Virgílio, “Geórgicas”, Livro 2, vv. 1-109, por Rafael Silva

“mas quantas as espécies e quais são os nomes delas?”, por uma tradução poética das Geórgicas de Virgílio pouca gente sabe, menos gente ainda faz lá questão de lembrar, mas a obra de Virgílio não se restringe à Eneida. além de ser o autor das Bucólicas, conjunto de dez poemas que retoma muito da produção helenística de Teócrito e que constitui o mais influente modelo … Continuar lendo Virgílio, “Geórgicas”, Livro 2, vv. 1-109, por Rafael Silva

As Geórgicas de Virgílio (I, vv. 1-70), por Arthur Rodrigues Santos

Entre as duas obras mais famosas de Virgílio, as Bucólicas e a Eneida, temos esta que já foi referida, talvez com alguma extravagância, como the best poem by the best poet. Não cabe a mim discutir se as Geórgicas são verdadeiramente a grande obra do poeta mantuano. Gosto não se discute e eu sou suspeito. Só queria dizer apenas o que me fascina nesse poema … Continuar lendo As Geórgicas de Virgílio (I, vv. 1-70), por Arthur Rodrigues Santos

nota crítica: a “eneida” de virgílio, por carlos alberto nunes

em setembro de 19 a.C., junto à cidade de bríndisi, o moribundo públio virgílio marão pedia que queimassem os manuscritos “incompletos” da eneida, o poema épico fundamental da literatura romana ((nãoa  resumirei, mas podem conferir aqui)) & que viria a ser tornar, segundo t.s. eliot, o centro da cultura europeia: “Virgílio tem a centralidade do clássico único; está no centro da civilização europeia, numa posição que nenhum outro … Continuar lendo nota crítica: a “eneida” de virgílio, por carlos alberto nunes