poesia

Vinícius Leonardi (1984)

Vinícius Leonardi (1984) cresceu na cidade de Lapa-PR e mora em Curitiba. Interrompeu curta carreira em estudos de matemática e física teórica, dedicando-se desde então a outras ocupações. Interessa-se por literatura, filosofia e teologia. Escreve no blog http://www.aragemdeideias.blogspot.com.br/

 

Fluxo

Estremece a monotonia das rochas
vence
o lodo ensanguentado
ao vento
jorrando
carrega miríades veladas.

Vigor em vales,
alcança frutos
silencia o céu
delicia lágrimas
contempla montanhas
sussurros das musas
negros cabelos
desviam o horizonte
e a luz
apaga
rochas de ornamentos intangíveis
trazendo hino que abençoa as águas.

Agora só uma baía
e o calar da noite
sem melancolia.

Um pássaro encontra semente rara doutros ares.

Por isso
clamava a terra.

Chuva

A chuva
arrasta multidões
em gemidos
gritos de gozo.

Apaga a face do horizonte
elimina a memória
do que resiste
ao brotar de pus negro
dentre as chamas
da espada cravada no ventre infértil.

A imensidão, lodo
harmonia,
cintilar de cacos em trincheiras.

Estrelas não são mais.

E o mundo, único,
absurdamente único,
enforcado
no próprio não ser
enredado
pelos ardis do infinito.

Em um instante
intangível
lúcido
um menino se dobra
e o que as mãos enlameadas revelam entre os dedos

são lágrimas da eternidade.

Poço

Faz-me miserável
essa insistência
causas revoltas pelo vento
demência.

Faz-me miserável
em agruras
quando Ítaca revisitada
é nada.

Padrão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s