Uma alegria estilhaçada: Poesia brasileira 2008-2018, por Gustavo Silveira Ribeiro

Hoje sai finalmente a antologia preparada pelo professor Gustavo Silveira Ribeiro, em desdobramento da série Uma casa para conter o caos, que foi publicada em 2019, na seção Xanto, e também da antologia A extração dos dias: poesia brasileira agora, publicada aqui em 2017. Como em todos os casos, prezamos pela independência crítica e cedemos o espaço para que ela se desdobre em diálogos e debates. … Continuar lendo Uma alegria estilhaçada: Poesia brasileira 2008-2018, por Gustavo Silveira Ribeiro

Uma janela de Rilke em várias versões

Eu já disse, num passado nem tão distante, que a poesia francesa de Rilke era pouco conhecida no Brasil, na língua portuguesa como um todo. Começo a ver que não era, ou que certamente já não é verdade. Como prova cabal disso, eis logo abaixo cinco (sim, eu disse 5) versões lusófonas para um mesmo poema que aparece tanto na série Vergers quanto na Fenêtres. Três … Continuar lendo Uma janela de Rilke em várias versões

3 sonetos a orfeu, por william zeytounlian

II.1 Respirar, ah, poesia invisível! Câmbio puro e contínuo entre o espaço e o ser. Contrapeso castiço, em cujo compasso me enlaço. Única onda nos ares, em cujo mar, progressivamente, me faço; o menor de todos possíveis mares, – conquista do espaço. Quantas dessas estâncias de espaço não via nascerem em mim? Muitos ventos são cria minha. Me reconheces, ar, cheio de partes da minha … Continuar lendo 3 sonetos a orfeu, por william zeytounlian

um poema inédito de william zeytounlian

William Zeytounlian (São Paulo, 1988) é mestre em História e desenvolve pesquisas sobre os usos dos comportamentos silenciosos, práticas de escrita, pornografia e anticlericalismo nos séculos XVII e XVIII. Ainda inédito, seu livro Diáspora tem lançamento previsto para agosto. Também é atleta da seleção brasileira de esgrima. * * * FUIT HIC I. eu falo a esta terra: abra-te ao dia; ousa mostrar-te em face … Continuar lendo um poema inédito de william zeytounlian

2 traduções de “l’enfance”, de victor hugo (1802-1885) — e mais 3

no post passado, em que comentei a nova edição eneida de virgílio, toquei no assunto delicado dos poetas canônicos descanonizados, ou melhor dizendo: os canônicos que, se todos conhecem, ninguém mais lê. eles estão em toda parte: milton, na inglaterra; goethe, na alemanha; bilac, no brasil; victor hugo, na frança; &c. a lista seria enorme. eu fico só em quatro casos, especificamente em quatro que julgo merecerem revisões, … Continuar lendo 2 traduções de “l’enfance”, de victor hugo (1802-1885) — e mais 3

william zeytounlian (1988)

william zeytounlian (sampa, 1988) é poeta ainda inédito em livro próprio, assistente no clube literário hussardos, formado em história pela unifesp, onde desenvolve sua pesquisa de mestrado sobre as práticas de silêncio na modernidade a partir de documentos moralistas na frança do século XVII. alguns poemas seus já  saíram na antologia é que os hussardos chegam hoje (2014) & no blog da modo de usar & … Continuar lendo william zeytounlian (1988)