a Natureza me legou, se cale,
         Meu espírito informe da Imaginação.
Pois ignorar o que preciso é o que sinto,
         Uma vez que só posso seguir firme e são;
E em pesquisas escusas dizer que consinto
         Roubar de minha natureza o ser humano ―
         Este o meu único recurso e único plano:
Até a parte que apodrece o todo inteiro
E que hoje me possui como seu prisioneiro.

 

VII

Meditações ofídias que em mim serpenteiam,
                  Pesadelo dos fatos!,
Deixo vocês e escuto os ventos que pranteiam
         Despercebidos até hoje. Ah, insensatos
Gritos de pavor, longos, longos, que o alaúde
Nos trouxe! Você, vento, em sua solitude,
         Despenhadeiro seco, pico ou estraçalho
Ou bosque de pinheiros longe do machado
Ou casarão vazio e mal-assombrado
         Penso te ajudariam mais em teu trabalho ―
Ó maestro lunático! que, em mês chuvoso,
Quando o jardim marrom-escuro é copioso,
Faz, em gáudio satânico, e com canções frias,
Dançarem juntos botões, brotos, ventanias.
         Você, Ator, perfeito em trágicos gestos!
Você, grande Poeta, em bravo frenesi!
                  O que me diz?
                  É a pressa do anfitrião a caminho, infeliz,
         Massacrado e com cortes fundos e funestos ―
Urrando e quase morto ao dar conta de si!
         E todo este barulho, de exército em rota,
Com calafrios trêmulos ― então acaba ―
         E o conto que é contado se abranda e se embota!
                  Não nos assusta,
                  Mas a dor susta
Tal como Otway compusera seus poemas, ―
                  De um menininho
                  Que, sozinho,
Foi se perder do lar e só encontrou problemas:
E agora chora bem baixo, e agora tem medo,
E agora grita e quer que a mãe o ache o mais cedo.

 

VIII

É meia-noite e nem sequer penso no sono:
São poucos os que creem nisto se o menciono!
Visite-a, gentil Sono, com asas de cura,
         E que a tormenta ao fim das contas seja brisa,
E que o céu estrelado vele-a co’a ternura
         De ver o sono que na Terra se enraíza!
                  Descansada, ela acorda
                  E a alegria transborda
         De seus gestos, e a ergue, e aviva sua cor;
Por ela, as coisas sigam vivas, ponta a ponta,
E vivas rodopiem a vida sem conta!
         Ó espírito gentil, guiado pelo amor,
Senhora!, amiga a quem tenho em alto valor,
Grande, grande há de ser todo o teu esplendor.

 

§§§

DEJECTION: AN ODE.

         Late, late yestreen I saw the new Moon,
With the old Moon in her arms;
And I fear, I fear, my master dear!
We shall have a deadly storm.
         (Ballad of Sir Patrick Spence)

I

Well! If the Bard was weather-wise, who made
         The grand old ballad of Sir Patrick Spence,
         This night, so tranquil now, will not go hence
Unroused by winds, that ply a busier trade
Than those which mould yon cloud in lazy flakes,
Or the dull sobbing draft, that moans and rakes
Upon the strings of this Æolian lute,
                  Which better far were mute.
         For lo! the New-moon winter-bright!
         And overspread with phantom light,
         (With swimming phantom light o’erspread
         But rimmed and circled by a silver thread)
I see the old Moon in her lap, foretelling
         The coming-on of rain and squally blast,
And oh! that even now the gust were swelling,
         And the slant night-shower driving loud and fast!
Those sounds which oft have raised me, whilst they awed
                  And sent my soul abroad,
Might now perhaps their wonted impulse give,
Might startle this dull pain, and make it move and live!

II

A grief without a pang, void, dark, and drear,
         A stifled, drowsy, unimpassioned grief,
         Which finds no natural outlet, no relief,
                  In word, or sigh, or tear—
O Lady! in this wan and heartless mood,
To other thoughts by yonder throstle woo’d,
         All this long eve, so balmy and serene,
Have I been gazing on the western sky,
         And its peculiar tint of yellow green;
And still I gaze—and with how blank an eye!
And those thin clouds above, in flakes and bars,
That give away their motion to the stars:
Those stars, that glide behind them or between,
Now sparkling, now bedimmed, but always seen;
Yon crescent Moon, as fixed as if it grew
In its own cloudless, starless lake of blue;
I see them all so excellently fair,
I see, not feel, how beautiful they are!

III

                  My genial spirits fail;
                  And what can these avail
To lift the smothering weight from off my breast?
                  It were a vain endeavour,
                  Though I should gaze for ever
On that green light that lingers in the west;
I may not hope from outward forms to win
The passion and the life, whose fountains are within.

IV

O Lady! we receive but what we give,
And in our life alone does Nature live;
Ours is her wedding-garment, ours her shroud!
         And would we aught behold, of higher worth,
Than that inanimate cold world allowed
To the poor loveless ever-anxious crowd,
         Ah! from the soul itself must issue forth
A light, a glory, a fair luminous cloud
                  Enveloping the Earth—
And from the soul itself must there be sent
         A sweet and potent voice, of its own birth,
Of all sweet sounds the life and element!

