poesia

Marcos Visnadi (1984-)

27336712_10215316574378631_2475021772970067805_n

Foto de Júlia de Carvalho Hansen

Marcos Visnadi nasceu em Jundiaí em 1984. Vive e escreve em São Paulo. Mantém o blog rabo de macacoo (clique aqui).

* * *

 

Cilada

No inexato habitam
as cracas do espírito.

Que bom, corpo,
em nódoas e metástases

cálculos catarros e merda endurecida
mas livre das porqueiras.

Depois de morto se dissolve
e Deus me manda pro Inferno.

Você não soube
ele diz
o tempo todo

nada
se pode
contra

o Correto.

§

 

Hóspede

que
apertada
e folgada
calada
na lava
da lábia
e molhada
só sim
sem não
aberta
colada
na calefação
da parede
macia
que espasma
essa boca
te sirva
de casa

§

 

Vocação do vacilo

o ânimo
de fazer um tríptico
épico
de longínquas distâncias
cadê

o nome
no mármore
estátua atacada por moleques
queda
de braço da barbárie
bem

o nada
entrave das estrelas
reatores nucleares no infinito
matéria imprevisível
do tempo e do sonho e do
affe

cadê
o ânimo o nome o nada

na trave
dos trinta anos do ultraje
trabalhar um tríptico épico
que transforme tudo

em estátua
atacada
por moleques

§

 

Retrato

com a coluna esticada em equilíbrio e alegria
e o focinho à procura de aventuras
o cachorro vive sua vida
atormentado só pelas pulgas

dez palmos de língua pra fora da boca
um acaso que não desiste
o cachorro cumpre sua missão
de mijar em tudo que existe

§

 

A foda é uma entrada no antropoceno

Posso pensar átomos tocados pela língua
e rotações desta Rocha imaginária

em torno do próprio eixo, posso pensar
suas pernas abertas uma porta, entrar por elas
na casa exposta às tempestades do Tempo

nossos sonhos destelhando e nos deixam
sem o abrigo do látex e da potência

uma guerra entre vírus e Gulliver
amarrado entre tochas e tempero de churrasco

nós dois separados e entre nós outros átomos
por acaso não formaram essa língua que eu passo
nos dentes trincados na gengiva que sangra

Big Bang
Misterioso Acaso
Deus Criador
Começo Inalcançável
Múltiplos Fins
Imaginados

os físicos vos perscrutam nas frestas do conhecimento

e enchem minha cabeça de mitos
que remetem a mim mesmo

a língua áspera e as hemorroidas insistem cuidados médicos

a Morte sussurra à porta sem pressa testando as chaves

encontrar uma pista de pouso entre as cordilheiras fechadas do Dia

suas pernas abertas
sem átomos
ou medo
ou movimentos planetários

eu rezo pra que feridas nunca nasçam na sua pele que tem cheiro de gente viva

essa batalha
essa dança
só termina
na Saída

§

 

Com fúria fúnebre

tudo o que se escreve
o que se canta o que se dança
não adianta

onze mil pessoas
marcharam em toronto
três milhões e meio
pelas ruas de são paulo

se somos
dez por cento
de sete bilhões
no planeta
faça as contas:
não tem
regra de três
que te traga de volta

nem pronome
oblíquo átono
que sustente
tanto nome à revelia
em certidão de óbito

textos de luto
poemas fúnebres
foda-se

gritar
não esqueceremos
de vela na mão
nós esquecemos

pesquisadoras da mesma universidade em que você foi morto
encontraram oitenta e seis bilhões de neurônios no cérebro humano

bem menos
que os cem bilhões
que acreditávamos ter

tivéssemos
trilhões ou mais, talvez
soubéssemos dos assassinos
até a preferência
do almoço da família um dia antes
de abaixar as suas calças, de te dar
de bruços, de graça, pra noite, pra sempre

mães de todos os continentes choram filhos mortos
saturno mastiga a gente antes do futebol de sábado
no sábado encontrarei amigos e seu nome passará

entre uma mordida e outra
a língua desvia dos dentes
ninguém te soletra
no entretempo

estatísticas tecem a rede que prende
o anjo que olha as ruínas do foda-se
outras letras com seus nomes vão morrendo
que nem os neurônios

com o tempo
eles não se regeneram

temporada de caça sempre aberta

no escuro os viados se encontram nos campos
pululam a última da lady gaga
e quando se tocam a luz que sai do corpo
deixa a gente exposta acende várias lâmpadas

o nome disso tudo não tem nome:
chama sinapse fluorescência
diego vieira machado
etc.

Anúncios
Padrão

Um comentário sobre “Marcos Visnadi (1984-)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s