Boca de rio : Olho-d’água

Mapa do rio Amazonas e arredores, c. 1672, por John Olgiby

pálpebra abrindo um pouco
humano nasce um rio
um olho-d’água olheiro
cabeça nascedouro
ou manadeiro fonte
que cresce prolifera
gera – mãe-d’água etc.

e pálpebra fechando
ou estalada estanque
assim é que ele morre
algo exalando afora
um delta boqueirão
barra estuário foz
boca de rio etc.
se não minguar na seca
se não morrer à míngua
sob a devastação

mas nesse fim jamais
termina a velha mina
se arranja terra adentro
vira tudo que vira
nome de nimbo névoa
lago laguna mar
e nesse fim jamais
se chega assim completo
– um rio é de vapor
um ano quase inteiro
saindo do seu leito
pássaro céu acima
é bicho humano um rio
e quando dá no fim
um nome dele ainda
será talvez entrada

nós fomos oito nestes
quase onze anos de estrada
entre xanto e escamandro
é pouco quase nada
como qualquer rio
que aqui e ali deságua
dando nos imprevistos
batizando mistérios
um rio também nada
dentro do corpo alheio
que seja vida além de tudo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s