Poetas e Poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 4), por Danilo Augusto

  este é o quarto & último texto da série preparada por danilo augusto para o escamandro, com um ensaio sobre a sua visão & experiência pessoais diante das traduções de poetas da dinastia tang feitas pelo poeta norte-americano william carlos williams em parceria com o sinólogo david rafael wang. a meu ver (aliás bem diverso do de danilo augusto), a grande importância de um projeto … Continuar lendo Poetas e Poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 4), por Danilo Augusto

Poetas e Poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 3), por Danilo Augusto

  III – Meng Hao-Jan, Wang Wei e Li Yu Trad. para o Inglês: William Carlos Williams (com  David Rafael Wang)/ Trad. para o português: Danilo Augusto V MENG HAO-JAN, 689-740 Guiando minha canoa a uma ilha nebulosa, Assisto ao sol se pôr enquanto minhas dores se erguem; Na vasta noite o céu pende das copas, Mas no lago azul a lua está chegando perto. Steering my … Continuar lendo Poetas e Poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 3), por Danilo Augusto

Poetas e poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 2), por Danilo Augusto

II – Liu Chung-Yuan e Ho Chin-Chang Trad. para o Inglês: William Carlos Williams (com David Rafael Wang) /Trad. para o português: Danilo Augusto III LIU CHUNG-YUAN, 723-819 Os passarinhos voaram pra longe das montanhas, A marca do homem sumiu de todos os caminhos, Mas sob uma vela solitária um velho se agacha, Pescando em meio à tempestade de neve. The birds have flown away … Continuar lendo Poetas e poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 2), por Danilo Augusto

Poetas e Poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 1), por Danilo Augusto

I – Meng Hao-Jan e Li Po Trad. para o Inglês: William Carlos Williams (com colaboração de David Rafael Wang) /Trad. para o português: Danilo Augusto I MENG HAO-JAN, 689-740 Na primavera você dorme e não sabe quando amanhecerá, Por toda a parte se ouve o canto dos passarinhos, Mas na noite o som do vento aos da chuva se mistura, E você se pergunta … Continuar lendo Poetas e Poemas Tang a partir de William Carlos Williams (pt. 1), por Danilo Augusto

“uma canção de amor” de william carlos williams

um viva à deriva! lendo os poemas completos de robert creeley passei por um poema que citava uma linha do wcw que me levou ao dito poema citado que me levou ao impulso gratuito de traduzi-lo que me traz ao blogue antes de qualquer estimativa. com o poema, é claro. Uma Canção de Amor (william carlos williams)  O que é que tenho pra dizer quando … Continuar lendo “uma canção de amor” de william carlos williams

7 + 4 vermelhos carrinhos de mão (william carlos williams)

se pensarmos a tradução (segundo a já famosa metáfora) como a foto de uma estátua, sempre capaz de resolver uma  parte da sua tridimensionalidade, mas também sempre incapaz de esgotar as possibilidades de visão do original, ficamos com dois belos corolários: 1 – como a foto, a tradução é uma outra arte, que em grande parte vale por si só, mesmo quando aponta para uma … Continuar lendo 7 + 4 vermelhos carrinhos de mão (william carlos williams)