V

O pure of heart! thou need’st not ask of me
What this strong music in the soul may be!
What, and wherein it doth exist,
This light, this glory, this fair luminous mist,
This beautiful and beauty-making power.
         Joy, virtuous Lady! Joy that ne’er was given,
Save to the pure, and in their purest hour,
Life, and life’s effluence, cloud at once and shower,
Joy, Lady! is the spirit and the power,
Which wedding Nature to us gives in dower,
         A new Earth and new Heaven,
Undreamt of by the sensual and the proud—
Joy is the sweet voice, Joy the luminous cloud—
                  We in ourselves rejoice!
And thence flows all that charms or ear or sight,
         All melodies the echoes of that voice,
All colours a suffusion from that light.

VI

There was a time when, though my path was rough,
         This joy within me dallied with distress,
And all misfortunes were but as the stuff
         Whence Fancy made me dreams of happiness:
For hope grew round me, like the twining vine,
And fruits, and foliage, not my own, seemed mine.
But now afflictions bow me down to earth:
Nor care I that they rob me of my mirth;
                  But oh! each visitation
Suspends what nature gave me at my birth,
         My shaping spirit of Imagination.
For not to think of what I needs must feel
         But to be still and patient, all I can;
And haply by abstruse research to steal
         From my own nature all the natural man—
         This was my sole resource, my only plan;
Till that which suits a part infects the whole,
And now is almost grown the habit of my soul.

VII

Hence, viper thoughts, that coil around my mind,
                  Reality’s dark dream!
I turn from you, and listen to the wind,
         Which long has raved unnoticed. What a scream
Of agony by torture lengthened out
That lute sent forth! Thou Wind, that rav’st without,
         Bare crag, or mountain-tairn, or blasted tree,
Or pine-grove whither woodman never clomb,
Or lonely house, long held the witches’ home,
         Methinks were fitter instruments for thee,
Mad Lutanist! who in this month of showers,
Of dark-brown gardens, and of peeping flowers,
Mak’st Devils’ yule, with worse than wintry song,
The blossoms, buds, and timorous leaves among.
         Thou Actor, perfect in all tragic sounds!
Thou mighty Poet, even to frenzy bold!
         What tell’st thou now about?
                  ’Tis of the rushing of an host in rout,
                  With groans of trampled men, with smarting wounds—
At once they groan with pain and shudder with the cold!
But hush! there is a pause of deepest silence!
       And all that noise, as of a rushing crowd,
With groans, and tremulous shudderings—all is over—
       It tells another tale, with sounds less deep and loud!
                  A tale of less affright,
                  And tempered with delight,
As Otway’s self had framed the tender lay.
                  ’Tis of a little child,
                  Upon a lonesome wild,
Not far from home, but she hath lost her way;
And now moans low in bitter grief and fear,
And now screams loud, and hopes to make her mother hear.

VIII

’Tis midnight, but small thoughts have I of sleep:
Full seldom may my friend such vigils keep!
Visit her, gentle Sleep! with wings of healing,
         And may this storm be but a mountain-birth,
May all the stars hang bright above her dwelling,
         Silent as though they watched the sleeping Earth!
                  With light heart may she rise,
                  Gay fancy, cheerful eyes.
         Joy lift her spirit, joy attune her voice;
To her may all things live, from pole to pole,
Their life the eddying of her living soul!
         O simple spirit, guided from above,
Dear Lady! friend devoutest of my choice,
Thus may’st thou ever, evermore rejoice.

(poema de Samuel Taylor Coleridge, tradução e comentário de Matheus Mavericco)

Padrão
crítica, poesia, tradução

“Ode: prenúncios de imortalidade”, de Wordsworth, por Mavericco

A abadia de Tintern, tema de outro poema famoso de Wordsworth

A abadia de Tintern, tema de outro poema famoso de Wordsworth

Já vimos poemas de Coleridge, Blake, Byron, Shelley & Keats aqui no escamandro: agora William Wordsworth, Poeta da Natureza, é o último dos grandes românticos ingleses que faltava para dar as caras em nosso blogue – last but not least, claro, dada a imensa influência que ele foi para todos os outros e para toda a poesia inglesa, senão a poesia do ocidente em geral. Gostaria de poder ter feito as honras de apresentá-lo eu mesmo aos nossos leitores (faz um tempo que eu estou de olho no “The Old Cumberland Beggar” e no “Tintern Abbey”, mas falta tempo). Porém o Matheus Mavericco, nome já conhecido aqui por estas bandas, se adiantou e o fez antes de mim com um verdadeiro trabalho de fôlego, traduzindo sua famosa “Ode: Intimations of Immortality”. Na verdade, o que ele preparou foi uma postagem dúplice: a Ode de Wordsworth se baseia num poema anterior de Coleridge, “Dejection: an Ode”, que Mavericco também traduziu e comentou e que vocês verão na semana que vem.

