Vinagre, uma antologia de poetas neobarracos

Vinagre

Organizada pelo poeta Fabiano Calixto, Vinagre – uma antologia de poetas neobarracos foi ao ar pela primeira vez na segunda-feira do dia 17 de junho, em apoio aos protestos (antes de serem sequestrados pela classe média direitista, sendo a manifestação do 13 uma das mais marcantes pela violência policial) que vieram a ser chamados (talvez por uma minoria, mas, de qualquer modo, o nome é interessante) de “Revolta da Salada”, em referência às detenções que foram feitas pela polícia de manifestantes portando vinagre como um método de aliviar os efeitos do gás lacrimogênio. Lembro de ter lido algo ainda sobre como o vinagre não tem essas propriedades, de fato, mas já era tarde: a sua transfiguração num símbolo, bem maior do que a substância, já estava feita.

Com 93 páginas a princípio, esta antologia contava tanto com nomes mais conhecidos quanto com o de poetas iniciantes (dentre os quais tive a honra de estar inserido, nesse momento tão crucial, tendo finalmente conseguido escrever algo após meses de seca criativa), todos se desviando do que possa haver de mais programático em sua poesia para a escrita de poemas que, ainda que não sejam sempre necessariamente engajados (muitos deles são, no entanto), são violentamente políticos. Em vários casos, vi poemas muito bons de autores que não costumam tratar desse tipo de temática, o que é sempre uma surpresa bastante positiva.

Vinagre chamou a atenção, inclusive (não sei como), da Folha de São Paulo, que teve algumas palavras introdutórias a dizer sobre a antologia. No dia 20, o Caderno D+, do Diário de Maringá, também fez uma matéria, desta vez mais extensa, sobre o livro, que você pode ler reproduzida aqui no blog da Babel Poética. E, por fim, o poeta londrinense Ricardo Pedrosa Alves (também um dos poetas da antologia) também foi autor do primeiro comentário crítico sobre a antologia, em seu blog.

Depois, no dia 21, mais poetas foram para o Vinagre, e a sua segunda edição foi publicada, com uma nova capa (a que se vê acima; a primeira tinha uma ilustração do Banksy). De 93 páginas, fomos para 170, e a lista total dos poetas presentes nela inclui agora, em ordem alfabética (e com links para quem já tiver aparecido aqui no escamandro): Adalberto do Carmo, Ademir Demarchi, Adriano Scandolara, Airton Souza, Alberto Lins Caldas, Alberto Pucheu, Alex Simões, Alexandre Guarnieri, Alexandre Lettner dos Santos, Alexandre Revoredo, Amandy González, Ana Lucia Silva, Anderson Lucarezi, André Fernandes, André Luiz Pinto, Andréa Catrópa, Baga Defente, Bárbara Lia, Beatriz Azevedo, Beto Cardoso, Bettto Kapettta, Bruno Gaudêncio, Bruno Latorre, Bruno Prado Lopes, Caetano Minuzzo, Caio Fernando, Camila do Valle, Camillo José, Cândido Rolim, Carina Castro, Carla Kinzo, Carlito Azevedo, Carlos Antonholi, Carlos Eduardo Marcos Bonfá, Carolina Tomasi, Cecília Borges, Chris Oliveira, Cide Piquet, Cinthia Kriemler, Cláudio Portella, Danielle Takase, Danilo Tobias, Davi Araújo, Denis Moreira da Costa, Diego de Sousa, Diego Vinhas, Dimitri Rebello, Diogo Mizael, Dirceu Villa, Domenico A. Coiro, Donizete Galvão, DouglaSouza, DuSanto, Edson Bueno de Camargo, Eduarda Rocha, Eduardo Sterzi, Elaine Pauvolid, Emmanuel Santiago, Érica Zíngano, Fabiano Calixto, Fabiano Fernandes Garcez, Fabiano Maffia Baião, Fábio Aristimunho Vargas, Fábio Gullo, Fabrício Corsaletti, Felippe Regazio, Flávio Corrêa de Mello, Fred Girauta, Gabriel Pedrosa, Geovani Doratiotto, Gigio Ferreira, Giuliano Quase, Graça Carpes, Guilherme Gontijo Flores, Guilherme Salla, Hélio Neri, Heyk Pimenta, Igor Alves, Israel Antonini, Ivan Antunes, Jeanne Callegari, Jessica Balbino, Jéssica Chelsea Cassiano Alves, João Campos Nunes, Jorge de Barros, José Antônio Cavalcanti, Jota Mombaça, Júlia de Carvalho Hansen, Julia Mendes, Juliana S. Müller, Jussara Salazar, Katerina Volcov, L. Rafael Nolli, Lara Amaral, Leandro Rafael Perez, Leandro Rodrigues, Leo Gonçalves, Leonardo Chioda, Lisa Alves, Lucas Bronzatto, Luciana Miranda Penna, Maiara Gouveia, Makely Ka, Mamede Jarouche, Marcelo Ariel, Marcelo Noah, Marcelo Sandmann, Márcio-André, Marco Cremasco, Marcos Visnadi, Marcus Oliveira, Mariela Mei, Maykson Sousa, Micheliny Verunschk, Nairana Melo, Nícollas Ranieri, Nina Rizzi, Nydia Bonetti, Orlando Lopes, Paula Corrêa, Paulo de Toledo, Pedro Marques, Pedro Tostes, Rafael Courtoisie, Raphael Gancz, Renan Inquérito, Renan Nuernberger, Renan Virgínio, Ricardo Domeneck, Ricardo Pedrosa Alves, Ricardo Rizzo, Rodrigo Garcia Lopes, Rodrigo Lobo Damasceno, Rodrigo Moreira Pinto, Roque Dalton, Rosana Banharoli, Rosane Carneiro, Rubens Guilherme Pesenti, Rubens Zárate, Sandra Santos, Sérgio Bernardo Correa, Silvana Tavano, Simone Brantes, Takeshi Ishihara, Tarsila Mercer De Souza, Thadeu C. Santos, Thiago Cervan, Thiago Galdino, Thiago Mattos, Tiago Cunha Fernandes, Tiago Pinheiro, Tito de Andréa, Vânia Borel, Waldo Motta, Walter Figueiredo, Wladimir Cazé, Zeca Lembaum.

Links para leitura, afinal:

Adriano Scandolara

Atualização: o Caderno G da Gazeta do Povo, mais tarde, também postou uma notícia sobre a antologia (visível aqui). E a Revista Cult online publicou uma entrevista bastante interessante com os organizadores do volume (clique aqui).

About these ads

  1. Pingback: Vinagre, uma antologia de poetas neobarracos | Fresta da Janela

  2. Pingback: Vinagre: uma antologia de poetas neobarracos | SALAMALANDRO

  3. Pingback: La multitud de Brasil no tiene nombre | #CódigoAbierto_CC

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s