poesia

Leila Guenther (1976-)

20707521_1534655573268074_1567155120_n

Leila Guenther (Blumenau, SC, 1976) publicou os livros Viagem a um deserto interior, O voo noturno das galinhas e Este lado para cima. Participou de antologias como Capitu mandou flores: contos para Machado de Assis nos cem anos de sua morte, Cusco, espejo de cosmografias: antología de relato iberoamericano, Outras ruminações: 75 poetas e a poesia de Donizete Galvão, entre outras. Mantém o blogue na linha da vida.

 

sergio maciel

* * *

 

CATEQUESE

Quando eu o ensinava a latir
você me ensinava a ser gente

O Papa de hoje diz
que os cachorros podem ir para o céu

Então poderíamos nos ver de novo algum dia
(se você me ensinasse também a entrar lá)

 

§

 

SOMBRAS, SOBRAS

O amargo da língua
O salgado dos olhos
As inúmeras variações do acre
O que somente alcanço
Pelos poros mais remotos

Despojos
De uma guerra que não lutei

Aceito os restos
(Nada tenho a oferecer em troca)

Só me é dado atingir a superfície
Por pedaços que não se comunicam entre si

Sei que nunca compreenderei o todo através das partes:

Não é para mim que retorna
– Em sonhos ou pesadelos –
A criança que se constrói
Em torno da mãe que não serei

 

§

 

ILHA DO TESOURO

As lâminas se espalham pelo chão
Em que pulamos amarelinha
E ninguém nos advertiu do risco
De se dormir próximo da fogueira
Náufragos de uma vida inteira
Nem percebemos quão perto estamos
dos brinquedos que perdemos
Tudo o que se enterrou na areia
Torna a aparecer com o relento
Repetimos os fracassos
Multiplicamos as falhas
Colecionamos decepções

Nascer
Amar
Partir

É sempre pela primeira vez que se comete o mesmo erro

 

§

 

DO MEU LIVRO DE TRAVESSEIRO

Quanto a flores, o crisântemo dos cemitérios e altares budistas. O lótus branco que nasce na lama. A acácia que não tem perfume. O ipê que os imigrantes japoneses adotaram por saudade das cerejeiras. E a flor do capim.

 

Se fosse possível aprender a distância: “A arte de ser gueixa em dez lições”, “Curso introdutório para dervixes”, “Método samurai nível avançado”, “Aulas de canto para muezzins”, “Meditação mindfulness com Buda Shakyamuni”.

Do sono: cenas de cinema em câmera lenta. Garupa de motocicleta. Narração de partida de golfe. Discursos cujo conteúdo não se compreende. Chuva caindo em telhado de zinco. Pescaria. Estrada sem curva. O movimento e o som de uma fogueira. O grilo quando canta.

Quanto a profissões, massagista de cachorro. Tradutora de pássaro. Manobrista de mula. Babá de bicho-preguiça.

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Leila Guenther (1976-)

  1. Pingback: “É sempre pela primeira vez que se comete o mesmo erro” – Terapeuta em Terapia Ciência Arte Filosofia e Cura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s