Pessoalmente, eu arriscaria dizer que a obra de Wordsworth parece ser o tipo de poesia que só poderia ser produzida naquele período em que ele viveu, na aurora da Revolução Industrial na Grã Bretanha. Os poetas que vieram antes de Wordsworth conheciam o mundo natural, mas desconheciam a modernidade (digo, pelo menos essa experiência de modernidade exacerbada pela revolução industrial, a modernidade do mundo cosmopolita, das viagens e das trocas de toda natureza altamente acelaradas, da vida marcada pelo ritmo do capitalismo tardio), e os poetas que vieram depois já estavam por demais inseridos nessa modernidade para terem essa experiência do natural sem que ela o mediasse (e os poetas do simbolismo francês, por exemplo, ilustram muito bem isso, com as expressões de ódio ao natural e louvor do artifício que são observáveis em Baudelaire e Huysmans). Falar de natureza antes disso era uma coisa, que virou outra depois, num processo análogo ao da perda da inocência, e viria a se tornar ainda outra completamente distinta hoje – discurso que invariavelmente vai precisar tratar do problema que é a humanidade ter ambientalmente dado um tiro no próprio pé. Assim sendo, fica a impressão de que a poética de Wordsworth é esse retrato, muito preciso, de um momento de limiar – que é, talvez, arriscando a banalidade da frase de efeito, aquilo que dá relevância às figuras que reconhecemos como grandes poetas. “Não dá mais pra você dizer isso desse jeito”, diz um poema de Ashbery, e ao ler Wordsworth, sente-se que ele encarnou esse espírito com perfeição.

No mais, porém, passo a palavra para o Mavericco.

(Adriano Scandolara)

Retrato de Wordsworth por Benjamin Robert Haydon (1842)

Retrato de Wordsworth por Benjamin Robert Haydon (1842)

William Wordsworth (1770 – 1850) foi um dos capitães do Romantismo inglês. Em 1790 conhecera Samuel Taylor Coleridge (1772 – 1834), no que se tornaram BFFs e foram responsáveis pela publicação de Lyrical Ballads em 1798, um livro que mudou o rumo da poesia anglófona. E de fato: é um livro porreta. Se você lançar uma olhada mais detida na poesia do período anterior, neoclassicista, vai poder notar a diferença profunda que Lyrical Ballads incutiu: ao invés de pensar a poesia e o poeta a partir de sua posição social dentro de uma concepção racionalista e mecanicista do mundo, o que explica a precisão e sobriedade dos dísticos de Pope bem como sua condução silogística, Wordsworth e Coleridge batem de frente e brandem o ímpeto do Eu e o esplendor da Natureza.

A esse respeito, o prefácio que Wordsworth escreveu ao livro é bastante explicativo. Ele tem um significado parecido com o prefácio que Victor Hugo (1802 – 1885) escreveria depois à sua peça Cromwell (1827): súmula do Romantismo. Veja-se, do começo do quinto parágrafo: “O principal objetivo, então, destes Poemas foi o de escolher incidentes e situações da vida comum e relatá-los ou descrevê-los, por inteiro, até onde fosse possível uma seleção da linguagem realmente usada pelos homens comuns, e, ao mesmo tempo, lançar sobre eles um certo colorido da imaginação, de modo que as coisas ordinárias se apresentariam à mente num aspecto inusual; e adiante, e acima de tudo, fazer destes incidentes e situações interessantes traçando neles, verdadeira embora não luxuosamente, as leis primeiras de nossa natureza: marcadamente, até que se considere as maneiras com que associamos ideias num estado de excitamento.” Outra passagem famosa do prefácio é quando Wordsworth diz que não existe nenhuma diferença essencial entre a linguagem metrificada e a linguagem em prosa.

Mas isto é preâmbulo. Poetas havia antes de Wordsworth e Coleridge que já denunciavam rupturas ao padrão neoclássico, como Blake, Burns ou o Sturm und Drang alemão, o que, claro, não muda a força poética da dupla dinâmica. O poema que traduzo abaixo não foi incluso nas Lyrical Ballads. Conserva em grande parte seus princípio, inclusive radicalizando alguns deles se notarmos em especial a turbulência de seus volteios sintáticos. Foi escrito em 1802, ano em que Wordsworth deu uma forte guinada autobiográfica em sua obra. Em 27 de março ele havia escrito uma versão menorzinha do poema, que parava na estrofe quatro, e, depois de prosear um pouco com compadre Coleridge em abril do mesmo ano, ficou cheio de ideias. Na verdade, Coleridge também, e tanto que Coleridge escreveu depois o poema “Dejection: a Ode”, que é em grande medida influenciado pelo poema do amigo: e, pra terminarmos o bate-bola, o poema de Wordsworth também é influenciado pela poesia de Coleridge, em especial os chamados conversational poems, primos dos monólogos que basicamente funcionam como se o eu lírico conversasse com alguém que não o responde. De Coleridge, o mais famoso desses conversational poems é “The Nightingale”, mas existem também outros como “Frost at Midnight” e o próprio “Dejection”.

Mas Wordsworth só foi retomar o trabalho em 1804, quando terminou o poema e começou seu famoso poema longo The Prelude, em 14 livros. The Prelude é centrado na figura do poeta, só que sem uma jornada teológica à maneira de Dante nem uma estruturação epopaica. Amplia o tema de que no nosso fim está nosso começo, ou seja, isso de atar as duas pontas da vida, pra me valer da expressão de nosso Bentinho. E essa citação de Machado de Assis não é gratuita, visto que Machado sempre incorporou com grande felicidade muitos temas wordsworthianos: o capítulo XI de Brás Cubas, por exemplo, é uma citação do poema de Wordsworth que ele mesmo usa pra epigrafar sua Ode.

Ela foi publicada em 1807 na coletânea Poems, in Two Volumes. Uma das epígrafes anteriores do poema era tirada da quarta écloga de Virgílio (aquela, famosa!, em que Virgílio teria previsto o nascimento de Cristo sob a figura de um menino que levaria a humanidade a uma nova Idade de Ouro…), “paulò majora canamus” (cantemos algo mais nobre). Depois retirou-a e fez por bem pôr os três versos finais que me referi há pouco, vindos deste poema:

Quando vejo o arco-íris
Eu me aposso de um tumulto:
Assim tudo teve início;
Assim hoje eu sou adulto;
Assim eu ficarei velho;
Ou que eu morra!
A Criança é pai do Adulto.
Que os anos sejam enlaçados
E venham a ser perdoados.

[“My heart leaps up when I behold  / A rainbow in the sky: / So was it when my life began; / So is it now I am a man; / So be it when I shall grow old, / Or let me die! / The Child is father of the Man; / I could wish my days to be / Bound each to each by natural piety.”]

O poema tem uma maneira mais ou menos regular a princípio, seguindo um padrão de rimas alternadas que se assemelhava à ode pindárica, até se tornar algo bem bagunçado. As mudanças métricas não são de assustar pois bastará folhearmos Suspiros Poéticos e Saudades (1836), do nosso Gonçalves de Magalhães, para notarmos como este era um procedimento comum para o temperamento romântico: ou seja, o de que, ao invés de tomar emprestado fôrmas poéticas já prontas (vide as epopeias), ele escrevesse o poema de acordo com suas variações sentimentais. Não quer dizer que toda a obra de Wordsworth é assim, nem que toda ela se valha de um instrumental popular. Wordsworth foi, por exemplo, um dos maiores sonetistas de língua inglesa, e é dele aquela frase, “Scorn not the sonnet“.

casa de Wordsworth em Rydal Mount

casa de Wordsworth em Rydal Mount

Um dos aspectos que mais intrigaram e ainda intrigam os comentadores é a filosofia de Wordsworth, disso da criança ser uma espécie de Deus em meio à Natureza, o que amplia ainda mais a dor da reminiscência que o poema expõe. No quinto livro de The Prelude, Wordsworth narra de quando adormecera e vira, num sonho, a figura de um cavaleiro árabe de beduínas tribos. Numa arma ele trazia uma pedra, símbolo dos Elementos Euclidianos, e na outra uma concha. Quando o eu lírico põe a concha no ouvido, ele escuta: “Uma Ode, apaixonada, que predisse / Destruição às crianças desta terra / Num dilúvio iminente.” (v. 96-98: “An Ode, in passion uttered, which foretold / Destruction to the children of the earth / By deluge, now at hand.“) É tudo muito figurado, mas a lição no final das contas parece ser a de que a Infância e a Natureza são de capital importância para nós: tanto que, nos versos 506 a 509, ele dirá: “Nossa infância, / Simples infância, senta-se num trono / Com mais poder que todos elementos.” (“Our childhood sits, / Our simple childhood, sits upon a throne / That hath more power than all the elements.“)

Harold Bloom, em seu Abaixo as Verdades Sagradas (trad. Alípio Correia Neto e Heitor Ferreira Costa, Cia das Letras, 1993), localiza Wordsworth no topo do ágon do sublime. Para Bloom, citando Weiskel, o sublime é uma alegação essencial de que o homem pode transcender o humano (p. 137). Num livro que analisa a relação entre poesia e crença, os comentários de Bloom sobre Wordsworth são de grande argúcia. Pois, com efeito, Wordsworth demarcaria um limite para a razão iluminista ao mesmo tempo que sua visão da natureza “leva ao ápice o programa iluminista para a razão” (p. 156). É que “Quando fala das obras de seu espírito, Wordsworth não descreve uma crença de que algo seja assim, mas uma crença numa aliança, uma aliança estabelecida entre sua mente e uma presença dominadora não inteiramente distinta do seu melhor aspecto.” (p. 161) Bloom não deixa claro que presença dominadora seria esta (não podemos dizer que é Deus pois Wordsworth, como Freud, buscam “substituir um deus moribundo por um novo, o deus do ser interior em perpétuo crescimento“, p. 154); mas o fato é que essa espécie de solipsismo wordsworthiano radicaliza sua percepção de mundo a tal ponto que o poeta celebra sua natureza divina (idem).

Mas não quero me demorar muito numa interpretação do poema. A esse respeito, incluo, além do dito cujo, o comentário que o próprio Wordsworth escreveu sobre ele.

Minha tradução buscou manter ao máximo as variações métricas de Wordsworth, tentando seguir o original passo a passo. Vali-me de um verso de doze sílabas para traduzir o pentâmetro, o que é de certa maneira um problema pois, com exceção dos alexandrinos espanhóis de Castro Alves, não tivemos muitos versos de doze sílabas em nosso Romantismo. Mas em minha defesa cito que 1) os românticos possuíam uma plêiade de recursos métricos, e não ter sido amplamente usado em nossas terras não desabona seu uso, mesmo porque o alexandrino francês, sistematizado por Castilho e amplamente usado pelos parnasianos, foi uma reação ao alexandrino espanhol (e à escansão espanhola de modo geral), o que quer dizer que o lastro dodecassilábico era perceptível; 2) Augusto de Campos, a meu ver padrão de excelência para a tradução de românticos, usou o dodecassílabo para traduzir Keats; e 3) como o poema de Wordsworth se vale de interrupções bruscas, o verso de doze sílabas julguei mais capaz de incutí-las que o de dez.

As cesuras desse meu verso de doze buscaram, quem sabe no inconsciente, sopesar o padrão 6-12 e o padrão 4-8-12, este último marcadamente romântico. Mas existem também casos em que a cesura saiu do padrão. Creio que foram poucos, embora, a esse respeito, eu tenha a impressão de que meu poema ficou mais regular metricamente que o próprio original de Wordsworth… Já a respeito das rimas, busquei seguir estritamente o esquema rímico do original. Se alguns versos saíram não rimados, é porque, sinceramente, não encontrei eles rimando no original.

Afora isto, faço notar o uso das maiúsculas que, embora praticamente apenas para com substantivos, representa uma forma de realce textual clássica em Wordsworth e na poesia de maneira geral, algo com uma forte precedência neoclássica que foi radicalizada por Wordsworth quando ele, por exemplo, grifa todos os elementos naturais do primeiro verso da última estrofe em maiúsculas (e note que na primeira estrofe ele não o faz). Faço notar também, na estrofe 6, o termo “humorous stage“, que em minha tradução, por questões rímicas e, pelo memos até onde sei, práticas (ou seja, não encontrei um termo que o traduza, o que, é claro, pode muito bem ser deficiência minha), foi transformado em “farsa”. “Humorous stage“, conforme a nota da The Norton Anthology of Poetry (1970, p. 603), que é a que me usei, é encenar personagens com variados temperamentos, os chamados “humores” para os elisabetanos. Com “farsa”, me aproximo do final da estrofe e não dos versos precedentes, visto que  ideia de que todos esses papéis seriam falsos ou exagerados, máscaras em suma, está conotada no termo.

Além de minha tradução, sei de uma feita por John Milton e Alberto Marsicano, inclusa no livro O Olho Imóvel Pela Força da Harmonia, editora Ateliê, 2007. É uma excelente seleção.

The Forest of Bere (1808), por J. M. W. Turner (1775 - 1851)

The Forest of Bere (1808), por J. M. W. Turner (1775 – 1851)

§§§

ODE.

PRENÚNCIOS DE IMORTALIDADE RECOLHIDOS DA MAIS TENRA INFÂNCIA.

I

Houve um tempo em que a relva, a fonte, o rio, a mata
         E o horizonte se vestiam
                  De uma luz grata,
         — Visto que assim me pareciam —,
E da opulência que nos sonhos é inata.
Hoje está sendo tal como foi outrora;—
         Seja o que for, eu,
         Na luz ou breu,
Eu não verei jamais o que se foi embora.

II

                  O arco-íris vai, vem,
                  E a rosa nos faz bem;
                  Alegre, a lua nota
Que o céu está completamente nu; à luz
                  De estrelas, a água brota
         E é belo o que ela reproduz;
         A aurora é sempre um nascimento;
         E contudo, eu sei muito bem
Que a glória passou por nós em algum momento.

III

Agora, enquanto as aves cantam de contento
         E enquanto o cordeirinho salta
                  Ao som do que o exalta,
A mim apenas veio uma ideia de dor:
Enunciei-o e de repente ela passou,
                  E me encho de alento:
Trombeteiam cascatas frente ao precipício;
Minha dor não mais matará o clima opulento;
Ouço o Eco que vem das grutas e ouço o Vento
Que encerra em si o sono tal como um resquício,
         E alegre é a terra;
                  Todo o mar
         Vem a se ufanar
                  E a Fera se aferra
         Ao sono na serra;—
                  Você, Criança,
Menino pastor, grite até onde, Ó Criança, o grito alcança!

IV

E vocês, Criaturas, eu escuto afinal
         O que dizem entre vocês
E vejo o céu que frui também vossa altivez;
         Meu ser em vosso festival,
                  Coroado, o total
De vossa dádiva — ah!, eu sinto… Ó mal!,
                  Fosse eu soturno enquanto
                  A Terra se adornasse,
                           Manhã de Maio face
                  A qual a infância nasce
                           No Mundo,
                  No vale remoto e fecundo;
                  Enquanto o sol nos acalora
E o Bebê sobe aos braços da Mãe: — ouço agora!
                  Com alegria eu ouço, eu ouço!
                  — Mas uma, uma Árvore existe,
Uma Planície que em minh’alma inda persiste,
Lembrando o que se foi e hoje e me deixa triste:
                  E o Amor-Perfeito
                  Diz: Que foi feito
         Do vislumbre visionário?
         Dos sonhos? Do esplendor vário?

V

Nosso nascer não passa de sono e de oblívio:
A Alma que nasce com nós, nosso Astro Vital,
         Vive longe de onde vive o
                  Trajeto de seu fanal;
         Não no esquecimento inteiro
         Nem na nudez por inteiro,
Mas, arrastando nuvens de glória, viemos
         De Deus — nele vivemos —:
É o Céu que a nós circunda e a nossa meninice!
As sombras da prisão começam a cobrir
                  O Menino que cresce;
Mas ele vê a luz, sabe aonde ela vai ir
                  E sabe que ela o acresce;
A Juventude, em sacerdócio à Natureza,
         Viaja ao Leste numa empresa
                  Guiada pela
                  Visão mais bela;
E ao largo o Homem vê que sua vida acaba
E que na luz do hábito ela enfim desaba.

VI

A Terra enche o colo com prazeres seus;
A Terra possui ânsias que ela mesma mantém,
E, possuindo um algo maternal também,
                  E honesta em seu intuito,
         A Terra, ama-de-leite, empenha-se
P’ra que o filho adotivo, a Humanidade, abstenha-se
         De todos seus apogeus
E do que nele for trajetória e for muito.

VII

Aprecie a Criança e a plêiade de encantos,
Tesouro de seis anos menor que um pigmeu!
Contemple a paz com que ele enfim adormeceu,
Preocupado co’os beijos de sua mãe, tantos!,
E as tantas bênçãos que seu pai lhe concedeu!
Veja, a seus pés, alguma tabela infantil,
Algum fragmento de seu sonho de ser humano,
Moldado graças a uma arte ainda pueril;
         Um casamento ou um festival,
         Um lamento ou um funeral;
                  E a isto ele é servil,
E nisto ele forma seu canto:
                  Assim afinar-se-á enquanto
Dialoga sobre o amor, o sucesso ou o dano;
                  Não demorará tanto
                  Até que largue isto
                  E de novo, e imprevisto,
Com alegria o Ator mirim faça outro ardil;
Enchendo pouco a pouco sua própria “farsa”
De Personagens, ‘té que a Vida fique esparsa
E, colocando-o na barca, a Vida o ressarça;
                  Como se imitar fosse
                  Tudo o que ele fosse.

VIII

Você, cujo semblante exterior desmente
                  Teu valor inerente;
Você, grande Filósofo, que mantém ainda
A herança; você, que é a Visão entre a cegueira,
Que, surdo e mudo, lê a profundeza infinda
Sempre assombrada pela mente altaneira, —
                  Ó Vidente!, Ó Profeta!
                  Que a verdade afeta
E a quem nós procuramos de qualquer maneira,
Por toda a vida, presos no escuro da cova;
Você, sobre quem flui a Fonte da Existência
Que escraviza ao mesmo tempo que renova,
Algo impossível de se ignorar a presença;
                  A quem a cova
É cama solitária sem sentido ou luz
                  Do que lá fora luz,
Um lugar onde se descansa e onde se pensa;
Você, Criança, ainda ilustre na amplitude
Da aérea liberdade de tua atitude,
P’ra quê, com dores tão solenes, provocar
Os anos a te darem o que eles vão te dar,
Assim tão cega e santa imersa na batalha?
Não tarda e teu espírito cai no retardo
De uma rotina que imporá a ti um fardo
Que pese e quase como a vida se equivalha!

IX

                  Alegria!, que em nós
                  Inda palpita
                  E repercute a voz —
                  E nos evita!
Pensar no meu passado faz com que em mim nasça
Uma bênção perpétua: não aquela graça
Que glorifica aquele a quem ela agracia —
Prazer e liberdade, o credo que perpassa
A Infância inteira, na labuta ou calmaria,
Pleno do tatalar da fé que se atavia:—
                  Nem por estes elevo
                  Canções de louvor e enlevo;
         Mas pelas questões obstinadas
         De senso e coisas externadas
         Distantes de nós, sublimadas;
         Vagos temores da Criatura
Que vaga em meio a mundos não realizados,
Altos instintos onde a efêmera Figura
Treme tal como tremem os Sentenciados:
                  Por tais afetos prévios
                  E recordações breves, o
         Que vierem a ser, sejam,
Pois são fontes de luz e nos clarejam,
Pois são pontos de luz de nosso olhar;
         Guarde a estima por nós, guardando o seu poder
De que a turba dos anos se encurte no Ser
Da Calmaria imorredoura: o despertar
                  P’ra vida eterna:
O que a surdez e a insânia que às vezes governa,
                  O Pai, o Filho
E o que vê na alegria um odioso empecilho,
Não poderão matar nem retirar o brilho!
         Assim, sendo o clima propício,
                  Por distantes que estejamos,
Sentimos sempre aquele mar sem fim ou início
                  Que nos trouxe aonde estamos,
E vemos sempre a Infância que brinca na areia,
E ouvimos sempre o som do mar que assenhoreia.

X

Pois cantem, Aves, cantem canções de contento!
                  E que o Cordeiro salte,
                  Alegre, ao som que o exalte!
Nossas vozes serão uma só em pensamento,
         Você que brinca ou flauteia
         E que tem na sua veia
         O agrado que Maio alardeia!
Pois muito embora a glória, que antes cintilara,
Tenha tornado-se distante e coisa rara,
         E embora nada traga novamente a hora
Do esplendor no relvado, ou da flor que vigora;
                  Nós não vamos chorar; iremos
                  Achar forças no que tivemos
                  Um dia; no afeto primeiro
                  Que ainda se mantém inteiro;
                  No pensamento que consola
                  E medra quando a dor desola;
                  Na fé que enxerga além da morte
E na sabedoria do que nós vivemos.

XI

E vocês, Bosques, Fontes, Picos, Matagais,
Não previram que o amor já não seria mais!
E entanto, o coração de meu coração sente
O poder de vocês; eu abandonei somente
Um prazer p’ra viver vosso ciclo usual.
Amo o rio que em seu canal se convulsiona,
Mais do que quando, assim como ele, eu fui frugal;
A luz da Aurora é pura e, como habitual,
                  Emociona;
As nuvens que rodeiam o pôr-do-sol ganham
O tom-de-cor daquele olhar que mantivera
Vigília sobre nossa tênue Primavera;
Outras raças têm sido, e outras glórias se apanham.
Graças ao coração, que fizemos morada,
Graças a todo o seu temor, carinho e encanto,
Sei que da flor mais simples pode ser gerada
Meditação profunda demais para o pranto.

§§§

Isto foi composto durante minha estada em Town-End, Grasmere. Dois anos passei, pelo menos, escrevendo as primeiras quatro estrofes e as partes restantes. Ao leitor atento e competente o todo é autoexplicativo, mas não há mal algum que me refira aqui aos sentimentos particulares ou experiências que tive em minha mente e as quais a estrutura do poema parcialmente guarda. Nada foi mais difícil pra mim na infância que admitir a noção de morte como um estado aplicável a meu próprio ser. Eu havia dito em algum lugar:

          Uma criança
Que apenas respire forte,
Enchendo-se de vigor,
Que sabe ela sobre a morte?

[A simple child, / That lightly draws its breath, / And feels its life in every limb, / What should it know of death?]

Mas não era nem tanto da raiz da vivacidade animal que minha dificuldade veio como um sentido de indomabilidade do espírito em mim. Costumava refletir sobre as histórias de Enoque e Elias, e quase havia me persuadido que, seja lá o que fosse feito dos outros, eu deveria ser trasladado da mesma maneira para o céu. Com um sentimento congenial a este, com frequência eu era incapaz de pensar as coisas externas como tendo uma existência externa, e comungava com tudo o que via como algo não à parte, mas inerente à minha própria natureza imaterial. Muitas vezes enquanto ia pra escola eu abraçava uma parede ou árvore pra me lembrar deste abismo de idealismo para com a realidade. Num certo momento tive medo de processos assim. Em períodos posteriores da vida deplorei, como nós todos temos razão de deplorar, o subjugamento de uma índole oposta, e me regojizava com lembranças, conforme expresso nos versos, “Questões obstinadas” &c [estrofe IX]. Para a vivacidade onírica e esplendor que se investiam em cada objeto da infância, eu acreditava, se olhasse pra trás, que poderia assim tomar testemunho sem precisar ter de morar lá; mas, tendo no Poema uma espécie de evidência presuntiva de um estado de coisas anterior, eu pensava que era certo protestar contra a conclusão que afligia algumas pessoas boas e pias, a quem eu tencionava inculcar tais crenças. É de longe uma noção mais sombria de ser recomendada à fé do que um elemento em nossos instintos de imortalidade. Mas tenhamos em mente que, embora a ideia não seja avançada na Revelação, há aí algo que a contradiz, e a queda do homem apresenta uma analogia a favor. Pois de fato, um estado pré-existente entrou no credo popular de muitas nações, e entre todas as pessoas experimentadas em literatura clássica é sabido que este é um ingrediente da filosofia platônica. Arquimedes disse que ele podia mudar o mundo se tivesse onde apoiar sua máquina. Quem nunca sentiu as mesmas aspirações como dizendo respeito ao mundo de sua própria mente? Tendo de exercer alguns dos elementos quando fui impelido a escrever este poema sobre a “Imortalidade da Alma”, eu tomei a noção da pré-existência como tendo fundamentos suficientes na humanidade pra que me autorizassem a fazer de meu propósito o melhor uso que udesse fazer enquanto Poeta.

§§§

ODE.

INTIMATIONS OF IMMORTALITY FROM RECOLLECTIONS OF EARLY CHILDHOOD.

 

I

There was a time when meadow, grove, and stream,
         The earth, and every common sight,
                  To me did seem
                  Apparell’d in celestial light,
The glory and the freshness of a dream.
It is not now as it hath been of yore;—
                  Turn wheresoe’er I may,
                  By night or day,
The things which I have seen I now can see no more.

 

II

                  The rainbow comes and goes,
                  And lovely is the rose;
                  The moon doth with delight
Look round her when the heavens are bare;
                  Waters on a starry night
         Are beautiful and fair;
         The sunshine is a glorious birth;
But yet I know, where’er I go,
That there hath pass’d away a glory from the earth.

 

III

Now, while the birds thus sing a joyous song,
         And while the young lambs bound
                  As to the tabor’s sound,
To me alone there came a thought of grief:
A timely utterance gave that thought relief,
                  And I again am strong:
The cataracts blow their trumpets from the steep;
No more shall grief of mine the season wrong;
I hear the echoes through the mountains throng,
The winds come to me from the fields of sleep,
         And all the earth is gay;
                  Land and sea
         Give themselves up to jollity,
         And with the heart of May
Doth every beast keep holiday;—
                  Thou Child of Joy,
Shout round me, let me hear thy shouts, thou happy
         Shepherd-boy!

 

IV

Ye blessèd creatures, I have heard the call
         Ye to each other make; I see
The heavens laugh with you in your jubilee;
         My heart is at your festival,
                  My head hath its coronal,
The fulness of your bliss, I feel—I feel it all.
                  O evil day! if I were sullen
                  While Earth herself is adorning,
                           This sweet May-morning,
                  And the children are culling
                           On every side,
                  In a thousand valleys far and wide,
                  Fresh flowers; while the sun shines warm,
And the babe leaps up on his mother’s arm:—
                  I hear, I hear, with joy I hear!
                  —But there’s a tree, of many, one,
A single field which I have look’d upon,
Both of them speak of something that is gone:
                  The pansy at my feet
                  Doth the same tale repeat:
Whither is fled the visionary gleam?
Where is it now, the glory and the dream?

 

V

Our birth is but a sleep and a forgetting:
The Soul that rises with us, our life’s Star,
                  Hath had elsewhere its setting,
                           And cometh from afar:
                  Not in entire forgetfulness,
                  And not in utter nakedness,
But trailing clouds of glory do we come
                  From God, who is our home:
Heaven lies about us in our infancy!
Shades of the prison-house begin to close
                  Upon the growing Boy,
But he beholds the light, and whence it flows,
                  He sees it in his joy;
The Youth, who daily farther from the east
                  Must travel, still is Nature’s priest,
                           And by the vision splendid
                           Is on his way attended;
At length the Man perceives it die away,
And fade into the light of common day.

 

VI

Earth fills her lap with pleasures of her own;
Yearnings she hath in her own natural kind,
And, even with something of a mother’s mind,
                           And no unworthy aim,
                  The homely nurse doth all she can
To make her foster-child, her Inmate Man,
                  Forget the glories he hath known,
And that imperial palace whence he came.

 

VII

Behold the Child among his new-born blisses,
A six years’ darling of a pigmy size!
See, where ‘mid work of his own hand he lies,
Fretted by sallies of his mother’s kisses,
With light upon him from his father’s eyes!
See, at his feet, some little plan or chart,
Some fragment from his dream of human life,
Shaped by himself with newly-learnèd art;
         A wedding or a festival,
         A mourning or a funeral;
                  And this hath now his heart,
         And unto this he frames his song:
                  Then will he fit his tongue
To dialogues of business, love, or strife;
                  But it will not be long
                  Ere this be thrown aside,
And with new joy and pride
The little actor cons another part;
Filling from time to time his ‘humorous stage’
With all the Persons, down to palsied Age,
That Life brings with her in her equipage;
                  As if his whole vocation
                  Were endless imitation.

 

VIII

Thou, whose exterior semblance doth belie
                  Thy soul’s immensity;
Thou best philosopher, who yet dost keep
Thy heritage, thou eye among the blind,
That, deaf and silent, read’st the eternal deep,
Haunted for ever by the eternal mind,—
                  Mighty prophet! Seer blest!
                  On whom those truths do rest,
Which we are toiling all our lives to find,
In darkness lost, the darkness of the grave;
Thou, over whom thy Immortality
Broods like the Day, a master o’er a slave,
A presence which is not to be put by;
         To whom the grave
Is but a lonely bed without the sense or sight
         Of day or the warm light,
A place of thought where we in waiting lie;
Thou little Child, yet glorious in the might
Of heaven-born freedom on thy being’s height,
Why with such earnest pains dost thou provoke
The years to bring the inevitable yoke,
Thus blindly with thy blessedness at strife?
Full soon thy soul shall have her earthly freight,
And custom lie upon thee with a weight,
Heavy as frost, and deep almost as life!

 

IX

                  O joy! that in our embers
                  Is something that doth live,
                  That nature yet remembers
                  What was so fugitive!
The thought of our past years in me doth breed
Perpetual benediction: not indeed
For that which is most worthy to be blest—
Delight and liberty, the simple creed
Of childhood, whether busy or at rest,
With new-fledged hope still fluttering in his breast:—
                  Not for these I raise
                  The song of thanks and praise;
         But for those obstinate questionings
         Of sense and outward things,
         Fallings from us, vanishings;
         Blank misgivings of a Creature
Moving about in worlds not realized,
High instincts before which our mortal Nature
Did tremble like a guilty thing surprised:
                  But for those first affections,
                  Those shadowy recollections,
         Which, be they what they may,
Are yet the fountain-light of all our day,
Are yet a master-light of all our seeing;
Uphold us, cherish, and have power to make
Our noisy years seem moments in the being
Of the eternal Silence: truths that wake,
                  To perish never:
Which neither listlessness, nor mad endeavour,
                  Nor Man nor Boy,
Nor all that is at enmity with joy,
Can utterly abolish or destroy!
         Hence in a season of calm weather
                  Though inland far we be,
Our souls have sight of that immortal sea
                  Which brought us hither,
         Can in a moment travel thither,
And see the children sport upon the shore,
And hear the mighty waters rolling evermore.

X

Then sing, ye birds, sing, sing a joyous song!
                  And let the young lambs bound
                  As to the tabor’s sound!
We in thought will join your throng,
                  Ye that pipe and ye that play,
                  Ye that through your hearts to-day
                  Feel the gladness of the May!
What though the radiance which was once so bright
Be now for ever taken from my sight,
         Though nothing can bring back the hour
Of splendour in the grass, of glory in the flower;
                  We will grieve not, rather find
                  Strength in what remains behind;
                  In the primal sympathy
                  Which having been must ever be;
                  In the soothing thoughts that spring
                  Out of human suffering;
                  In the faith that looks through death,
In years that bring the philosophic mind.

 

XI

And O ye Fountains, Meadows, Hills, and Groves,
Forebode not any severing of our loves!
Yet in my heart of hearts I feel your might;
I only have relinquish’d one delight
To live beneath your more habitual sway.
I love the brooks which down their channels fret,
Even more than when I tripp’d lightly as they;
The innocent brightness of a new-born Day
                  Is lovely yet;
The clouds that gather round the setting sun
Do take a sober colouring from an eye
That hath kept watch o’er man’s mortality;
Another race hath been, and other palms are won.
Thanks to the human heart by which we live,
Thanks to its tenderness, its joys, and fears,
To me the meanest flower that blows can give
Thoughts that do often lie too deep for tears.

(poema de William Wordsworth, comentário e tradução de Matheus Mavericco)

Padrão